HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
11 fev 2022 - 09:00
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Redução do teor de biodiesel no diesel pode gerar custo para o Brasil de R$ 115 bilhões em 2022

Por Denise Luna


Rio, 10/2/2022 - Estudo inédito da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio) mostra que para cada 1 ponto percentual de redução da mistura do biodiesel ao diesel é gerado um custo de R$ 30 bilhões por ano para o País, levando em conta os impactos da queda da demanda por óleo de soja, da queda da oferta de farelo de soja, no Produto Interno Bruto (PIB), na massa salarial, nos gases de efeito estufa (GEE), na saúde pública, entre outros. Considerando que a mistura deveria estar no patamar de 13%, e subiria para 14% a partir de março deste ano, mas, por decisão do governo, o custo total de manter a mistura em 10% seria de 115 bilhões em 2022.


De acordo com a FPBio, a redução da demanda por óleo de soja levaria à queda do esmagamento da oleaginosa, o que afeta a produção de farelo de soja usado em rações animais. “Por causa disso, sobem os preços do farelo, movimento que se reflete no aumento dos preços das carnes - suína, bovina e aves. Isso significa inflação para o consumidor e aumento do custo de vida”, explica a federação, prevendo nesse quesito uma perda de R$ 3,5 bilhões.


Já o PIB terá queda de R$ 4,95 bilhões, pois, com menos biodiesel, reduz a geração de valor adicionado no Brasil agregado à soja, óleos vegetais e gorduras animais. O desemprego que vem sendo causado pela queda de produção também entra na conta, com perda de R$ 1,2 bilhão na massa salarial por ano. O mesmo valor foi estimado para as perdas com a maior emissão de gases efeito estufa, que inclusive contraria acordos internacionais relacionados à mudança climática.


“Danos socioambientais bilionários serão multiplicados pela elevação das consequentes internações hospitalares; do total de pessoas afastadas do trabalho; das mortes; do desemprego em escala; e do prejuízo a milhares de agricultores familiares, bem como às usinas produtoras de biodiesel e demais integrantes da cadeia produtiva desse biocombustível”, afirma o documento, destacando que o PIB estimado dessa cadeia é de R$ 7,5 bilhões, ou 1,5% de toda a Agroindústria brasileira.


Pelas avaliações da FPBio, devem ainda ser somados a essas perdas socioambientais os aumentos da dependência energética decorrente da importação de diesel mineral e das despesas cambiais. Para cada 1 ponto porcentual de mudança no teor do biodiesel, cerca de 620 milhões de litros de diesel A (diesel derivado de petróleo) são importados, informa. A preços médios de 2021, US$ 288 milhões são despendidos, valor que pode ser bem maior com a escalada atual do preço do petróleo.


A Frente destacou ainda que dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) situam o Brasil com quase 30 mortes ao ano para cada 100 mil habitantes por efeito da poluição causada pelo diesel fóssil. Essa mortalidade se deve, principalmente, à exposição aos materiais particulados inaláveis, que estão relacionados à ocorrência de doenças cardiovasculares e respiratórias, bem como a diversos tipos de câncer.


"Tendo os dados da OMS como fonte, a FPBio e as entidades projetam cerca de 50 mil mortes anuais de brasileiros por causa da poluição causada diretamente pela queima do diesel derivado de petróleo", calcula o estudo.


A FPBio é um movimento suprapartidário, subscrito por cerca de 200 deputados federais e senadores, com apoio de três entidades do setor de biodiesel: Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove); Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio); União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio). Os dados foram entregues ao governo federal na última sexta-feira, “para apoiar a tomada de decisão do Executivo”, segundo a entidade.


“Além de alertar o governo, a FPBio tem se articulado com várias outras frentes parlamentares, entre as quais a mais expressiva do Congresso Nacional, a da Agropecuária, para estabelecer uma agenda em favor da bioenergia junto ao Executivo federal, que restabeleça o cronograma de adição crescente de biodiesel ao diesel fóssil”, informa a entidade.


O Brasil está entre os três maiores produtores de biodiesel no mundo, tendo fechado 2021 com a produção de 6,7 bilhões de litros.

Fonte: AE NEWS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
30 jun 2022

ANP aprova a realização de consulta e audiência públicas para adoção de medida preventiva em relação a estoques de diesel A S-10

+
SAIBA MAIS
30 jun 2022

ANP fará consulta e audiência públicas sobre inclusão de operação para emissão de CBIOs

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

BSBIOS e Embrapa desenvolverão cereais de inverno para produção de etanol

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

Fórum Nacional discute oportunidades para o Trigo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

Biocombustíveis serão tema de debates no Fórum Nacional do Trigo

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO