HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
07 dez 2016 - 10:20
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Poluição: a doença está no ar

Novos estudos confirmam o impacto da poluição atmosférica em uma série de problemas de saúde. E, acredite, ele é maior do que se imaginava


Falta de ar, boca seca, queimação na garganta. Esses são alguns dos sintomas mais comuns relatados por quem procura o pronto-socorro de Santa Gertrudes, a 167 km da capital paulista. No coração do maior polo industrial de pisos e revestimentos cerâmicos das Américas, o município de pouco mais de 20 mil habitantes tem o ar mais poluído do Brasil - a taxa de emissão é quatro vezes maior que o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Só que Santa Gertrudes não é exceção. De 45 cidades brasileiras analisadas em relatório da OMS, 40 estão fora dos padrões ideais. O último documento da entidade estima que 92% da população do planeta está exposta a níveis alarmantes de poluição. Tão alarmantes que podem levar à morte. Segundo a própria OMS, a péssima qualidade do ar está por trás de 8 milhões de óbitos por ano.

'O impacto da poluição na saúde é dramático', declara a epidemiologista María Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS. 'Não quero nem pensar no que pode acontecer em dez ou 20 anos se medidas urgentes não forem tomadas já.' Hoje, a poluição do ar é o quarto principal fator de risco para doenças, só atrás de pressão alta, má alimentação e tabagismo.

Dentro das estatísticas da OMS, 4,3 milhões de mortes estariam relacionadas ao uso de madeira, carvão e biomassa para cozinhar e de querosene para iluminar ambientes geralmente insalubres. As 3,7 milhões restantes são causadas pela queima de combustíveis por veículos automotores, usinas termelétricas e indústrias em geral. Segundo projeção do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a poluição atmosférica aumentou, entre 2008 e 2013, em torno de 8% - o que deve escalar ainda mais o número de baixas na humanidade.

A OMS avaliou a qualidade do ar de mais de 3 mil cidades, em 103 países. A situação é particularmente nebulosa no Oriente Médio, na Índia e na China - entre as 30 cidades mais irrespiráveis do planeta, 16 são indianas e cinco, chinesas. Para chegar a esses números, a entidade calculou as concentrações de material particulado com diâmetro menor que 10 micrômetros (PM 10) e menor que 2,5 micrômetros (PM 2,5) por metro cúbico.

O mais nocivo deles é o tal do PM 2,5. 'Ele está fora dos padrões tolerados pela OMS e provoca graves problemas à saúde', alerta o patologista Paulo Saldiva, do Laboratório de Poluição Atmosférica da Universidade de São Paulo (USP). Por serem praticamente invisíveis, partículas menores que 2,5 micrômetros vão parar nos lugares mais insuspeitos do corpo humano. Até mesmo no cérebro, como detectou uma nova pesquisa inglesa.

Continue lendo aqui.

Fonte: Revista Saúde
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
19 mai 2022

Decreto cria mercado regulador de crédito de carbono no Brasil

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

ONU lança plano para impulsionar uso de energias renováveis

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

Por que engolimos o que a indústria petroleira e os ambientalistas nos dizem?

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

O biodiesel pode ajudar a combater as desigualdades de saúde em comunidades carentes de Justiça Ambiental

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

Dez países que estão recuando nas políticas para biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO