HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 mai 2024 - 11:31
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Maioria das emissões de CO2 nas mineradoras vêm de máquinas a diesel

As emissões de Escopo 1 das mineradoras somaram 11,3 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente (CO2e) em 2022, sendo que a maior parte (59%) do volume vem da movimentação de grandes máquinas e equipamentos, incluindo veículos movidos a diesel. Os números fazem parte do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Setor Mineral, elaborado pelo Ibram (Instituto Brasileiro de Mineração) e divulgado nesta terça-feira (28).


As emissões de Escopo 1 são as liberadas na atmosfera como resultado direto da operação das empresas. As de Escopo 2, indiretas e provenientes da energia elétrica adquirida para uso da companhia, alcançaram 1 milhão de toneladas. As de Escopo 3 contabilizam as emissões da cadeia de valor dos produtos. De acordo com o Ibram, as emissões de processamento do produto (categoria 10 do Escopo 3) totalizaram 762,2 milhões de toneladas. Nessas emissões foram consideradas também as emissões da categoria 11 (uso do produto).


Nas emissões de Escopo 1, as categorias mais representativas são combustão móvel (59%) e mudança do uso do solo (14%), o que é coerente com o perfil de operações do setor, com movimentação de grandes máquinas movidas a diesel para extração mineral e necessidade de alteração da vegetação para limpeza do solo, explicou o Ibram.


O estudo conclui que, com avanços tecnológicos e iniciativas inovadoras, é provável que a mineração se torne menos intensiva em carbono no futuro. Também aponta possibilidades de ações para descarbonização, como adoção do hidrogênio verde para caminhões e equipamentos de mineração, que, lembra o estudo, necessita de arcabouço regulatório e metodológico robusto. Outra medida proposta é a eletrificação de equipamentos e frota, que tem como obstáculos o aumento do consumo de energia elétrica, o tempo de carregamento das baterias dos veículos e a disponibilidade de veículos e de capacidade.


 


Fonte: UOL ECOA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO