HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
14 fev 2024 - 14:20
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Investimento global em energia limpa chega a US$ 1,8 trilhão em 2023 – mas ainda está longe da meta climática

O investimento em energia limpa a nível mundial aumentou acentuadamente em 2023, saltando 17% para atingir US$ 1,8 trilhão (quase R$ 9 trilhões), com um crescimento particularmente forte nos transportes eletrificados e em tecnologias emergentes, incluindo hidrogênio e captura de carbono, de acordo com um novo relatório da BloombergNEF.


Apesar de atingir níveis recordes, o relatório observou que o investimento permanece muito abaixo dos níveis necessários para se alinhar com um cenário líquido zero -- zerando as emissões líquidas dos gases de efeito estufa -- alinhado com o Acordo de Paris, o que exigiria quase o triplo do valor médio anual gasto em energia limpa até o final da década.


O maior impulsionador do crescimento do investimento em energia limpa, de acordo com o relatório, foram os transportes eletrificados, incluindo veículos elétricos e as infraestruturas relacionadas: o investimento nessa área cresceu 36% no ano passado para US$ 634 bilhões.


Embora partindo de uma base substancialmente menor, o investimento em várias categorias emergentes de energia limpa cresceu muito em 2023. Essas áreas incluem o hidrogênio, que triplicou para US$ 10,4 bilhões, a captura e armazenamento de carbono (CCS, na sigla em inglês), quase duplicando para mais de US$ 11 bilhões, e o armazenamento de energia, que aumentou 76%, para US$ 36 bilhões.


Por região, a China foi novamente, de longe, o maior mercado para investimento em energia limpa, com US$ 676 bilhões, ou 38% do total global, segundo a BNEF. O relatório concluiu, no entanto, que a liderança da China em relação ao resto do mundo diminuiu, com um crescimento mais rápido na Europa e na América do Norte. O investimento combinado da UE, do Reino Unido e dos EUA agora ultrapassa a China em US$ 718 bilhões.


"O ano passado trouxe novos recordes para o investimento global em energias renováveis. O forte crescimento nos EUA e na Europa impulsionou a ascensão global, mesmo quando a China, o maior mercado mundial de energias renováveis registrou queda de 11%. Apesar de um ano de notícias difíceis, uma quantidade recorde de capacidade eólica offshore também atingiu o fechamento financeiro", disse Meredith Annex, head de energia limpa da BNEF e coautora do relatório.


A região EMEA (Europa, Oriente Médio e África) registrou o crescimento mais rápido, com fortes aumentos na Europa em energia solar, veículos elétricos, hidrogênio, CCS e indústria limpa, impulsionando um aumento regional de 38% no investimento, enquanto a Lei de Redução da Inflação ajudou a desencadear um salto de 22% no investimento nos EUA, que subiu para US$ 303 bilhões.


 


Cresce fornecimento de energia limpa


O relatório também indicou um crescimento substancial no investimento na cadeia de fornecimento de energia limpa, incluindo equipamentos de tecnologia e minas e refinarias de metal para baterias, subindo para US$ 135 bilhões em 2023, de US$ 115 bilhões no ano anterior, e quase triplicando desde 2020. De acordo com a BNEF, o investimento na cadeia de abastecimento de energia limpa deverá aumentar este ano em 66%, impulsionado pelo pipeline de "gigafábricas" de baterias.


O nível atual de investimentos em tecnologias de energia limpa, contudo, não é nem de longe suficiente para colocar o mundo no caminho certo para a neutralidade carbônica até a metade do século. De acordo com o relatório, os investimentos na transição energética deveriam representar uma média de US$ 4,8 trilhões por ano, entre 2024 e 2030, para se alinhar com o Cenário Net Zero da BNEF, uma trajetória alinhada pelo Acordo de Paris. Isto é quase três vezes o investimento total observado em 2023.


“O nosso relatório mostra a rapidez com que as oportunidades de energia limpa estão crescendo e, no entanto, o quão longe ainda estamos”, disse Albert Cheung, Vice-CEO da BNEF.


“Os gastos com investimentos na transição energética cresceram 17% no ano passado, mas precisam crescer mais de 170% se quisermos chegar ao Net Zero nos próximos anos. Só uma ação determinada por parte dos decisores políticos pode desbloquear este tipo de mudança radical”, completou.


De acordo com o relatório, as cadeias de abastecimento de energia limpa são uma das únicas grandes áreas de investimento que estão no bom caminho para cumprir os requisitos do cenário líquido zero até 2050. Em contrapartida, os níveis médios anuais de investimento entre 2024 e 2030 precisariam de ser mais de 2x superiores para energias renováveis, redes e armazenamento de energia, e quase 3 vezes superiores para transportes eletrificados. No total, o cenário líquido zero da BNEF indica uma necessidade de investimento anual em energia limpa de US$ 4,8 bilhões até 2030.


 


Fonte: Um Só Planeta

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO