HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 fev 2024 - 09:07
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

FPBio escala Fávaro para defender propostas do PL do Combustível do Futuro

A Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio) e as entidades do setor produtivo escalaram o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, para fazer a argumentação técnica dentro do governo a favor das propostas incluídas no relatório do projeto de lei do Combustível do Futuro para atender as demandas dos biocombustíveis e dar mais previsibilidade para o cronograma de mistura ao óleo diesel.


O principal argumento, neste momento, será que os teores mais altos de mistura de biodiesel ao diesel fóssil favorecem o esmagamento de soja no país e podem ser fator determinante para sustentação de preços da oleaginosa, que enfrenta queda nas cotações em função de estoques mundiais altos.


"Quanto mais esmagar soja, mais vai tirar a pressão da formação de preço. Este argumento no seio do governo tem que ser feito pela autoridade que tem direito a fazer isso, que é o ministro Fávaro", disse o deputado Alceu Moreira (MDB-RS), presidente da FPBio após reunião com Fávaro nesta quarta-feira (28/2). Abiove, Aprobio e Ubrabio participaram do encontro.


Moreira disse que o ministro é "francamente favorável" às propostas referentes ao biodiesel no projeto de lei e que ele será o interlocutor do setor perante os demais ministérios envolvidos na discussão, como Minas e Energia, Indústria e Secretaria de Relações Institucionais.


"Vai acabar sendo uma decisão de governo. Pedimos ao ministro para ser nosso interlocutor dentro do governo, explicando todas essas razões para fazer a composição", explicou o parlamentar gaúcho.


Algumas alas do governo reagiram à proposta de fixar em lei o cronograma de aumento da mistura até 20% em 2030, definição feita atualmente pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), órgão de assessoramento da Presidência da República, presidido pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.
Segundo Alceu Moreira, a conjuntura atual é ideal para defender os termos propostos pelo setor no Combustível do Futuro. "É tudo que ele [Fávaro] precisa nesse momento, de pressão de preços bastante grande nas commodities. Os estoques normais do mundo inteiro têm sobras, precisamos saber o que fazer com o óleo, não com a soja. O farelo vai se transformar em frango, porco, leite, carne bovina, vai ter valor agregado. Mas para existir farelo tem que esmagar e para esmagar tem que aumentar a mistura, é uma coisa óbvia", ressaltou.
 
"Ninguém está buscando aqui ser protagonista. Estamos buscando uma solução que interessa a todos os setores envolvidos", completou.


O presidente da FPBio disse que a "escada" de aumento gradual não é imperativa e poderá ser negociada. "Gostaríamos de ter um piso senão a capacidade instalada pode descer menor que o piso e daí não é sustentável. Estamos trabalhando para ter um piso de B15 [mistura de 15% no diesel], menos do que isso nos coloca em situação de vulnerabilidade", apontou.


O Ministério de Minas e Energia quer manter a autonomia na definição dos índices de mistura sem engessar esses percentuais em lei. O relatório prevê que o CNPE poderá aumentar ou reduzir em dois pontos percentuais a mistura em vigor em caso de "motivo justificado de interesse público". A medida, no entanto, não foi suficiente para atender às pretensões do ministério.


"Não estamos colocando no Combustível do Futuro qualquer regra para poder tirar de quem quer que seja. Queremos gerar segurança jurídica e previsibilidade. Queremos isso porque os investimentos industriais para crescer têm que ser previsíveis. Mobilizar e fazer investimento, de esmagadora, construir indústria, demora bastante tempo, o arranjo não é simples", salientou.


Ele disse que espera a compreensão do governo em relação ao tema. "Temos certeza que chegaremos a um bom termo. A palavra não é ceder. Eles [governo] vão compreender que o melhor para todos os setores é ter previsibilidade, que isso vai reduzir custos para fazer investimentos, vai permitir a diversificação das plantas do ponto de vista geográfico, distribuídas pelo país".


 


Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO