HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
22 mar 2024 - 10:19
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Estudo inédito mostra potencial do país em atuar como protagonista da transição energética nos transportes

- Coalizão formada pelos produtores de bioenergia, autopeças, montadoras, pós-venda, sindicatos de trabalhadores, entidades de tecnologia e engenharia trabalha em prol da descarbonização de veículos leves, pesados e máquinas agrícolas;
- Participantes do Acordo de Cooperação MBCB têm o objetivo comum de fortalecer a indústria, a economia, geração de emprego e renda, e promover a neoindustrialização, por meio de todas as rotas tecnológicas da mobilidade no Brasil, apoiando e incentivando o uso de biocombustíveis e bioeletrificação, com recursos sustentáveis e renováveis;
- MBCB encomendou estudo inédito, realizado pela LCA Consultores e MTempo Capital, que aponta não haver uma solução única para diminuir emissões de carbono dos veículos, e indica que o cenário que combina biocombustíveis com elétricos (híbridos) tende a apresentar efeitos positivos na economia: diferença acumulada de R$ 2,8 trilhões no PIB e de 1,6 milhão na geração de empregos, em relação ao cenário que privilegia os veículos 100% elétricos.


O Brasil dá um passo significativo em direção à mobilidade sustentável com a formação do Acordo de Cooperação Mobilidade de Baixo Carbono para o Brasil (MBCB). A iniciativa busca impulsionar a transição energética limpa, economicamente viável e socialmente responsável do setor de transportes do Brasil, respeitando a neutralidade tecnológica e estimulando a neoindustrialização.

O MBCB é um esforço conjunto que reúne as principais montadoras do país, empresas do setor sucroenergético e de biogás, indústrias de autopeças, pós-venda, associações de tecnologia e engenharia, e sindicatos de trabalhadores. O objetivo do grupo é aumentar a conscientização e apoiar o desenvolvimento de políticas públicas que promovam a redução de emissões de carbono de veículos leves e pesados – carros de passeio, comerciais leves, ônibus, caminhões e máquinas agrícolas – e contribuam para o desenvolvimento socioeconômico do país. “O MBCB tem um grande mérito em reunir diversos atores da cadeia da mobilidade em prol da descarbonização dos transportes com foco muito claro em promover todas as tecnologias disponíveis”, afirma Priscilla Cortezze, CMO do MBCB.

Para aprofundar as discussões em torno do tema, o MBCB encomendou Estudo inédito da LCA Consultores e MTempo Capital intitulado ‘Trajetórias Tecnológicas mais Eficientes para a Descarbonização da Mobilidade’, que aponta o potencial do Brasil em se tornar protagonista na transição para um setor de transporte com menor emissão de carbono, incentivando o uso de soluções limpas disponíveis e considerando tecnologias renováveis emergentes, ao mesmo tempo em que deixa claro o impacto socioeconômico da transição energética.


 


Rotas tecnológicas
 
O levantamento partiu de três diferentes cenários para a eletrificação da frota veicular brasileira: o status quo (cenário de controle), onde não há mudanças estruturais na configuração atual dos carros, e outros dois cenários em que há uma convergência para o padrão global de eletrificação, um com ênfase nos veículos híbridos (HEV) e outro cenário com a prevalência dos veículos elétricos puros (BEV). A partir dessas premissas, foram estabelecidas hipóteses que permitiram projetar a composição
da frota nos anos de referência e fornecer uma base para se compreender os possíveis caminhos de eletrificação da frota e seus resultados em termos das emissões de gases de efeito estufa (GEE) e dos impactos associados na indústria, economia, geração de empregos e renda.
 
Sendo assim, a comparação da evolução do cenário automotivo até 2050 revelou descobertas surpreendentes. Analisando a convergência global em direção aos veículos híbridos e elétricos, os resultados mostram que os veículos híbridos emergem como líderes em termos de impacto econômico positivo. Os cenários indicam que os veículos híbridos (HEV) não apenas superam os elétricos (BEV) em termos de produção, Produto Interno Bruto (PIB), empregos e impostos gerados, prevendo um aumento significativo de 1.062.947 trabalhadores no setor de transporte e projeção de aumento no PIB da ordem de R$ 877 bilhões em relação ao cenário de controle (Status Quo).


“Os resultados do estudo indicam que o cenário com predominância de veículos híbridos, além de propiciar redução expressiva das emissões de gases de efeito estufa, tende a impulsionar a economia brasileira e promover a criação de empregos de forma mais dinâmica, em comparação com os demais cenários, pois se preservam os elos da cadeia produtiva e se acrescentam novas tecnologias. O levantamento não pretende indicar rotas “vencedoras”, respeita as estratégias das empresas e as preferências dos consumidores e almeja que todas as alternativas de descarbonização da mobilidade sejam competitivas e possam conciliar sustentabilidade ambiental, social e econômica”, assinala o professor Luciano Coutinho, sócio da MTempo Capital.
 
As análises apontam que, se prevalecerem os veículos 100% elétricos, é possível que haja perdas consideráveis para a economia brasileira, visto que estes veículos demandam um volume menor de partes e peças a serem produzidas. Por outro lado, esses carros irão depender da importação de componentes estratégicos para as baterias (células à base de lítio e outros minerais), cuja produção está fortemente concentrada em poucos países, em plantas industriais de elevada escala produtiva e fortemente apoiadas pelos respectivos governos locais.
 
“Não há sinais claros de que o Brasil possa ser receptor de investimentos para a produção local de células de bateria, o ‘coração’ dos veículos elétricos e componente de maior valor adicionado; a falta de escala e ausência de incentivos, relativamente ao que existe em diversos países desenvolvidos, são fatores que afastam do país estes investimentos a curto e médio prazos. A dificuldade em definir qual rota tecnológica se mostrará mais competitiva para as baterias, em momento de grandes inovações disruptivas, também atrapalha decisões de investimento fora dos grandes centros globais de pesquisa, desenvolvimento e inovação”, ressalta Fernando Camargo, sócio-diretor da LCA Consultores.


Uma análise comparativa das emissões de veículos leves e pesados revela diferenças significativas. Enquanto os leves, que respondem por cerca de 94% da frota nacional, já incorporam tecnologias de baixo carbono, como o uso de etanol, a descarbonização dos veículos pesados torna-se uma prioridade urgente. Com cerca de 6% da frota, os pesados são responsáveis por cerca de 57% das emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Neste sentido, é necessário incentivar e acelerar a introdução de tecnologias alternativas – como veículos elétricos à bateria para caminhões leves/médios que percorrem curtas distâncias e motores movidos a biodiesel, gás ou hidrogênio de baixa emissão para caminhões mais pesados. Diante desse cenário, políticas públicas direcionadas à renovação da frota e à promoção de tecnologias mais limpas são essenciais para mitigar os impactos ambientais do setor de transporte.

“Este é um passo crucial em direção a uma mobilidade sustentável e inovadora para o Brasil. Estamos empenhados em impulsionar a transição para tecnologias de baixo carbono, protegendo o meio ambiente e fomentando o emprego e a renda”, destaca Aroaldo Oliveira da Silva, Presidente da IndustriALL-Brasil e membro do Conselho do MBCB.


 


Métrica da descarbonização: ciclo de vida

O debate em torno da descarbonização do transporte no Brasil passa por uma discussão complexa sobre as etapas do ciclo de vida dos veículos consideradas na apuração das emissões de carbono. A metodologia atualmente adotada no Brasil, denominada de ´poço à roda´, considera as emissões de CO2 na produção dos combustíveis e no uso do veículo nas ruas. A literatura internacional especializada recomenda a medida de emissões no ciclo de vida completo dos veículos compreendendo, além do seu uso, todas as etapas de produção e de suas partes e peças, incluindo as etapas de extração e beneficiamento de minérios; a produção dos combustíveis e o descarte apropriado dos veículos e baterias, resultando em uma medida chamada de ‘berço ao túmulo’. O estudo traz em suas simulações, além das medidas do ‘poço à roda’, medidas de emissão com base no ciclo do ´berço à roda´, incorporando as etapas de produção, conforme figura abaixo.


Sob esta última perspectiva, mais ampla, os veículos híbridos surgem como uma solução ambientalmente favorável, especialmente se alimentados exclusivamente com etanol. Além disso, uma das simulações do estudo mostra que o aumento progressivo do fator de uso de biocombustíveis em substituição aos fósseis em cerca de 26 pontos percentuais (de cerca de 38% para 64% de 2030 a 2050) poderia equiparar as emissões globais do cenário convergência global-híbridos às do cenário 100% elétricos, mesmo considerando a medição atual e mais restrita, do poço à roda. Estes resultados indicam o potencial de descarbonização dos biocombustíveis, soluções já disponíveis no país, de uma forma mais rápida e de baixo custo, uma vez que ocorreria mesmo sem mudanças relevantes na composição da frota atual de veículos – cuja renovação leva muito tempo, ainda em países como o Brasil, com baixo poder aquisitivo de parcela expressiva da população motorizada.


 


Neoindustrialização e geração de emprego e renda
 
Apesar dos desafios, o Brasil possui vantagens competitivas extraordinárias para a descarbonização do transporte, uma vez que suas matrizes energética e elétrica são limpas e compostas por energia renovável. Além disso, o país já desenvolve, há décadas, alternativas efetivas de descarbonização veicular por meio dos biocombustíveis, destacadamente o etanol. “O Brasil tem vocação para ocupar a vanguarda da descarbonização mundial, algo que já vem acontecendo desde a década de 1970 com a criação do Proálcool (Programa Nacional do Álcool). Para continuar nessa trilha basta combinar esforços e investimentos em tecnologia, produção própria e capacitação de pessoas, garantindo empregos e gerando renda”, afirma Evandro Gussi, CEO e presidente da UNICA e membro do Conselho do MBCB.
 
Ao combinar o conhecimento em biocombustíveis com avanços na eletrificação e uso de hidrogênio, o Brasil se destaca como um centro global no desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono. “O país é hoje um dos maiores protagonistas globais da mobilidade sustentável, por conta do uso de biocombustíveis como etanol, biodiesel e biometano. A combinação de biocombustíveis com eletrificação amplia o resultado de descarbonização e serve como referência para outros países que buscam soluções de baixo carbono”, observa Roberto Braun, Diretor de Relações Públicas e Comunicação Corporativa da Toyota e membro do Conselho do MBCB.
 
O Acordo de Cooperação MBCB reúne atualmente mais de 25 instituições e empresas: ABiogás – Associação Brasileira do Biogás, Abipeças, AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva, Alcopar, Bioind ??, Biosul, Bosch, Bruning Tecnometal, BYD, Conarem – Conselho Nacional De Retificas De Motores, Copersucar S.A., Cummins Inc., IndustriALL Brasil, John Deere, MAHLE, MWM Motores e Geradores, SAE BRASIL, Scania, SIAMIG, SIFAEG, Sindaçúcar-PE, Sindaçúcar-AL, Sindaçúcar, Sindalcool, Stellantis, Toyota do Brasil, Tupy, Unica – União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia, e Volkswagen do Brasil.


 


Fonte: MBCB

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO