HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
18 dez 2023 - 14:14
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Entenda como a importação de biodiesel do Brasil afetaria cadeia da soja

O Produto Interno Bruto (PIB) da soja e do biodiesel no país pode deixar de faturar uma quantia bilionária nos próximos anos, caso o Brasil opte pela importação do biocombustível. A aquisição do produto no exterior também coloca em risco a geração de empregos na cadeia.
 
A constatação é de um parecer técnico elaborado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a pedido da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).


De acordo com o relatório, estima-se que R$ 121 bilhões (a preços de 2023) deixariam de ser gerados no PIB da cadeia produtiva entre 2024 e 2036, caso 20% do mercado fosse abastecido pelas importações do biocombustível. Para 2023, a Abiove e Cepea projetam que o PIB agregado pela cadeia da soja e do biodiesel irá alcançar R$ 637 bilhões.


Sobre o mercado de trabalho, o estudo revela que 1,52 milhão de empregos adicionais poderiam ser gerados pela cadeia produtiva de 2024 a 2036, se a produção doméstica de biodiesel fosse a responsável por suprir todo o mercado potencial.


Mas, considerando que 20% desse mercado será abastecido por importações, 444,6 mil ocupações adicionais deixariam de ser geradas pelo segmento.


Para chegar aos resultados, o Cepea considerou uma combinação entre o crescimento estimado da demanda por óleo diesel e um aumento do percentual de mistura obrigatória do biodiesel ao óleo feito a partir do combustível fóssil.


Nesse sentido, o parecer considerou uma mistura de 13% em janeiro e fevereiro de 2024 e um ponto percentual adicional no mês de março de 2024; a partir de 2025, 1 p.p. é adicionado no mês de março de cada ano, chegando a 25% em março de 2035.


 


Outros impactos
 
Além das projeções negativas para o PIB e a geração de empregos na cadeia da soja, o levantamento apontou ainda outros prejuízos com a importação de biodiesel pelo Brasil. Ao considerar as projeções para a demanda de biodiesel e o percentual de 20% a ser suprido por importações, o estudo diz que as aquisições do biocombustível poderiam atingir 40,5 bilhões de litros, de 2024 a 2036.


Diante desse cenário, o estudo projeta uma despesa com importações de US$ 37,33 bilhões no acumulado do período.


As perspectivas para a produção de farelo de soja também seriam afetadas com a entrada do biodiesel estrangeiro, segundo o estudo, uma vez que o país não atingiria o potencial de produção estimado em 11,45 milhões de toneladas, no acumulado de 2024 a 2036.


“Parte dessa produção adicional deixará de criar valor adicionado na indústria brasileira de rações – o que já foi captado nas estimativas apresentadas para o PIB que deixa de ser gerado pela cadeia produtiva nesse cenário. Outra parte dessa produção adicional deixa de ser exportada e, portanto, de gerar receitas com exportações”, ressalta a publicação.


Tendo em vista esse cenário, 6,28 milhões de toneladas de farelo podem deixar de ser exportadas. Assim, o Brasil não seria capaz de gerar US$ 3,23 bilhões em receitas com exportações de farelo.


Para chegar a esses cálculos, o estudo do Cepea utilizou como referência o preço do biodiesel, do farelo de soja e taxa de câmbio do primeiro semestre de 2023, mantendo a estratégia metodológica utilizada nas simulações de PIB e emprego.


Na média do período de janeiro a junho de 2023, a taxa de câmbio foi de R$ 5,0724, o preço do biodiesel de R$ 4,68 por litro conforme dados Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e o preço de exportação do farelo de soja FOB no Porto Paranaguá de US$ 513,59 por tonelada, conforme dados compilados e publicados pela Abiove.
 


Importações
 
No final de novembro, a ANP aprovou a resolução que regulamenta a importação de biodiesel para uso na mistura obrigatória ao óleo diesel no país. Desde então o setor produtivo tenta reverter a medida, alegando inúmeros prejuízos à cadeia.


Na próxima segunda (18), o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) deve se reunir para discutir a autorização da ANP.


 


Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO