HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
06 out 2023 - 13:01
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Em geopolítica, os países não têm amigos, têm interesses

Artigo de Francisco Turra, Presidente do Conselho de Administração da APROBIO


Vivemos no mesmo planeta, respiramos o mesmo ar, mas criamos barreiras para defender aspirações locais. No tabuleiro geopolítico, as nações jogam olhando apenas para seus próprios interesses, e o agronegócio brasileiro tem papel fundamental nessa disputa.


Em preservação ambiental, somos a referência a ser seguida. O Brasil possui cerca de 500 milhões de hectares cobertos por florestas. Segundo o IBGE, 97% dessa área é composta por florestas naturais.


O que nos afasta de mercados exigentes são a nossa falha de comunicação e a pouca disposição para estabelecer acordos internacionais
 
Sem competir por espaço com áreas de preservação, o Brasil tem mais terras agricultáveis que podem ser incorporadas à produção de alimentos que qualquer outro país do mundo. Já somos um dos cinco principais produtores de 34 commodities agrícolas e as colheitas batem recordes sucessivamente. Os avanços em produtividade também permitem continuar essa expansão.


O que nos afasta de mercados exigentes são a nossa falha de comunicação e a pouca disposição para estabelecer acordos internacionais.


Há 30 anos, escolhemos a rota da multilateralidade para ganhar escala, ao invés de privilegiar acordos bilaterais ou trilaterais. Apesar de negociações em 160 mercados, temos acordos voláteis e desiguais em função de tarifas impostas ou regras restritivas. Chile, Peru e México estão em outro patamar de preferência, com mais de 30 acordos bilaterais firmados.


Barreiras sanitárias, ambientais e técnicas são estabelecidas por muitos países, notadamente pela União Europeia, e só servem para bloquear, restringir e prejudicar o comércio do Brasil, ameaçando a normalidade e a estrutura das nossas empresas. Gritamos forte internamente, mas capitulamos na reação.


Acordos comerciais são políticas de Estado e devem contar com a articulação dos Poderes Executivos e Legislativos, junto com entidades representativas de todos os setores envolvidos e organizações internacionais de regulação do comércio. É bom reconhecer que os países não têm amigos, têm interesses. Dentro dessa máxima, ou zelamos de maneira firme pelos nossos interesses e usamos a força da nossa vocação – o agronegócio –, ou perdemos essa batalha.


Publicado no Zero Hora

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO