HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
13 mar 2024 - 10:22
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Descarbonização e digitalização estão na mira da CNI

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) está defendendo uma nova política industrial, com foco em quatro frentes, sendo duas delas a descarbonização da economia e a transformação digital. A defesa da entidade foi consolidada em documento oficial e que circula em várias esferas do governo federal, segundo a revista Exame.


Intitulado Plano de Retomada da Indústria, o material propõe mais duas iniciativas para a retomada do crescimento econômico com geração de empregos: saúde e segurança sanitária e defesa e segurança nacional.


Em sua estrutura, o Plano lista 60 medidas transversais para modernização de processos produtivos, redução dos custos de produção e inserção de empresas brasileiras no mercado global. Entre os assuntos tratados estão desde a tributação até o acesso ao crédito, passando pela abordagem do comércio exterior, segurança jurídica, infraestrutura, inovação, educação, desenvolvimento regional e relações do trabalho.


 


Desenvolvimento sustentável


De acordo com a CNI, a neoindustrialização brasileira precisa estar alinhada às tendências de sustentabilidade, devido às mudanças climáticas e às metas de redução de gases do efeito estufa (GEE), como destaca a reportagem da Exame. Outro ponto relevante é o alinhamento à transição energética, digitalização e inovação. Essa amarração justificaria a retomada do desenvolvimento econômico e social sustentável.


Para o presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, a ausência de uma política industrial clara, com objetivos e benefícios, é um dos motivos para o Brasil ter perdido relevância nas últimas décadas. Ele explicou que as principais economias do mundo estão empenhadas em ações de desenvolvimento voltadas à inovação, à sustentabilidade e à competitividade internacional. “Responder a esses desafios é uma urgência para todos nós, do poder público e do setor privado”, informou.


Para Paulo Camillo Penna, presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) e da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), a CNI teve papel estratégico ao propor uma política industrial para o Brasil que fosse efetiva e que olhasse para os desafios atuais. “Nos últimos anos, houve o que se denominou desindustrialização, e o Plano de Retomada vem para corrigir essa lacuna, não só estabelecendo programas e projetos, mas, também, enfrentando questões atuais, como as mudanças climáticas”, pontua.


 


Fonte: Além da Energia

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO