HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
17 out 2023 - 18:07
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Descarbonização do setor aéreo já começou

Artigo de Alexandre Silveira, Ministro de Minas e Energia


A vocação do brasileiro para a aviação já está clara desde que o mineiro Alberto Santos Dumont, em 1906, conseguiu fazer decolar o 14-Bis usando um pequeno motor movido a gasolina. O desenvolvimento desse primeiro avião inspirou as mentes mais brilhantes do mundo a seguir aprimorando tanto as tecnologias das aeronaves quanto a de combustíveis. Nos anos que se seguiram, o país deu importantes passos para o desenvolvimento aeronáutico, incluindo a inauguração do Instituto Tecnológico de Aeronáutica e a criação da Embraer.


Assim como as tecnologias evoluíram, as preocupações com o futuro do planeta também são outras. Não temos outra opção que não seja reduzir as emissões de gases do efeito estufa para impedir o aumento das temperaturas globais. A aviação responde pela emissão de cerca de 3,5% do CO2 lançado na atmosfera, segundo estudo liderado pela Universidade Metropolitana de Manchester, e esse percentual pode aumentar caso medidas não sejam tomadas.


Soluções para reduzir as emissões do setor aéreo já vêm sendo implantadas. A principal delas é a adição do Combustível Sustentável de Aviação (SAF, na sigla em inglês) ao Querosene de Aviação (QAV) de origem fóssil. Com o Projeto de Lei do Combustível do Futuro, o Ministério de Minas e Energia preparou o marco regulatório que dará segurança jurídica e garantirá a demanda, ao estabelecer mandados de mistura do SAF ao QAV, promovendo a redução de emissões.

Esse é um dos exemplos do nosso trabalho para garantir uma economia verde. Brasileiras e brasileiros devem se orgulhar de ser os protagonistas de uma transição energética mundial.
Nosso país é chamado de celeiro do mundo pela enorme capacidade de produzir alimentos, mas também merece esse título pela grande contribuição energética dos biocombustíveis, cujas matérias-primas crescem em abundância por todos os cantos do Brasil. A partir do uso do etanol e dos resíduos de sua produção, bem como de óleos vegetais, a indústria nacional terá condições de acelerar a produção local do SAF, que poderá resultar em redução no preço de passagens aéreas assim que as rotas tecnológicas de produção estiverem dominadas e o mercado estabelecido.


Era necessário que os setores de aviação e biocombustíveis se unissem para perseguir as metas de descarbonização até atingir a neutralidade das emissões antes de 2050. A parceria com DNA 100% nacional entre a Raízen e a Embraer mostra que o SAF brasileiro será altamente competitivo, tornando o Brasil um exportador desse combustível.
Essa parceria representa o desenvolvimento de tecnologias nacionais, investimento na indústria e geração de empregos mais qualificados. Demonstra um país que não quer ser mero exportador de commodities, mas de produtos acabados, de grande valor agregado.


A adoção do SAF pelo setor aéreo poderá ajudar a reduzir as desigualdades regionais. A Região Nordeste está estrategicamente posicionada em relação aos países desenvolvidos, num ponto praticamente equidistante da Europa e dos Estados Unidos. Essa posição privilegiada tem potencial para que mais voos internacionais façam paradas em aeroportos da região para abastecimento, tornando o Nordeste um hub para fornecimento de SAF e descarbonização da aviação.


O Programa Combustível do Futuro se conecta com o Programa Nacional de Hidrogênio ao haver produção de SAF com hidrogênio de baixo carbono. O SAF é um hidrocarboneto renovável quimicamente idêntico ao QAV fóssil, cujos testes para uso foram validados pela American Society for Testing and Materials (ASTM ) por rota tecnológica e matéria-prima. As melhores práticas internacionais foram incorporadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na sua regulação, assegurando a qualidade necessária aos consumidores.


Fonte: O Globo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO