HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
15 jul 2022 - 17:17
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Compensação de carbono quase triplica em dois anos, mostra estudo

O preço médio do Crédito de Descarbonização (CBIO), compensação obrigatória dos distribuidores de combustíveis para redução de gases do efeito estufa, cresceu mais de 175% em dois anos.


Os dados são de um estudo produzido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) em parceria com a Federação Nacional das Distribuidoras de Combustíveis, Gás Natural?e Biocombustíveis (Brasilcom).


Em junho de 2020, o custo médio era de R$ 43 por cada CBIO. Já neste mês de julho, saltou para R$ 119,70.


“Aumento de CBIOS é igual a aumento em gasolina e diesel, pois estes valores são custos das distribuidoras. Buscamos atuação do governo para evitar especulação e que a obrigação de compra de CBIOs seja atribuída à produção e à importação – que têm instrumentos para reduzir gases do efeito estufa, além de permitir a fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários e do Banco Central para evitar especulação e movimentos de aumento proposital do preço dos CBIOs”, declarou Sergio Massillon, diretor Institucional da Brasilcom.


O Ministério de Minas e Energia confirmou à CNN que tem trabalhado para “identificar as causas do aumento de preço do Crédito de Descarbonização e eventuais efeitos no mercado de combustíveis.”


A pasta ainda afirmou que discute revisar, até o fim deste mês de julho, a portaria que definiu as regras do mercado de CBIOs para “proteger os agentes de oscilações bruscas no preço do CBIO.”


A CNN buscou contato com a Associação Brasileira da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), principal representante das usinas credenciadas para emissão dos CBIOs, para questionar sobre como a entidade vê esse aumento e suas causas.


A reportagem aguarda um retorno.


O que é CBIO?
O Crédito de Descarbonização (CBIO) é uma medida adotada pela Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), criada para cumprir os compromissos assumidos pelo Brasil na COP 21, a Conferência das Nações Unidas sobre o Clima.


O país estabeleceu metas anuais de descarbonização para o setor de combustíveis, com o intuito de aumentar a participação de bioenergia na matriz energética brasileira para aproximadamente 18% até 2030.


O papel de CBIO é emitido por produtores e importadores de biocombustíveis, como o etanol, e comprado por distribuidores de combustíveis fósseis, que possuem metas anuais de descarbonização calculadas pela ANP, com base na proporção de combustíveis fósseis que comercializam.


Cada CBIO corresponde a uma tonelada de gás carbônico evitado e, a cada ano, a distribuidora de combustível fóssil deve solicitar a “aposentadoria” de CBIOs em quantidade equivalente às metas de descarbonização estabelecidas.


O que os pesquisadores da PUC-RJ apontaram é que a falta de uma regulação sobre esses papéis gera um aumento exponencial no preço.


A consequência, segundo o levantamento, é um aumento de custos para as distribuidoras, que vão repassar esse valor para o consumidor final.


Fonte: CNN

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
18 ago 2022

Método disponibiliza dados de pegada de carbono em nível municipal

+
SAIBA MAIS
16 ago 2022

Estados Unidos na vanguarda da crise climática novamente

+
SAIBA MAIS
12 ago 2022

Congresso Nacional será decisivo para Brasil retomar expansão dos biocombustíveis, diz FPBio

+
SAIBA MAIS
12 ago 2022

Biocombustível é opção para diminuir dependência do petróleo

+
SAIBA MAIS
10 ago 2022

Dia Internacional do Biodiesel: como o sustentável biocombustível é produzido

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO