HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
08 nov 2016 - 08:56
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Parlamentar participa da Conferência do Clima em Marrakech

O líder do Partido Verde na Câmara, deputado Evandro Gussi (SP), integra a comitiva brasileira que participa da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que começou hoje em Marrakech, no Marrocos.

Durante a chamada COP-22, mais de 190 países vão negociar os primeiros passos para a regulamentação do Acordo de Paris, indicando como pretendem tornar suas metas realidade.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil vai defender no encontro mais transparência em relação às contribuições determinadas por cada país; a adoção de um marco sobre transferência de tecnologias; e mecanismos de medição e verificação de emissões.

Acordo de Paris
O Acordo de Paris sobre Mudança do Clima, negociado por mais de 190 países em dezembro de 2015, entrou em vigor oficialmente na última sexta-feira (4). Durante as duas semanas da COP-22 serão discutidas ações operacionais para colocar em prática as metas fixadas pelo acordo e seu financiamento.

O documento passa a valer depois que mais de 55 nações, inclusive o Brasil, transformaram o texto em leis nacionais. Juntos, esses 55 países respondem por, pelo menos, 55% das emissões globais de gases responsáveis pelo aumento da temperatura do planeta.

Pelo acordo, cada país tem metas específicas, com um esforço para manter o aumento da temperatura média global abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais. O compromisso brasileiro, aprovado pela Câmara e o Senado e confirmado pelo presidente Michel Temer em setembro, passa pelo corte de 37% das emissões até 2025, com indicativo de redução de 43% até 2030.

Metas subestimadas
Organizações não governamentais reunidas no Observatório do Clima alertam que as emissões brasileiras de 2005, que serviram de base para elaboração das metas, foram subestimadas e, portanto, se não houver correção dos dados, o Brasil pode ter 'ganhado' uma licença para emitir milhões de toneladas a mais.

Apesar do cenário desafiador, o deputado Evandro Gussi, que coordena a Frente Parlamentar do Biodiesel, avalia que o País tem condições de demonstrar forte compromisso no cumprimento do acordo.

'Vejo um trabalho muito forte no Ministério do Meio Ambiente para que as metas do tratado sejam efetivamente cumpridas. O Brasil já tem uma larga história na sustentabilidade energética, nas suas fontes renováveis e sustentáveis de energia, com um caminho que avança na energia fotovoltaica, eólica, no biodiesel, uma fonte de combustível renovável, não poluente. Apesar de metas ousadas, temos, sim, caminhos seguros para alcançá-las nos prazos previstos,' disse o deputado.

Fonte: Cenário MT
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
19 mai 2022

Decreto cria mercado regulador de crédito de carbono no Brasil

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

ONU lança plano para impulsionar uso de energias renováveis

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

Por que engolimos o que a indústria petroleira e os ambientalistas nos dizem?

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

O biodiesel pode ajudar a combater as desigualdades de saúde em comunidades carentes de Justiça Ambiental

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

Dez países que estão recuando nas políticas para biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO