HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
27 abr 2020 - 08:30
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Agricultura de baixo carbono e o aquecimento global

A preocupação maior é com as enormes quantidades de gás carbônico (CO2) sendo emitidas pela queima de combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural) e, de metano (CH4), pelas atividades pecuárias e industriais


Existe grande preocupação mundial sobre o crescimento das emissões de gases de efeito estufa (GEE), assim denominados porque bloqueiam a dissipação do calor emitido pela superfície da terra, transformando a nossa atmosfera numa espécie de estufa gigante. A preocupação maior é com as enormes quantidades de gás carbônico (CO2) sendo emitidas pela queima de combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural) e, de metano (CH4), pelas atividades pecuárias e industriais.


Na recente Cúpula do Clima realizada em Nova Iorque, a ONU divulgou relatório que indica preocupações alarmantes sobre a realidade do aquecimento causado pelos GEE, os quais sinalizam com a possibilidade de causar o derretimento das geleiras e das calotas polares, aumentando o nível dos mares e inundando grandes áreas costeiras, incluindo cidades. Segundo esse relatório, na última década, o nível dos mares subiu 2,5 vezes mais rápido do que no século passado, indicando que nesse ritmo, seu nível aumentará um metro até 2100, obrigando milhares de pessoas a abandonar suas casas. Além da elevação do nível do mar, o degelo do permafrost vai liberar mais de 1,5 mil giga toneladas de gases de efeito estufa que aumentarão a temperatura terrestre, promovendo mais degelo.


Há muitas estratégias para reduzir a emissão dos GEE, dentre as quais salientamos o uso de energias renováveis, como a hidrelétrica, a solar e a eólica. Também, são importantes as bioenergias, como o etanol e o biodiesel. A agricultura também contribui para o aquecimento global quando desmata e queima resíduos culturais e florestais, ou queima petróleo nas operações de preparo do solo, plantio, colheita e transporte das safras. Mas a agricultura conta com ferramentas capazes de reduzir as emissões de GEE que ela mesma produz, dentre as quais destacamos a utilização do Sistema Plantio Direto (SPD), o reflorestamento, a recuperação de pastagens degradadas, a integração da lavoura com a pecuária, a utilização da fixação biológica do nitrogênio em substituição ao fertilizante nitrogenado mineral e o tratamento de dejetos animais, entre outros.


Foi focando nestas possibilidades que o governo brasileiro se comprometeu na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP-15) realizada na cidade de Copenhague (Dinamarca) em 2009, a reduzir, até 2020, as emissões de GEE do conjunto da economia brasileira em cerca de 37%, direcionando este esforço principalmente para o setor agrícola. Dentre outros compromissos, o Brasil se comprometeu acrescentar 8.0 milhões de hectares – aos cerca de 25 Mha já utilizados pelo SPD, em 2009. Em 2020 já são 33 Mha, o que indicaria que este compromisso já foi satisfeito.


O SPD é dos maiores ativos ambientais da agricultura brasileira e uma das principais ferramentas na prática da Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC). Uma das principais contribuições do SPD na redução dos GEE reside no aumento da matéria orgânica que o sistema proporciona ao solo, estocando nela enormes quantidades de carbono que, de outra forma, seriam lançadas na atmosfera incrementando o aquecimento global. Os resultados seriam muito melhores se todos os agricultores seguissem corretamente os princípios básicos da tecnologia, como a rotação de culturas e as técnicas de conservação do solo para evitar a erosão.


A estocagem e o incremento da matéria orgânica do solo proporcionados pelo SPD ajudam na melhoria das características químicas, físicas e biológicas do solo, reduz a perda da umidade por evaporação e aumenta a capacidade de armazenamento de água desse solo, evitando grandes perdas de produtividade, no caso de ocorrerem estiagens não muito severas.  O agro brasileiro está fazendo a sua parte quanto ao compromisso do Brasil de reduzir os GEE.


Fonte: Blog Embrapa Soja

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
03 dez 2020

Ministro Bento Albuquerque participa de evento sobre finanças verdes e bioenergia

+
SAIBA MAIS
03 dez 2020

ONU propõe taxação de carbono e fim de subsídios a combustíveis fósseis

+
SAIBA MAIS
03 dez 2020

[CBBR 2020] O mercado de soja em 2021

+
SAIBA MAIS
01 dez 2020

ANP abre consulta pública sobre redução de metas do RenovaBio

+
SAIBA MAIS
01 dez 2020

Oferta de CBios deve superar 18 mi em 2020, diz Unica; compras atingem 8,6 mi

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO