HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
10 nov 2016 - 08:23
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

ONGs pedem fim do uso de energia do carvão

A Conferência do Clima em Marrakech (COP) está apenas no seu quarto dia e o Brasil já está sendo cobrado pela incoerência entre seu discurso internacional e a prática nas políticas internas.

Desta vez a crítica se dirige à possibilidade de o governo subsidiar termelétricas movidas a carvão, caso a Medida Provisória 735 seja sancionada pelo presidente Michel Temer. O texto, que trata privatizações do setor elétrico, embute no artigo 20 um incentivo de R$ 5 bilhões às termelétricas movidas a carvão mineral.

A reportagem teve acesso antecipado ao Eco, boletim que começa a circular nesta manhã ente as negociações da COP e que critica a escolha do Congresso brasileiro, fazendo um apelo pelo veto.

"O mundo está assistindo ao que acontece no Brasil e esperando coerência de um país que tem todo o potencial para ser um dos primeiros a alcançar 100% de energias renováveis", cobra o texto, endossado por mais de 100 organizações internacionais sob a sigla CAN (Climate Action Network).

Cavar


Intitulado "Primeira regra quando você está em um buraco: pare de cavar", o texto também traz o contexto internacional e cobra países como Japão e Turquia a buscar fontes alternativas de energia. Quem frequenta as anuais Conferências Clima está acostumado a receber um exemplo do boletim, que pauta as conversas pelos corredores da COP.

Segundo a Associação Brasileira do Carvão Mineral, o incentivo ao carvão garantiria "energia firme e barata" para o país. Já organizações ambientalistas são unânimes em condenar a opção, que sairia cara para o clima e para a saúde pública.

"As indústrias de combustíveis fósseis já perceberam que seu tempo está se esgotando e estão fazendo o possível para prolongar sua existência", explica Pedro Telles, coordenador de Clima e Energia do Greenpeace. Para Telles, é justamente o contexto de progresso no acordo climático que gera a reação dos produtores de combustíveis fósseis.

"Mas se a gente quiser se comprometer com o Acordo de Paris e agir sobre as mudanças climáticas, que já mostram suas consequências pelo mundo, precisamos combater a fonte de energia mais suja que existe", conclui.

Fonte: Folhapress
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
19 mai 2022

Decreto cria mercado regulador de crédito de carbono no Brasil

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

ONU lança plano para impulsionar uso de energias renováveis

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

Por que engolimos o que a indústria petroleira e os ambientalistas nos dizem?

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

O biodiesel pode ajudar a combater as desigualdades de saúde em comunidades carentes de Justiça Ambiental

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

Dez países que estão recuando nas políticas para biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO