Biocombustíveis: agência dos EUA propõe aumento de 3% na exigência para 2019

Washington, 04 – A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) propôs os volumes mínimos de combustíveis renováveis que refinarias do país devem misturar a combustíveis fósseis em 2019. O chamado Padrão de Combustíveis Renováveis (RFS) para o ano que vem prevê um aumento de 3% no volume total em relação à exigência para 2018.

A proposta da agência é de 19,88 bilhões de galões (75,2 bilhões de litros) de etanol de milho e outros biocombustíveis, o que representa um aumento de 590 milhões de galões (2,2 bilhões de litros) em relação à exigência para este ano, de 19,29 bilhões de galões (73 bilhões de litros). O volume de combustíveis renováveis convencionais como etanol de milho foi mantido em 15 bilhões de galões (56,8 bilhões de litros).

O volume de biodiesel para 2019 também ficou inalterado ante a exigência para 2018, em 2,1 bilhões de galões (7,95 bilhões de litros), mas passará a 2,43 bilhões de galões (9,2 bilhões de litros) em 2020. Houve aumento no volume para biocombustíveis avançados, como biocombustíveis celulósicos e etanol de cana-de-açúcar, que passou de 4,29 bilhões (16,24 bilhões de litros) para 4,88 bilhões de galões (18,5 bilhões de litros). Dentro dos avançados, o volume exigido de biocombustíveis celulósicos passou de 288 milhões (1,09 bilhão de litros) para 381 milhões de galões (1,44 bilhão de litros).

O RFS foi criado em 2005 com o objetivo de diminuir as emissões de carbono e reduzir a dependência norte-americana do petróleo estrangeiro, num momento em que os preços do combustível fóssil começavam a subir. No entanto, a exigência não tem funcionado como se pretendia, e os níveis de produção de combustíveis renováveis, principalmente etanol, costumam ficar abaixo dos volumes estabelecidos por lei. Muitas refinarias de petróleo estão recorrendo diretamente à EPA para serem desobrigadas da exigência. Desde que Scott Pruitt assumiu o comando da agência, o número de concessões vem aumentando. Pequenas refinarias com capacidade inferior a 75 mil barris por dia, mesmo se controladas por uma grande empresa, podem obter isenções se comprovarem que a exigência está causando “dificuldades econômicas desproporcionais”, segundo o site da EPA.

A Associação de Combustíveis Renováveis (RFA, na sigla em inglês), que representa o setor de etanol nos EUA, disse que a proposta da EPA para 2019 é superficial, já que a agência vem permitindo que pequenas refinarias não cumpram a exigência. Segundo o presidente e CEO da RFA, Bob Dinneen, em teoria a manutenção do volume de biocombustíveis convencionais como etanol de milho deveria enviar um sinal positivo para o mercado. No entanto, uma demanda de 1,6 bilhão de galões (6,1 bilhões de litros) foi “destruída por isenções ilegais para pequenas refinarias” e não há um comprometimento da EPA em mudar essa postura, afirmou Dinneen. “Isso não é apenas errado, mas vai de encontro ao compromisso assumido pelo presidente (Trump) junto a agricultores e consumidores que apoiam um maior uso de combustíveis renováveis.”

Nos EUA, o etanol é feito principalmente com milho e a indústria consome cerca de um terço da safra doméstica do cereal.

Fonte: Estadão Conteúdo

Trump irá propor mudanças “radicais” em leis de biocombustíveis, diz fonte

Medidas podem incluir expansão do programa de exportação de etanol e redução do número de isenções para as pequenas refinarias do país

A administração do presidente norte-americano, Donald Trump, irá propor em breve mudanças “radicais” para as leis de biocombustíveis no país, que incluem expandir o programa de exportação de etanol e reduzir o número de isenções para as pequenas refinarias do país, disse uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters na última sexta-feira (11).

O Padrão de Combustível Renovável dos EUA (RFS, na sigla em inglês) exige que as refinarias ou misturem biocombustíveis como o etanol à base de milho ao combustível ou comprem créditos dos que misturam.

O governo Trump está nos “últimos estágios” de propor formalmente mudanças para o RFS, após o presidente ter passado os últimos meses tentando negociar um acordo entre as rivais indústrias de milho e petróleo.

A Casa Branca não respondeu  a um pedido de comentário.

Fonte: Reuters

Governadora de Iowa, nos EUA, solicita maiores requisitos de biodiesel a RFS em 2019

A governadora de Iowa, Kim Reynolds, está convidando a Agência de Proteção Ambiental a aumentar os volumes de produção de biodiesel no próximo Padrão de Combustível Renovável (RFS, em inglês) previsto para 2019.

Falando em sua conferência de imprensa semanal, Reynolds ressaltou que aumentar o setor de biocombustíveis ajudará a economia agrícola de Iowa. A parlamentar testemunhou perante a EPA nesta terça-feira (02), juntamente com alguns dos principais defensores dos biocombustíveis do país.

“Nossos agricultores demonstraram que eles têm a capacidade de não só nos alimentar, mas de alimentar o mundo”, disse Reynolds. “O RFS é fundamental na nossa capacidade contínua de fazer isso. O crescimento da indústria de combustíveis renováveis ​​é fundamental para isso também”.

A governadora diz que a indústria de combustíveis renováveis ​​como um todo tem um grande impacto na saúde econômica de Iowa. “O estado tem mais de 43 mil empregos ligados à indústria de combustíveis renováveis”, disse Reynolds. “Isso gera cerca de US $ 2,3 bilhões de renda para o estado, 3,5 por cento ou US $ 4,6 bilhões são contribuídos para o PIB que está vinculado diretamente aos combustíveis renováveis”.

Além de dar aos agricultores de Iowa mais opções para as culturas de marketing, Reynolds diz que um RFS amigável poderia ajudar a todos e a cada consumidor na bomba.

Reynolds passou a maior parte do tempo diante da EPA, promovendo os pontos fortes dos biocombustíveis e ressaltando que é necessário fazer mais para aumentar os requisitos de volume no próximo RFS. A governadora pediu à EPA que eleve o requisito de volume de biodiesel de 2019 para 2,75 bilhões de galões, acima do requisito de 2,1 bilhões de galões que foi estabelecido para 2018.

“Em Iowa, representamos 16 por cento da produção total de biodiesel dos EUA”, disse Reynolds. “Em 2016, os EUA consumiram 2,8 bilhões de galões de biodiesel, então definitivamente podemos superar esse volume até 2019. De fato, cada vez que a EPA aumenta os volumes de biodiesel, a indústria aumenta o desafio. Realmente, é isso que o RFS faz . É uma política de forçar o mercado. É audaz, e os requisitos de volume da EPA devem refletir isso “.

O programa padrão de combustível renovável foi criado em 2005 e exige o mínimo de combustível renovável que deve ser incluído no fornecimento de energia dos EUA a cada ano.

Clique aqui e acesse a matéria original.

Fonte: Rádio KMAland

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721