65º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 977,52 milhões de litros

No 65º Leilão de Biodiesel da ANP foram arrematados 977,52 milhões de litros de biodiesel (volume obrigatório e voluntário). Destes, 976,29 milhões de litros foram para mistura obrigatória, sendo 99,79% deste volume oriundo de produtores detentores do selo Combustível Social. O preço médio foi de R$ 2,333/L, sem considerar a margem Petrobras, e o valor total negociado atingiu o patamar de R$ 2,278 bilhões, refletindo um deságio médio de 20,64 % quando comparado com o preço máximo de referência médio (R$ 2,940/L).

A apresentação das ofertas de biodiesel ocorreu em um único dia (4/2), com 40 produtores disponibilizando um volume total de 1,124 bilhões de litros, sendo 99,79% de produtores detentores do selo Combustível Social.

No primeiro dia de seleção das ofertas (6/2) foram arrematados 884,18 milhões de litros de biodiesel exclusivamente de produtores detentores de selo Combustível Social, em torno de 78,66% do total ofertado para todo o leilão.

No segundo dia (7/2) foram arrematados 92,11 milhões de litros de biodiesel de produtores detentores ou não de selo Combustível Social, em torno de 8,19% do total ofertado no leilão.

A apresentação e a seleção de ofertas de biodiesel para mistura voluntária ao óleo diesel ocorreram no dia 11/2, quando foram disponibilizados 26,47 milhões de litros, sendo 100 % de produtores detentores do selo Combustível Social. Este volume representa 17,9 % do saldo total de oferta não vendida para fins de adição obrigatória. Foram negociados 1,23 milhão de litros de biodiesel, representando 4,65% do total ofertado no leilão autorizativo.

Os Leilões de Biodiesel destinam-se a atender o disposto na Lei nº 13.263, publicada no DOU em 24/03/16, que estabelece em 10% o percentual mínimo obrigatório de adição de biodiesel ao óleo diesel vendido ao consumidor final (B10), em até 26 meses após a data de promulgação da Lei.

O 65º Leilão (L65) visa garantir o abastecimento de biodiesel no mercado nacional durante o período de 1º de março a 30 de abril de 2019, conforme diretrizes das Portarias do Ministério de Minas e Energia nº 476, de 15/08/12, e nº 576, de 11/11/2015, e critérios estabelecidos no Edital de Leilão Público nº001/19-ANP.

Os volumes comercializados somente serão validados após homologação pela diretoria da ANP.

Fonte: ANP

Retiradas de biodiesel ficam em 96,8% do comprado para o último bimestre de 2018

A performance de entregas das usinas fechou 2018 com uma ligeira melhora. Segundo dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), no último bimestre do ano as distribuidoras receberam 96,8% do volume de biodiesel que foi negociado durante o Leilão 63.

Esse resultado representa uma melhoria um pouco maior que um ponto percentual sobre o indicador do bimestre anterior, quando as retiradas ficaram em 95,7%. Um ano antes – no sexto bimestre de 2017 –, o indicador havia ficado em 95,4%

Se dependesse só de novembro, as distribuidoras teriam beirado a perfeição com retiradas de quase 99,7%. Em dezembro, no entanto, a performance caiu para 94% derrubando o resultado geral do bimestre.

Queda no volume

Apesar de representar uma melhora na performance, o volume entregue no sexto bimestre ficou menor. Entre novembro e dezembro, um pouco mais de 933,9 milhões de litros de biodiesel. O volume é 1,7% inferior aos 950,5 milhões de litros que saíram das plantas durante o quinto bimestre de 2018

Uma queda no final do ano é esperada. Ao longo dos anos, a curva típica de entregas das usinas sobe ao longo do primeiro semestre até atingir um platô entre os meses de setembro e outubro para, depois, apresentar uma queda.

No caso de 2018, no entanto, a queda começou um pouco mais cedo. O pico do mercado foi atingido no quarto bimestre quando as entregas se aproximaram dos 980,5 milhões de litros perdendo força a partir daí.

Considerando apenas os volumes efetivamente entregues e os preços médios do leilão, o faturamento do setor no bimestre foi de R$ 2,63 bilhões. A cifra é R$ 85,8 milhões menor do que poderia ser faturado se as entregas tivessem sido de 100%.

Melhores

O maior volume entregue no bimestre foi da Granol de Anápolis. Da unidade goiana saíram 66,1 milhões de litros de biodiesel o que representa 97% do montante vendido para o período.

Ela, no entanto, não foi apresentou a melhor performance no período. Esse mérito cabe a Bio Vida que entregou 108,9% além do volume com que havia se comprometido no L63. A unidade entregou 98 m³ de biodiesel e havia vendido 90 m³.

Outras duas unidades – a Minerva e a BSBios de Passo Fundo – também superaram a barreira do 100%. Juntas, elas colocaram 172 m³ de biodiesel a mais do mercado.

No bimestre, apenas a Olfar de Porto Real não conseguiu atingir o piso de 90% exigido pela ANP. A planta fluminense entregou 15,2 milhões de litros, 84,4% dos 18 milhões de litros que negociou no L63.

Se a agência reguladora considerar que a responsabilidade pelo baixo resultado é da Olfar, a empresa poderá ter que cumprir uma suspensão precisamente no Leilão 66 o que a deixaria de fora da estreia do B11.

20190207 L63EntregasObrigatorio TABELA

Autorizativo

Além das entregas para o mercado regular, o mercado autorizativo movimentou 419 m³ de biodiesel no bimestre. Isso dá cerca de 94,1% dos 445 m³ negociados durante a Etapa 5A do L63. Com esse resultado, o segmento movimentou perto de R$ 1,25 milhão.

A Bocchi entregou 377 m³ – 94,2% – para projetos autorizativos engordando seus ganhos em R$ 1,1 milhões. A Granol de Anápolis entregou 93,3% dos 45 m³ devidos arrecadando R$ 125,1 mil.

Fonte: BiodieselBR

Oferta de biodiesel volta a bater recorde no Leilão 65

As usinas voltaram a bater recorde na oferta de biodiesel. Ao todo, elas colocaram à disposição do mercado nacional um pouco mais de 1,12 bilhão de litros para atender à demanda durante o segundo bimestre do ano. Este foi o volume ofertado pelos fabricantes durante no 65º Leilão de Biodiesel cuja Etapa 2 aconteceu na manhã e tarde dessa segunda-feira (04).

O volume atual supera em pouco mais de 2,8% o recorde anterior que pertencia ao L62. Nele, os fabricantes haviam colocado à venda cerca de 1,09 bilhão de litros. Em relação ao certame equivalente do ano passado – L59 – o aumento na oferta foi bem mais substancial: 10,9%.

Esse crescimento é particularmente vistoso se considerarmos que a mistura de biodiesel é a mesma de um ano atrás – o B11 deve chegar só a partir de meados do ano. O L59 foi o primeiro organizado já sob a bandeira do B10 e, também, o primeiro a superar a barreira de um bilhão de litros ofertados.

Aumento no interesse

O resultado de hoje parece refletir um aumento de interesse das usinas em ofertar biodiesel. Tanto que o volume efetivamente ofertado representou 84,7% da capacidade que foi habilitada pela ANP.

Com quase três pontos percentuais a mais do que no leilão anterior, a relação entre capacidade e ofertas – que havia dado um passo atrás nos leilões 63 e 64 – volta a se aproximar da faixa na qual o mercado variou nos certames seguintes à chegada do B10. Nesse período a capacidade de oferta ainda avançou mais de 123,5 milhões de litros.

Preços em queda

A despeito do aparente entusiasmo do mercado, o preço do biodiesel caiu fechando o dia com uma média de R$ 2.324,41 por m³. A retração nos valores pedidos pelas usinas foi ainda maior do que a aplicada aos PMRs pela ANP.

Enquanto a queda determinada pela agência no teto de preços foi de 8%; em média, as usinas pediram 9,4% abaixo do preço que fixaram no mesmo ponto do L64.

O deságio em relação aos PMRs ficou em 21,1%, o maior desde o L61 quando as usinas aceitaram preços 22,6% abaixo do teto.

Na quarta-feira, às 10h, as distribuidoras irão começar as compras de biodiesel.

Fonte: BiodieselBR

65º Leilão de biodiesel tem 41 usinas interessadas em participar

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) publicou nesta quarta-feira (16) a pré-habilitação para o 65º Leilão de Biodiesel. O documento mostra que 41 unidades produtivas demonstraram interesse em participar do leilão para o segundo bimestre de 2019.

Ao todo, a capacidade produtiva inscrita no processo se aproxima dos 1,32 bilhões de litros.

De cara, já sabemos pelo menos uma delas vai ficar de fora. A solicitação da Biotins foi barrada com base regra que impede usinas que tenham ficado paradas durante mais de um ano voltarem ao mercado sem, antes, passarem por uma vistoria da ANP. Instalada no município de Paraíso do Tocantins (TO), a planta sem fabricar biodiesel desde agosto de 2013.

Essa regra ganhou notoriedade no L61 quando foi usado pela ANP para negar a habilitação da Camera de Ijuí, mesmo tendo habilitado outras duas empresas que estavam na mesma situação – posteriormente a empresa recorreria da decisão e conseguiria participar do certame.

A inabilitação da Bioitins terá pouco efeito sobre o resultado do leilão. A empresa tem capacidade para ofertar, no máximo, 4,86 milhões de litros por bimestre – menos de 0,4% do total.

Pendências

Há ainda duas usinas com pendências apontadas pela ANP e que ainda poderão regularizar suas situações até a próxima segunda-feira (21).

Uma delas é a Prisma que precisa mostrar que sua planta de Sumaré (SP) está em situação regular junto ao governo municipal. A outra é a Cooperfeliz que apresenta pendências em relação ao fisco estadual. As duas juntas podem fabricar até 12,6 milhões de litros.

Mesmo que as duas usinas não consigam resolver suas pendências a tempo, a capacidade produtiva que já se encontra devidamente habilitada beira os 1,3 bilhão de litros e já garante para o L65 o título de maior potencial de oferta entre os leilões bimestrais.

Se elas conseguirem, teremos 40 unidades produtivas participando da disputa, um número que não se via desde o L41.

Fonte: BiodieselBR

Distribuidoras compram 770 m³ de biodiesel para mercado autorizativo

Embora a demanda tenha crescido vistosos 73% em relação ao bimestre anterior quando as compras foram de 445 m³, o mercado autorizativo continua sendo somente uma nota de rodapé para a indústria como um todo – ele representa menos de 0,1% do que foi arrematado durante as Etapas 3 e 5 do processo regular.

Das 18 usinas que poderiam participar da Etapa 5A por terem saído das rodadas anteriores com volumes de biodiesel não vendidos, apenas sete fizeram ofertas que totalizazram 16,5 milhões de litros. Essas usinas poderiam ter oferecido 64,5 milhões de litros.

Apenas três usinas fizeram vendas: a BioVida com 325 m³; a Bocchi com 400 m³ e a Granol de Anápolis com 45 m³. Juntas, elas vão faturar um pouco mais de R$ 2 milhões o que dá uma média de R$ 2.684,55.

O valor é R$ 24,52 maior do que os R$ 2.660,03 apurado no mercado obrigatório.

As compras feitas hoje são suficientes para garantir a venda de 3,85 milhões de litros de B20.

Fonte: BiodieselBR

914,2 milhões de litros foram arrematados durante o L64

Acabou o 64º Leilão de Biodiesel, processo responsável por abastecer o mercado brasileiro durante os primeiros dois meses de 2019. No total, foram arrematados um pouco menos que 914,2 milhões de litros de biodiesel. O volume foi o menor desde o L59 – primeiro certame que teve o B10 como mistura obrigatória.

O processo foi inesperadamente rápido. A Etapa 3, durou menos de 10 horas e a rodada de hoje acabou antes das 15h40.

Em relação ao certame equivalente do ano passado – o L58 – as vendas de biodiesel aumentaram em 28,2%. O crescimento é ligeiramente maior do que o que seria de se esperar se fosse movido somente pelo aumento da mistura obrigatória do B8 para B10.

As compras de biodiesel, permitem a colocação de 9,14 bilhões de litros de óleo diesel B – com 10% de biodiesel adicionado. Esse montante é 10,7% maior do que os cerca de 8,26 bilhões de litros de diesel que foram comercializados ao longo do primeiro bimestre deste ano.

Retomada da Etapa 5

Do total negociado pelas distribuidoras, 847,3 milhões de litros – 92,7% – foram adquiridos durante a Etapa 3. Isso permitiria que fossem comprados até 211,8 milhões de litros na rodada desta quinta-feira. No entanto, a demanda real acabou sendo de apenas 66,9 milhões de litros o que representa 7,3% do volume total.

Esse resultado mostra uma leve reversão importante na tendência recente de perda de relevância da Etapa 5 no resultado final dos leilões de biodiesel. No leilão passado, menos de 2,3 do biodiesel foi comprado nessa rodada.

Faturamento

O processo de negociação movimentou R$ 2,43 bilhões de litros, dos quais um pouco menos de R$ 2,41 bilhões ficarão com os fabricantes.

O preço médio do biodiesel no L64 ficou em R$ 2.660,03 para cada metro cúbico negociado. Esse valor é cerca de 6,3% menor que os R$ 2.839,60 do bimestre passado.

Destaques

– As compras de biodiesel do L64 se aproximaram dos 914,2 milhões de litros de biodiesel;
– Desse total, 92,7% foram comprados durante a Etapa 3 e os 7,3% restantes milhões de litros foram comprados na rodada de hoje;
– Um pouco menos de 135,4 milhões de litros de biodiesel ofertados pelas usinas ficaram sem comprador, esse é o maior saldo dos últimos 6 certames;
– O preço médio do biodiesel ficou em R$ 2.660,03 por metro cúbico;
– Com isso, o faturamento do L64 chegará a R$ 2,43 bilhões;
– Das 39 usinas que participaram da disputa, 19 liquidaram suas ofertas e, destas, 11 usinas venderam 100% da capacidade instalada bimestral;
– A ADM de Rondonópolis foi a usina que mais vendeu biodiesel com exatos 63 milhões de comprados a R$ 2.630,58 o m³, gerando renda de R$ 165,7 milhões;
– Com vendas totalizando 109 milhões de litros, a Oleoplan foi o grupo empresarial melhor colocado, atingindo um faturamento de R$ 291,4 milhões;
– O biodiesel mais caro foi da Granol de Porto Nacional com ganhos de R$ 2.891,48 por m³;
– Já o mais barato coube à Oleoplan de Veranópolis que foi arrematado por R$ 2.560,36 por m³;
– A Granol de Cachoeira do Sul foi a única usina a não vender biodiesel ficando com 20 milhões de litros encalhados;
– As usinas gaúchas foram as que mais venderam biodiesel passando de 235 milhões de litros negociados;

Fonte: BiodieselBR

Leilão 64 será disputado em incrementos de R$ 20

A Petrobras aumentou para R$ 20 o valor dos incrementos mínimos nas ofertas das distribuidoras durante os leilões de biodiesel. A mudança implementada por meio do Regulamento de Comercialização de Biodiesel da Petrobras vai valer já para o 64º Leilão de Biodiesel. O novo valor é o dobro do que estava em vigor desde o L60.

O aumento tem como objetivo acelerar o processo de aquisição de biodiesel pelas distribuidoras, mesma motivação da primeira elevação nos incrementos – de R$ 5 para R$ 10. A nova mudança vem na esteira do traumático L63. Nele, as distribuidoras levaram impressionantes quatro dias para comprar os 964,3 milhões de litros necessários para o mercado de mistura obrigatória.

O incremento mínimo funciona da seguinte forma: se uma distribuidora tiver comprado um lote de biodiesel com uma oferta de R$ 2.000,00 por m³, uma concorrente só poderá levar esse mesmo lote se der uma oferta de R$ 2020,00. Antes, bastaria dar R$ 2.010.

Isso permite que as distribuidoras equalizem mais rapidamente os preços das diferentes ofertas.

Fonte: BiodieselBR

Primeiro leilão da ANP pós-flexibilização da mistura voluntária será no dia 10 de agosto

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) publicou o edital do próximo Leilão de Biodiesel, o primeiro a ser realizado após a flexibilização dos porcentuais para mistura com o diesel fóssil no uso voluntário.

O L62 terá sua abertura em 10 de agosto, com realização prevista na semana seguinte. Com a portaria do Ministério de Minas e Energia que passou a permitir variados porcentuais de mistura de biodiesel ao combustível usado por frotas cativas (até 20%), transporte ferroviário e maquinário agrícola e industrial (até 30%), o próximo certame poderá registrar uma maior demanda desse tipo de adquirente (uso autorizativo e voluntário).

Antes do próximo leilão, a ANP também espera divulgar o resultado da Tomada de Contribuições sobre a política de reajustes de preços dos combustíveis. Segundo o diretor-geral da agência, Décio Oddone, isso deve ocorrer nas próximas duas semanas.

O diesel fóssil, inclusive o importado, continua contando com a subvenção – R$300,00/m³, tendo preço fixo de R$ 2,0316 -, enquanto o biodiesel não dispõe das mesmas condições e mantém sua política de preços definidos a cada 60 dias, por leilão.

Vale lembrar que o último leilão foi histórico e registrou pela primeira vez a marca de 1 bilhão de litros de biodiesel arrematados, após as usinas do setor também ofertarem o maior volume do produto na história.

Fonte: Visão Aprobio

60º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 928 milhões de litros

No 60º Leilão de Biodiesel da ANP foram arrematados 928,138 milhões de litros de biodiesel. Destes, 927,693 milhões de litros foram para mistura obrigatória, sendo 99,6% deste volume oriundo de produtores detentores do selo Combustível Social. O preço médio foi de R$ 2,423/L, sem considerar a margem Petrobras, e o valor total negociado atingiu o patamar de R$ 2,25 bilhões, refletindo num deságio médio de 16,78% quando comparado com o preço máximo de referência médio (R$ 2,91/L).

A apresentação das ofertas de biodiesel ocorreu em um único dia (03/04), com 38 produtores disponibilizando um volume total de 1,033 bilhão de litros, sendo 99,4% de produtores detentores do selo Combustível Social.

No primeiro dia de seleção das ofertas (05/04), foram arrematados 825,923 milhões de litros de biodiesel exclusivamente de produtores detentores de selo Combustível Social, em torno de 79,9% do total ofertado para todo o leilão.

No segundo dia de seleção das ofertas (06/04), foram arrematados 101,770 milhões de litros de biodiesel de produtores detentores ou não de selo Combustível Social, em torno de 9,8% do total ofertado no leilão.

A apresentação e a seleção de ofertas de biodiesel para mistura voluntária ao óleo diesel ocorreram no dia 10/04, onde foram disponibilizados 31,77 milhões de litros, sendo 98,43% de produtores detentores do selo Combustível Social. Este volume representa 30% do saldo total de oferta não vendida para fins de adição obrigatória. Foram negociados 445 mil litros de biodiesel.

Os Leilões de Biodiesel destinam-se a atender o disposto na Lei nº 13.263, publicada no DOU em 24/03/16, que estabelece em 10% o percentual mínimo obrigatório de adição de biodiesel ao óleo diesel vendido ao consumidor final (B10), em até trinta e seis meses após a data de promulgação da Lei.

O 60º Leilão (L60) visa garantir o abastecimento de biodiesel no mercado nacional durante o período de 01 de Maio a 30 de junho de 2018, conforme diretrizes das Portarias do Ministério de Minas e Energia nº 476, de 15/08/12, e nº 576, de 11/11/2015, e critérios estabelecidos no Edital de Leilão Público nº 002/18-ANP.

Os volumes comercializados somente serão validados após homologação pela Diretoria da ANP.

Fonte: ANP

ANP espera arrecadar mais de R$ 3,5 bilhões com leilões de petróleo em 2018

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) estima arrecadar cerca de R$ 3,5 bilhões em bônus de assinatura com leilões de petróleo em 2018, segundo o diretor-geral, Décio Oddone. Para este ano, já estão agendadas a 15ª Rodada de Licitações de Blocos de Petróleo e Gás, em 29 de março, e a 4ª Rodada de Licitações do Pré-Sal, sob o regime de partilha, em 7 de junho.

A estimativa foi apresentada por Oddone nesta segunda-feira (29) durante a assinatura dos contratos da 14ª Rodada de Licitações de Blocos de Petróleo e Gás.

Também presente na cerimônia, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse estar com expectativa elevada para os próximos leilões. “O que estamos vendo é que o pré-sal se coloca como uma das áreas prioritárias e preferenciais das grandes empresas do mundo. A Petrobras vai continuar com a linha que vem adotando, de participação firme, mas seletiva.”

A 14ª Rodada de Licitações de Petróleo e Gás foi realizada em setembro do ano passado. Dos 287 blocos ofertados, 37 foram arrematados, envolvendo uma área total de 25.011 quilômetros quadrados (km²).

Continue lendo aqui.

Fonte: Agência Brasil

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721