Mudanças climáticas podem acabar com a civilização até 2050, diz estudo

Um relatório publicado peloCentro Nacional de Descoberta do Clima da Austrália defende que, se nada for feito, as mudanças climáticas podem levar ao colapso da civilização humana até 2050. Os especialistas acreditam que, no atual ritmo de aquecimento global, a temperatura subirá cerca de 3 graus Celsius nos próximos 30 anos.

“Há um risco existencial para a civilização […] com consequências negativas permanentes para a humanidade que nunca poderão ser desfeitas, aniquilando a vida inteligente permanentemente — ou reduzindo drasticamente seu potencial”, escrevem. Dentre os responsáveis pelo relatório estão um antigo executivo da indústria petrolífera e o ex-ministro da defesa australiano, Chris Barrie.

Nesse cenário futuro, explicam os autores, o mundo ficará preso em uma “Terra de estufa”, onde 35% da área terrestre global e 55% da população mundial estarão sujeitos a mais de 20 dias por ano de “condições letais de calor”. Os ecossistemas entrarão em colapso, incluindo os recifes de corais, a Floresta Amazônica e o Ártico.

A América do Norte, por exemplo, sofrerá incêndios devastadores, ondas de calor e secas, e na Ásia grandes rios serão severamente reduzidos, assim como a disponibilidade de água em todo o mundo, afetando cerca de 2 bilhões de pessoas. Enquanto isso, na América Central, as chuvas diminuirão pela metade e a agricultura não será viável nos subtrópicos secos. Condições semipermanentes do El Niño prevalecerão e ondas de calor mortais persistirão em algumas áreas por mais de 100 dias por ano — 1 bilhão de pessoas precisarão se mudar desses locais.

“Esse cenário fornece um vislumbre de um mundo de ‘caos total’ em um caminho para o fim da civilização humana e da sociedade moderna como a conhecemos em que os desafios à segurança global são simplesmente esmagadores e pânico político se torna a norma”, argumentam os autores.

Os especialistas apontam como solução uma estratégia de produção com zero carbono que seja mundial, industrial e econômica,e foque menos nos modelos climáticos e mais no planejamento de cenários extremos: “Para reduzir esse risco e proteger a civilização humana, uma enorme mobilização global de recursos é necessária na próxima década para construir um sistema industrial de emissões zero e preparar a restauração de um clima seguro”.

Embora os modelos climáticos sejam úteis para estudos, o documento ressalta que essas ferramentas muitas vezes erram por excesso de cautela e concentram-se nos resultados intermediários. Ao ignorar as possibilidades de alta impacto é, portanto, se preparar mal para um evento catastrófico inesperado — mesmo que sua chance de ocorrer seja pequena.

Fonte: Galileu

Humanidade, vítima de sua ação destrutiva sobre a natureza

Como deter a destruição da natureza, vital para a humanidade? Governos e cientistas se reúnem na semana que vem em Paris para alertar sobre o estado dos ecossistemas do planeta, atingidos, como o clima, pela ação do homem.

Esta avaliação mundial é a primeira em quase 15 anos: 150 especialistas de 50 países trabalharam durante três anos, reunindo milhares de estudos sobre biodiversidade.

Seu informe de 1.800 páginas será submetido a partir de segunda-feira aos Estados-membros da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), que discutirão ponto por ponto.

“O patrimônio ambiental mundial – a terra, os oceanos, a atmosfera e a biosfera -, do qual depende a humanidade está sendo alterado em um nível sem precedentes, com impactos em cascata sobre os ecossistemas locais e regionais”, indica o rascunho do resumo do informe obtido pela AFP, que ainda poderá ser modificado.

Água potável, ar, insetos polinizadores, florestas que absorvem o CO2… A constatação sobre estes recursos é tão alarmante como o último informe do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que no ano passado destacou a brecha crescente entre as emissões de gases de efeito estufa e o objetivo de limitar a mudança climática e seus efeitos catastróficos.

O texto relaciona além disso a perda de biodiversidade com o aquecimento, na medida em que ambos os fenômenos estão acentuados em parte pelos mesmos fatores, como as práticas agrícolas e o desmatamento, responsáveis por cerca de um quarto das emissões de CO2 mas também por graves danos aos ecossistemas.

A exploração de terras e de recursos (pesca, caça) são as maiores causas da perda de biodiversidade, seguidas das mudanças climáticas, da poluição e das espécies invasivas.

– 6ª extinção em massa –

O resultado é “uma aceleração rápida, iminente do nível de extinção de espécies”, segundo o rascunho. Das oito milhões de espécies estimadas no planeta – das quais 5,5 milhões são de insetos -, “entre meio milhão e um milhão estarão ameaçadas de extinção, muitas delas nas próximas décadas”.

Estas projeções correspondem às advertências de muitos cientistas que estimam que a Terra está no início da “6ª extinção em massa”, a primeira desde que o homem habita o planeta.

Mas várias fontes próximas às negociações lamentaram que o projeto de síntese não seja tão claro e não mencione esta extinção em massa.

“Não há dúvida de que estamos caminhando em direção à 6ª extinção em massa, a primeira causada pelo homem”, declarou recentemente à AFP o presidente do IPBES, Robert Watson. “Mas não é algo que o público possa ver facilmente”.

Para que haja uma tomada de consciência, “é preciso dizer a eles que perdemos insetos, florestas, espécies carismáticas”.

Também “os governos e o setor privado devem começar a levar a sério a biodiversidade, tanto quanto o aquecimento”, insistiu o cientista.

Um ano antes da esperada reunião na China dos Estados-membros do Convênio da ONU sobre Diversidade Biológica (COP15), muitos especialistas esperam que o informe do IPBES seja uma etapa crucial em direção a um acordo de envergadura como o assinado em Paris em 2015 contra a mudança climática.

A WWF espera que esta COP15 fixe “objetivos de alto nível”.

“Se queremos um planeta sustentável em 2050, devemos contar com uma meta muito agressiva para 2030”, indicou Rebecca Shaw, cientista-chefe da ONG. “Devemos mudar de trajetória nos próximos 10 anos, como com o clima”.

Mas dado que os remédios para o aquecimento global que implicam mudanças maiores no sistema produtivo e de consumo já suscitam grandes resistências, o que acontecerá com a biodiversidade?

“Será ainda mais difícil, porque as pessoas são menos conscientes dos problemas de biodiversidade”, afirma Jean-François Silvain, presidente da Fundação francesa para a Pesquisa sobre a Biodiversidade.

Fonte: Istoé

Como entender (e diminuir) o impacto dos seus hábitos no meio ambiente, de roupas a comida

Escritora e designer industrial holandesa levantou dados surpreendentes sobre o rastro deixado por produtos consumidos no dia a dia.

Com que frequência você lava suas calças jeans? Quando viaja de avião, são viagens longas? Prefere comprar tomates embalados, avulsos ou em conserva? Quantas vezes por semana você come carne?

As perguntas soam, a princípio, muito específicas. Mas são essenciais para entender o rastro que seus hábitos de consumo e escolhas individuais deixam no planeta.

Foi em uma conversa com o marido, no sofá de casa, que a designer industrial e escritora holandesa Babette Porcelijn percebeu que, apesar de ser especialista na cadeia produtiva de produtos industrializados, não entendia exatamente qual era o impacto do seu estilo de vida no planeta.

Ao pesquisar sobre o tema, Porcelijn percebeu que pelo menos em países ricos como Holanda e Estados Unidos mais de um quarto da “pegada ecológica” de cada ser humano é perceptível no dia a dia. O resto está embutido no ciclo de vida de produtos e serviços – da extração de matérias-primas, passando pelo transporte, até o descarte.

Continue lendo aqui.

Fonte: BBC Brasil publicado no G1

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721