Oportunidades e desafios para desenvolvimento de bioprodutos a partir de biomassa é tema de debate durante evento em Brasília

A obtenção e o desenvolvimento de bioprodutos a partir da biomassa no conceito de biorrefinaria é a temática da segunda mesa redonda do V EnPI, que acontece na próxima terça-feira (09/10) das 15h40 as 17h30, no auditório da Confederação Nacional da Agricultura – CNA. Esta mesa redonda, coordenada pelo pesquisador da Embrapa Agroenergia, Dr Félix Siqueira, conta como palestrantes Roberto Yokoyama, Rogério Balieiro e Bruno Laviola.

O primeiro palestrante é Roberto Yoshitami Yokoyama, Presidente da Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma (Abrapalma) e da Câmara Setorial de Palma de Óleo (Belém – PA). É graduado em agronomia pela Universidade de São Paulo (1977), e atualmente é Diretor Presidente da Dendê do Pará S.A. e Diretor de Meio Ambiente da Guaporé Pecuária S/A. O tema de sua palestra é “Usos do Óleo de Palma e Coprodutos”. Sua apresentação, conta Yokoyama, vai focar nas “possibilidades de usos da torta de amêndoas, fibras, cachos vazios, efluente líquido da extração do óleo, casca de nozes e a borra”.

O segundo palestrante Rogério Balieiro, engenheiro químico formado pela Universidade Federal de Uberlândia e diretor de novos negócios da Caramuru Alimentos S.A. Em sua palestra Balieiro irá tratar do aproveitamento integral da soja e do milho.

Por fim, a palestra é do pesquisador Bruno Galveas Laviola, que desenvolve pesquisas as áreas de Melhoramento e Produção de biomassas para fins Energéticos e atua como membro da Rede Brasileira de Tecnologia do Biodiesel (RBTB/MCTIC) e da Câmara Setorial de Oleaginosas e Biodiesel (CSOB/MAPA). O pesquisador apresentará em sua palestra “Sistemas de Inteligência e Gestão Territorial de Biomassa”.

A quinta edição do Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia tem em sua programação além de quatro mesas redondas na temática de Biomassa para a Bioeconomia, a apresentação e premiação de trabalhos de pesquisa desenvolvidos pela Embrapa Agroenegria e parceiros. O evento, acontece de 09 a 10 de outubro no auditório da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) em Brasília.

Veja a programação completa e faça sua inscrição no site www.embrapa.br/enpi2018. O evento, realizado pela Embrapa Agroenergia, tem apoio da CNA, Ceres, Denpasa, Ubrabio e o patrocínio da ABDI, da Gol Linhas Aéreas/Curcas, do Sinpaf e da FS Bioenergia.

Serviço:

Dias: 9 e 10 de outubro

Local: Sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)

Endereço: Setor de Grandes Áreas Norte 601 Modulo K – Asa Norte, Brasília

Horário: Terça-feira (8h15 – 17h30)

Quarta-feira (8h30 – 16h50)

Fonte: SEGS

Representantes da ANP e da APROBIO debatem uso da RenovaCalc no Rio Grande do Sul

Em dois dias de trabalho, representantes da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) visitaram unidades de empresas associadas à APROBIO para observar a realidade dos produtores de biodiesel no preenchimento da ferramenta RenovaCalc.

Na quarta-feira (5), o grupo esteve na unidade de Originação da 3 Tentos, em Santa Bárbara do Sul, e nesta quinta (6) o destino é a BSBios, em Passo Fundo. Além dessas duas empresas, a Caramuru e a Bocchi enviaram profissionais para esse trabalho de campo, acompanhado pelo diretor superintendente da APROBIO, Julio Minelli, e

pelo assessor técnico Antonio Ventilii.

 

 

O RenovaBio é a  política nacional para os biocombustíveis, criada para fomentar o aumento da produção em padrões mais sustentáveis e oferecer instrumentos para o cumprimento das metas de redução de emissões com as quais o Brasil se comprometeu no Acordo de Paris. Além disso, o programa determina o cálculo da intensidade de carbono dos biocombustíveis e sua comparação com os combustíveis fósseis.

A confiabilidade deste processo é proveniente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a participação no RenovaBio é voluntária de cada agroindústria.

 

Uma vez tendo aderido ao programa, cada unidade agroindustrial, produtora de biocombustível, deve fornecer parâmetros técnicos do seu processo produtivo – desde as fases de produção, passando pelo tratamento, até a conversão da biomassa em biocombustível – visando que os dados sejam passíveis de cálculo pela RenovaCalc.

A RenovaCalc é uma ferramenta que contabiliza a intensidade de carbono de um biocombustível (em g CO2 eq./MJ), comparando-a à do seu combustível fóssil equivalente.

Esta corresponde a um conjunto de planilhas que contém um banco de dados e uma estrutura de cálculo específica para cada tipo de biocombustível.

Hoje, a RenovaCalcMD já é um sistema informatizado, resultado de um trabalho conjunto entre ANP e IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia).

Caramuru anuncia investimento de R$ 40 mi em sua planta de Ipameri

A Caramuru Alimentos anunciou que pretende fazer investimentos de R$ 40 milhões em sua unidade de Ipameri (GO). O presidente da empresa, Alberto Borges, explicou que no prazo máximo de nove meses a empresa passará a conter com unidades de destilação de glicerina e produção de sal mineral.

Serão 150 toneladas de glicerina loira por dia que vão resultar em 108 toneladas de glicerina bidestilada (grau farmacêutico) por dia e 15 toneladas de sal mineral.

De acordo com Alberto Borges, a produção de biodiesel vem crescendo no Brasil. O estado de Goiás terceiro em termos de capacidade instalada – atrás do RS e MT – com seis unidades produtivas autorizadas pela ANP que, juntas, representam um pouco mais de 14,5% do potencial produtivo brasileiro. No ano passado, as usinas goianas fabricaram 716,5 milhões de litros de biodiesel.

Por isso, a Caramuru decidiu ampliar investimentos em sua planta de biodiesel de Ipameri agregando valor a seu principal coproduto – a glicerina. Segundo dados da Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em julho cada a glicerina loira foi exportada valendo, em média, US$ 302,54. Já o produto destilado recebeu US$ 708,78.

A empresa

Além do processamento de grãos, a planta em Ipameri conta com uma usina de biodiesel com capacidade para fabricar até 225 milhões de litros por ano sendo a 12ª maior do país.

O grupo também conta com parques industrias no Paraná, Mato Grosso e São Paulo.

Fonte: O Hoje

Etanol de soja: empresa brasileira investe na produção do biocombustível

A Caramuru será pioneira no negócio e vai aplicar R$ 115 milhões na ampliação do complexo industrial de Sorriso (MT)

A Caramuru, empresa de processamento de grãos de capital nacional, vai investir R$ 115 milhões na ampliação do complexo industrial de Sorriso, no Mato Grosso, para a produção de etanol hidratado a partir de soja e também no processamento de lecitina. A iniciativa com o biocombustível é pioneira na indústria mundial.

As experiências atuais são a partir de cana-de-açúcar, milho ou beterraba. A unidade terá capacidade anual de 6,8 milhões de litros de etanol hidratado e 3.000 toneladas de lecitina.   “Esse projeto é mais uma iniciativa que a Caramuru empreende para agregar valor à sua produção. Paralelamente, o investimento abre novas oportunidades de negócios para o produtor do Mato Grosso”, diz César Borges de Sousa, vice-presidente da empresa.

O etanol hidratado, além de ser usado como combustível para veículos, na sua forma pura, é também matéria-prima industrial, largamente utilizada na fabricação de perfumes, materiais de limpeza, solventes e tintas. A lecitina de soja é aplicada em vários segmentos, como: chocolates, margarinas, sorvetes, biscoitos, pães e massas, produtos instantâneos, doces e molhos, além de ser utilizada na fabricação de produtos dietéticos, farmacêuticos e em cosméticos.

Continue lendo aqui.

Fonte: SF Agro

Biocombustível aumenta demanda interna

Caramuru anuncia investimentos de R$ 24,5 milhões em sua nova unidade em Sorriso, município líder na produção e na exportação da oleaginosa mato-grossense

500123
Vice-predisente da Caramuru Alimentos, César Borges, comemorou autorização da ANP para construção da nova planta

O ano de 2017 começou com boas novas a cadeia produtiva da soja, tanto pelo aumento da demanda interna como pelos investimentos e pela geração de empregos, renda e impostos diretos e indiretos que serão gerados a partir da produção de biocombustível. A Caramuru Alimentos vai investir cerca de R$ 24,5 milhões na construção de sua terceira unidade de produção. A autorização veio nesse início de ano da Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A Caramuru Alimentos é uma das maiores processadoras de grãos do país e escolheu Sorriso (460 quilômetros ao norte de Cuiabá), para ser a sede de sua nova planta no Estado. Terá capacidade para produzir 285 mil litros por dia, ou cerca de 104 milhões de litros por ano. “Sorriso, a propósito, é o município líder em exportações do Mato Grosso, movimentando US$ 1,36 bilhão e, além disso, detém a maior área e produção de grãos do país, tanto em soja, quanto em milho, pontua o vice-presidente da Caramuru Alimentos, César Borges.

Os recursos para a construção da nova planta serão financiados pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). Esta será a terceira fábrica de biodiesel da empresa no país. A companhia já opera duas unidades em Goiás que, juntas, têm capacidade para processar 450 milhões de litros por ano.

“Com mais está unidade de produção, cresce a demanda pela soja produzida em Mato Grosso e, consequentemente, as oportunidades de negócios dos produtores locais”, defende o vice-presidente.

Ainda como argumenta, outro aspecto positivo segundo Borges, é a retomada do mercado brasileiro de petróleo. A produção cresceu no ano anterior, bem como a balança comercial, que registrou superávit de R$ 410 milhões. As exportações somaram US$ 13,47 bilhões, enquanto as importações movimentaram US$ 13,06 bilhões.

De outra parte, a Petrobrás anunciou um aumento de 6,1% sobre os preços do diesel no início de janeiro deste ano. A informação é relevante porque, como se sabe, o biodiesel é acrescentado hoje ao diesel na proporção de 7%, índice que passará para 8% até 2017, 9%, até 2018 e 10%, até 2019. “Ganham, particularmente, com isso os produtores do Mato Grosso, o maior produtor de soja – principal matéria-prima do biodiesel”.

“Com a maior oferta do biocombustível, os produtores do Estado têm, paralelamente, a oportunidade de promover maior utilização em seu maquinário – tratores, pulverizadores, colheitadeiras, caminhonetes etc., substituindo o diesel, mais oneroso, e reduzindo, assim, o custo de transporte. A maior disponibilidade de farelo de soja, resultante da produção do processamento do grão para a produção do biodiesel, abre outro promissor horizonte: a oportunidade de agregar valor, investindo com eficiência e competitividade na produção de carnes de frango, suínos e derivados bovinos. Esse sistema otimiza a produção de milho necessária para a cobertura da terra, no intervalo da soja e que tem um ônus enorme quando paga frete aos portos, já que é um produto de muito baixo valor”, completa.

Esse novo modelo de produção é duplamente vantajoso, por reduzir o custo de fretes (substituindo a movimentação de volumosas partidas de grãos pelo transporte de derivados de carnes, mais compactos e, portanto, mais econômicos). De outra parte, a substituição da produção de grãos pela de carnes descortina ainda promissoras oportunidades no rentável mercado externo.

“Há ainda o papel social que a produção de biodiesel. Pela lei do chamado Selo Combustível Social, boa parte da produção deve ser reservada à agricultura familiar. Calcula-se que no ano passado mais de 70 mil pequenos produtores foram envolvidos no processo, promovendo, assim, a distribuição de riquezas no campo. Importa destacar as vantagens e propriedades ambientais do biodiesel, um combustível limpo, ecologicamente correto e que não concorre para o aumento do aquecimento global, ao contrário do diesel e demais derivados de petróleo”, argumenta.

Fonte: Diário de Cuiabá

Empresa quer ampliar produção e uso do Biodiesel

Em reunião ocorrida na última quarta-feira (18), o Gerente de Agricultura Familiar da Caramuru Alimentos, André Luiz e os diretores Adão da Silva (Sec. de Política Agrícola) e Orlando Luiz Nicolotti (Sec. De Meio Ambiente) conversaram  com objetivo de buscar meios para ampliar a participação da empresa Caramuru Alimentos no Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) no estado.

Entre os principais focos do plano de trabalho das Secretarias de Política Agrícola e de Meio Ambiente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (FETAGRI-MT) para o ano de 2017, está a de ampliar a atuação da cadeia do biodiesel na agricultura familiar em Mato Grosso, através do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB). Na Safra 2015/2016, a empresa comercializou cerca de 28 mil toneladas de soja não transgênica, por meio de contratos com mais de 200 famílias em todo o estado.

O objetivo é aumentar este número nas regiões que o programa já está em atividade e ampliar o número de municípios que tem contratos ativos. A Caramuru, que tem parceria com agricultores familiares por meio do PNPB há 5 anos no estado, conta atualmente armazéns em 6 municípios (Água Boa, Canarana, Nova Ubiratã, Ipiranga do Norte, Lucas do Rio Verde, Sorriso e Querência), e está investindo em uma Unidade Fabril de Biodiesel em Sorriso.

Adão da Silva frisa que a Federação está empenhada em avançar com o programa no estado, no aumento do número de contratos com as famílias e o aumento da produção, possibilitando geração de emprego e renda às milhares de famílias participantes do PNPB. “Estamos buscando potencializar o programa, tornando-o mais eficiente para ambas as partes. Nossa preocupação maior é com os agricultores familiares, para que possam conquistar estabelecimento nos mercados e geração de emprego e renda.

Através das articulações estamos observando qual os melhores caminhos pra impulsionar o programa”, diz. Orlando Luiz Nicolotti afirma que a Fetagri está sempre em contato com as outras empresas que participam do programa no estado. “Estaremos nos reunindo com todas as outras empresas parceiras do PNPB, pois temos o compromisso de expandir ainda mais o programa para mais famílias de agricultores”, menciona.

Fonte: Mato Grosso Econômico

Caramuru recebe autorização da ANP para construir planta de biodiesel

A Caramuru Alimentos, uma das maiores processadoras de grãos de capital nacional, recebeu autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para construir sua fábrica de biodiesel em Sorriso, em Mato Grosso.

A autorização foi publicada na sexta-feira (30/12) no Diário Oficial da União. A planta, que será erguida no complexo industrial que a Caramuru possui em Sorriso,terá capacidade para produzir 285 mil litros por dia – ou cerca de 104 milhões de litros por ano.

Conforme o Valor já informou, a construção da unidade custará R$ 24,5 milhões, financiados pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro¬Oeste (FCO). Esta será a terceira fábrica de biodiesel da Caramuru no país. A companhia já opera duas unidades em Goiás que, juntas, têm capacidade para processar 450 milhões de litros por ano.

Fonte: Valor Econômico publicado em Revista Canavieiros

Caramuru Alimentos recebe acreditação do Inmetro

A Caramuru Alimentos, associada APROBIO, teve publicado no site do Inmetro a acreditação do laboratório da unidade de Ipameri/GO – segundo a norma ISO 17025 – para a certificação do biodiesel. A acreditação representa a confirmação da competência técnica, a qualidade do laboratório na execução dos ensaios e reforça o compromisso da empresa com a qualidade do biodiesel oferecido ao mercado.

Clique aqui e confira a publicação oficial.

Caramuru Alimentos investirá em nova fábrica de biodiesel

Mato Grosso teve R$ 408,7 milhões em investimentos aprovados Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic) em 2015. Dentre tais investimentos, R$ 30 milhões referem-se à implantação de uma indústria de biodiesel em Sorriso.

Em 2015, o Conselho de Desenvolvimento Empresarial (Cedem) aprovou oito renovações do benefício do Prodeic, além de quatro enquadramentos e uma inclusão de um novo produto. Os empreendimentos são de segmentos da área de indústria de bebidas, biodiesel, móveis, além de fios, telhas e perfilados de aço.

Os projetos passaram por uma análise “criteriosa” de técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), antes de serem aprovados pelo Cedem.

Segundo a Sedec, somente com os quatro novos enquadramentos e a inclusão de um produto no Prodeic serão gerados 194 empregos diretos e indiretos. Já as oito renovações do benefício proporcionaram a manutenção de 3.102 postos de trabalho (diretos e indiretos).

“É estratégico para Mato Grosso, em um ano de crise, atrair novos investimentos, que gerarão emprego e renda e vão movimentar a economia do Estado”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Seneri Paludo, ao salientar que o Governo de Mato Grosso tem conhecimento quanto à importância desse tipo de mecanismo para fomentar o desenvolvimento econômico do estado através da expansão das empresas já instaladas e a atração de novos empreendimentos.

Entre as aprovações de 2015, está o enquadramento da empresa Caramuru Alimentos para a produção de biodiesel em Mato Grosso. A empresa, segundo a Sedec, já possui o Prodeic desde 2011 para produzir, em Sorriso, proteína concentrada de soja, óleo e lecitina de soja.

A Caramuru Alimentos, um dos principais grupos do Brasil no setor de processamento de grãos, irá investir R$ 30 milhões em uma nova fábrica para a produção de biodiesel em Sorriso, cuja previsão é iniciar a operação em junho de 2016, com uma capacidade para produzir 95,7 mil metros cúbicos de biodiesel ano.

Fonte: Agro Olhar

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721