BIODIESEL: MINISTRO ESPERA ELEVAÇÃO ‘MUITO EM BREVE’ DA MISTURA PARA B11

O ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou ontem que o governo e o setor privado constroem “as condições necessárias para a (elevação da) mistura” do biodiesel ao diesel, de 10% (B10) para 11% (B11), “muito em breve”. A elevação da mistura deveria ocorrer em junho, segundo um cronograma aprovado e validado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), mas a medida foi adiada até que testes adicionais de conformidade sejam feitos em motores de veículos. Os testes devem durar dois meses.

“Vamos ter o B11 muito em breve. Com o B11, teremos uma economia da ordem de R$ 1,3 bilhão por ano com a redução da importação de diesel. Substituição direta de importação por biodiesel nacional, a partir de matérias primas cultivadas no País e com geração de investimento, (geram) emprego e renda no Brasil”, disse o ministro em discurso na abertura da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel (FPBio), ontem, em Brasília (DF).

Dados divulgados por Albuquerque apontam que, considerando-se os preços atuais, o B11 poderá reduzir em R$ 0,03 o preço do diesel comercializado nos postos e gerar investimentos de R$ 700 milhões em investimentos de capacidade de produção e processamento de soja no período de 12 meses seguinte ao aumento da mistura. O Brasil produziu 5,3 bilhões de litros de biodiesel em 2018, alta de 25% sobre 2017. Segundo o ministro, o biocombustível é, na média nacional, R$ 0,32 mais barato por litro do que o diesel de petróleo e em locais do Centro-Oeste a diferença chega a R$ 0,45.

A FPBio reúne 234 deputados e senadores e tem como presidente o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS). A agenda prioritária da frente é a adoção imediata do B11, a efetivação do RenovaBio e dos créditos de descarbonização (CBIOs), e o fortalecimento da industrialização de grãos no País para agregar valor à cadeia de produção do biocombustível. Atualmente, o setor tem 50 indústrias autorizadas a produzir o biocombustível, que devem ofertar 6 bilhões de litros este ano, um novo recorde e alta de 13% sobre 2018.

O presidente do Conselho da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio), Erasmo Carlos Battistella, afirmou que o Brasil tem o potencial de ser protagonista global no mercado de biodiesel e lembrou que 17 representantes de embaixadas participaram do evento de ontem à noite na capital federal. “Isso mostra o quanto o biodiesel está sendo demandando pelo mundo. O Brasil tem grande oportunidade de liderar a ‘OPEP Verde’ e, junto com Paraguai, Uruguai, Argentina, no Mercosul, pode ser o protagonista de um mercado que vai crescer muito”, relatou.

O presidente executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), André Nassar, destacou que o Brasil é o segundo maior produtor de soja no mundo e pode ocupar o primeiro posto. “Temos de pensar grande e agregar mais valor (ao produto)”, disse em referência ao processamento do grão para a produção do biodiesel. Já o presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioqueresene (Ubrabio), Juan Diego Ferrés, destacou as condições naturais da agricultura como um fator importante para a produção de biodiesel.

Fonte: Broadcast Agro

Indústria do biodiesel voltará a contar com frente parlamentar

Muito em breve o setor de biodiesel voltará a contar com uma bancada de apoio no Congresso Nacional. Um grupo formado por representantes de usinas e parlamentares já está se movimentando para conseguir as assinaturas necessárias para permitir a recriação da Frente Parlamentar do Biodiesel (FrenteBio) por mais uma legislatura. A solenidade de relançamento já tem até data marcada: 22 de maio.

Para reinstalar a frente, o regimento interno da Câmara dos Deputados exige que sejam coletadas as assinaturas de, pelo menos, 198 deputados e/ou senadores – correspondente a um terço dos membros do Legislativo. Ao final de cada legislatura, todas as frentes e grupos parlamentares são extintos e precisam ser recriados.

A tarefa vem sendo capitaneada pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP/RS) que deverá assumir o comando da FrenteBio assim que ela estiver reinstalada.

O parlamentar gaúcho foi um dos maiores responsáveis pelo desenho da FrenteBio na 54ª Legislatura e seu primeiro presidente entre novembro de 2011 e o final de 2014. Entre abril de 2015 até o final de 2018 – 55ª Legislatura – a frente foi dirigida pelo deputado federal paulista Evandro Gussi.

Fundamental

Nesse meio tempo, a frente foi fundamental em diversas articulações do setor de biodiesel e de biocombustíveis de forma mais ampla.

Ela foi fundamental para obter a aprovação do PL 3.834/2015 que um novo marco regulatório para o setor garantindo a adoção do B10 em março do ano passado e, ainda, abrindo espaço para que o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) autorizasse o avanço do mercado até o B15 em 2023.

Além disso, o deputado Evandro Gussi foi o responsável pela apresentação do projeto de lei que deu origem ao RenovaBio.

Fonte: BiodieselBR

Ações dos próximos anos do MAPA foram discutidas na 35a reunião ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel

O diretor superintendente da APROBIO e presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel do Ministério da Agricultura (MAPA), Julio Cesar Minelli, pretende encaminhar até a semana do dia 15 de abril o texto com a agenda estratégica do setor, definida pela câmara, à ministra da Agricultura, Teresa Cristina. Essa foi a decisão dos presentes nesta quinta-feira (4) a 35a reunião ordinária da Câmara, realizada em Brasília.

Coube ao coordenador do Grupo de Trabalho, Bruno Laviola, da Embrapa, a apresentação do documento, que faz um diagnóstico do setor e apresenta os motes, desafios e ações que devem ser executados nos próximos anos.

O documento é fruto de grupo de trabalho montado na 33a reunião, realizada no ano passado. Nos próximos dias, o grupo deve finalizar o texto e encaminhar ao MAPA, “acreditamos que dessa forma estamos contribuindo de forma efetiva com as políticas do ministério para o setor”, afirma Minelli. A próxima reunião da câmara está marcada para 6 de junho, em Brasília.

Aprobio participa de reunião do Comitê de Monitoramento do Abastecimento de Biodiesel

O diretor superintendente da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio), Julio Cesar Minelli, participou, nesta quarta-feira (28), da 8a Reunião do Comitê de Monitoramento do Abastecimento de Biodiesel (CMAB), na sede do Ministério de Minas e Energia (MME), em Brasília.

Esse foi último encontro do comitê neste ano e também da atual gestão, do governo do presidente Michel Temer. De acordo com o coordenador-geral de desenvolvimento da produção e do mercado de combustíveis renováveis do MME, Ricardo Gomide, a pasta tem conduzido conversas de aproximação com a equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para repassar as informações do atual cenário do setor.

“Esse deve ser o caminho: o diálogo. Acho que isso é produtivo para o bem da sociedade”, afirmou Gomide.

O coordenador propôs ainda que a estrutura do comitê seja repensada para o próximo ano. Para Minelli, a proposta de aprimorar a articulação do comitê está em consonância com as expectativas da Aprobio. No início deste ano, conforme destacou durante a reunião, a entidade propôs a ampliação das discussões sobre estratégias de longo prazo pelo colegiado.

Entre as perspectivas apresentadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), está a oferta de diesel (L62) para o próximo leilão. A apresentação das propostas acontece no dia 3 de dezembro e o leilão, dia 10. A estimativa da ANP é de uma demanda de de 965 a 985 mil m3, volume que afirmaram ser otimista. Aprobio questionou se estavam considerando a sazonalidade – primeiro bimestre historicamente menor consumo – pois essa previsão consideraria um aumento considerável de demanda. Plural também considerou a previsão otimista.

CMAB – O comitê reúne os diversos agentes da cadeia produtiva para nivelar informações sobre a oferta e demanda dos biocombustíveis no Brasil.

Solenidade de posse do novo presidente da Embrapa, em Brasília

O diretor superintendente da APROBIO e presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel do Ministério da Agricultura (MAPA), Julio Cesar Minelli, participou nesta quarta-feira (10) da posse de Sebastião Barbosa, pesquisador aposentado da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na presidência da estatal, vinculada ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no Salão Nobre do Palácio do Planalto. Barbosa assume no lugar de Maurício Antônio Lopes, que estava na função desde 2012.

(A esquerda: Julio Cesar Minelli com o Guy Capdeville, Chefe-Adjunto de PD&I da Embrapa Agroenergia, e a direita: Eumar Roberto Novacki, Secretário Executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e Julio Cesar Minelli, da APROBIO)

Sebastião é engenheiro agrônomo, especialista em Entomologia (estudo dos insetos) e foi contratado pela Embrapa em 1976, atuando em programas de controle e erradicação de pragas. Por 17 anos, trabalhou na Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO), no Serviço de Proteção de Plantas, em Roma, Itália; e no escritório para a América Latina e o Caribe, em Santiago, Chile. Coordenou a cooperação internacional da Embrapa e foi Chefe-Geral da Embrapa Algodão, centro de pesquisa localizado em Campina Grande – Paraíba, além de outras atividades exercidas na estatal.

Na imagem principal: a esquerda – Julio Cesar Minelli, diretor superintendente da associação e presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva das Oleaginosas e Biodiesel, no centro – Sebastião Barbosa, presidente da Emrapa, e a direita – Antônio César Salibe, presidente da Câmara Setorial do Açúcar e do Álcool.

Diretor Superintendente da APROBIO representa Câmara Setorial de Oleaginosas e Biodiesel do Mapa no V Encontro de Pesquisa e Energia da Embrapa

O diretor superintendente da APROBIO e presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel do Ministério da Agricultura, Julio Cesar Minelli, participa nesta terça-feira (9) do V Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia, realizado entre hoje e amanhã na sede da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), em Brasília.

Na mesa de abertura, o chefe geral da Embrapa Energia, Guy de Capdville, destacou a importância que o Encontro vem atingindo ao discutir cada vez mais a necessária integração entre Políticas Públicas, Ciência e Tecnologia e o mercado. Walter Rezende, da CNA, destacou os avanços do agronegócio no Brasil e o potencial da biomassa para a matriz energética do país.

O diretor-executivo da Embrapa, Celso Moretti, fechou a mesa de abertura e apresentou o primeiro painel do dia, com as Perspectivas para o Agro na Bioeconomia Brasileira.

Nesta terça e quarta-feira (10), o encontro prossegue na sede da CNA.

Os temas das mesas redondas que se dividem em subtemas serão Políticas Globais para Biocombustíveis frente às demandas por sustentabilidade, Bioprodutos a partir da Biomassa no conceito de Biorrefinaria, Biotecnologia para aumento de produção e enfrentamento das mudanças climáticas e Biomassa para Bioneregia – A Visão do Setor Produtivo.

APROBIO defende aumento de até 2 pontos porcentuais por ano na mistura de biodiesel

Proposta é apresentada em audiência pública para debater futura resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) relativa à adoção do B15

Brasília, 21 de setembro de 2018 – A APROBIO – Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil – defendeu nesta sexta-feira (21), em audiência pública realizada na sede do Ministério de Minas e Energia, em Brasília, a adoção de um mecanismo que permita elevar em até 2 pontos porcentuais por ano a mistura de biodiesel ao diesel derivado de petróleo, até o limite estabelecido em lei de 15% do biocombustível (B15) adicionado ao combustível fóssil. Dessa forma, o índice poderia ser atingido em 2022, dois anos antes do previsto na Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio).

A audiência convocada pelo MME teve como objetivo receber contribuições para futura resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) acerca do cronograma de adoção do B15. A mistura de 15% de biodiesel ao diesel fóssil está prevista pela Lei 13.033/2014. Desde março de 2018, é obrigatória a adição de 10% de biodiesel (B10) ao combustível fóssil.

Pela proposta da APROBIO, apresentada pelo diretor superintendente Julio Minelli, os novos porcentuais de adição de biodiesel entrariam em vigor em março e setembro, com análise e definição do aumento da mistura seis meses antes. Para a fixação do índice, seriam usados os dados de 12 meses anteriores à tomada de decisão. Esse cronograma seria seguido até se atingir a mistura B15, ou até um futuro B20 (20% de biodiesel), que precisa de aprovação de nova legislação para se tornar obrigatório.

Em março passado, na 5ª reunião do Comitê de Monitoramento do Abastecimento do Biodiesel (CMAB), a APROBIO já havia defendido a fixação de um cronograma de aumento gradual da mistura de biodiesel, com início em março de 2019. “Reafirmamos que a previsibilidade é benéfica para todos os elos da cadeia. E a questão semestral permitiria um ajuste mais fino ainda nesse processo”, afirmou Julio Minelli.

Na audiência desta sexta-feira, o dirigente da APROBIO destacou que o biodiesel sempre respondeu às necessidades de demanda do país e expôs a importância de se analisar a competitividade do preço do biodiesel em relação ao combustível fóssil, mas observou que não se deve submeter o aumento da mistura à observação restrita desse item.

Para Minelli, é preciso considerar outros benefícios do biodiesel, como redução de emissões de gases de efeito estufa, substituição de diesel refinado importado e agregação de valor às cadeias das matérias-primas (soja e proteína animal, entre outras). “O biodiesel vem sendo competitivo em quase todos os momentos. Mas sempre destacamos que as questões de saúde, agregação de valor, geração de emprego e renda, entre outras, têm que estar presentes nessa análise (do aumento da mistura)”, disse o diretor superintendente da APROBIO.

Sobre a APROBIO

Fundada em 2011, a APROBIO – Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil – reúne as indústrias produtoras de biodiesel de capital nacional e tem como objetivo disseminar os benefícios econômicos, sociais e ambientais desse biocombustível. Para tanto, apoia e publica estudos técnicos, participa ativamente de grupos de trabalho e fóruns de debate público em prol de políticas para implementação de marcos regulatórios, fomentos ao setor e melhoria da qualidade do biodiesel, entre outros.

MME convoca audiência pública para debater implementação do B15

O B15 está a caminho de se tornar realidade. O Ministério de Minas e Energia (MME) acaba de publicar uma portaria convocando uma audiência pública na qual representantes da cadeia produtiva poderão apresentar sugestões para uma futura resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para o estabelecimento de um cronograma para a adoção do B15 em todo território nacional.

A audiência será realizada na sede do ministério em Brasília (DF) já na próxima sexta-feira (21) sem a convocação de uma consulta pública preliminar. BiodieselBR.com apurou que esse formato foi escolhido pelo ministério para agilizar o processo e que a pasta está empenhada para que a definição sobre o novo cronograma de aumentos da mistura obrigatória seja feita este ano.

O MME já vem circulando uma versão preliminar do texto entre atores da cadeia há cerca de um mês. Segundo essa proposta, o B11 seria adotado em março do ano que vem e, a partir daí a mistura obrigatória avançaria pelo menos um ponto percentual ao ano. Dessa forma, o B15 seria adotado em 2023.

Há também um dispositivo que permite o avanço de dois pontos percentuais em um só ano caso o mercado atenda alguns critérios de oferta e preço do biodiesel. Esse aumento aconteceria uma única vez e poderia ser desfeito caso as condições não consigam ser mantidas.

Os interessados em participarem da audiência, devem acessar a página de consultas públicas o site do MME onde encontrarão a ficha de inscrição e os demais documentos relevantes.

Fonte: Portal BiodieselBR

Green Move Festival propõe ação sustentável a escolas do DF

Evento premiará instituições de ensino que coletarem a maior quantidade de óleo de cozinha usado. Inscrições estão abertas até 16 de setembro

ação Escolas Green, promovida pelo Green Move Festival, premiará colégios do Distrito Federal por ação sustentável. Serão destinados R$ 5 mil para as três instituições de ensino que arrecadarem a maior quantidade de óleo de cozinha usado até 22 de setembro.

O material será doado para produção de sabão artesanal e biodiesel, por meio de parceria com o projeto Fábrica Escola de Sabão, do colégio Sagrado Coração de Maria.

Além do valor em dinheiro, os ganhadores terão direito a 20 acessos para área em frente ao palco nos shows do festival, em 7 de outubro, no Museu Nacional. As escolas que ficarem em quarto, quinto e sexto lugares ganharão 50 ingressos para o evento cada uma.

As instituições interessadas deverão enviar um e-mail até 16 de setembro para escolas@greenmovefestival.com.br com os seguintes dados:

  • Nome da escola
  • Endereço
  • Número de estudantes que a unidade atende
  • Telefones de contato e nomes dos responsáveis pelas atividades no colégio

De 19 a 23 de setembro, os inscritos terão de enviar relatório com as informações de quantas garrafas de óleo foram recolhidas, as fotos do material e a descrição do processo adotado pela escola na ação Escola Green.

Na edição de 2016, cerca de 40 mil crianças foram mobilizadas com a iniciativa, além de famílias e estabelecimentos comerciais. A Escola Classe 15 de Ceilândia ficou em primeiro lugar, com 918 litros de óleo. Já o Centro de Ensino Fundamental 12 de Ceilândia e o Centro Educacional 2 do Cruzeiro ficaram em segundo e terceiro lugar.

A atividade visa conscientizar a população para o descarte consciente do material. De acordo com a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), 1 litro de óleo descartado na pia polui cerca de 200 litros de água. Quando em contato com rios e mares, o material prejudica a oxigenação do ambiente e afeta a biodiversidade.

Jogar o material no solo também pode contaminar o lençol freático e comprometer a qualidade da água no Distrito Federal. Para amenizar os danos, a Caesb mantém postos de descarte pelo Projeto Biguá. O óleo coletado é destinado a arranjos produtivos locais (APLs), organizados para produção de biodiesel a ser utilizado em frota própria e de terceiros.

Mutirão de plantio no Green Move

Em 30 de setembro, o Parque da Cidade Dona Sara Kubitschek ganhará novas árvores nativas do Cerrado. A atividade também faz parte do conjunto de ações sustentáveis do evento.

Com apoio da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), serão distribuídas mil mudas para um plantio coletivo no bosque Green Move, perto do Estacionamento 4. Quem participar da ação ganhará um ingresso para a área consciente em frente ao palco para os shows de 7 de outubro.

Festival consciente

O Green Move Festival ocorre anualmente em Brasília desde 2012. A proposta é promover debates e ações de sustentabilidade, além de shows musicais. Neste ano, o evento tem o apoio da Lei de Incentivo à Cultura do Distrito Federal.

Entre as atrações confirmadas para o show de 7 de outubro, estão o paulista Nando Reis, as bandas brasilienses Etno e Dona Cislene e a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional.

 

Fonte: Agência Brasília

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721