Aquecimento global: Arquipélago russo entra em estado de emergência após invasão de ursos polares famintos

Uma região remota da Rússia entrou em estado de emergência por causa da invasão de dezenas de ursos polares.

O alerta foi emitido por autoridades do arquipélago de Nova Zembla, onde vivem algumas centenas de pessoas. Há relatos de ursos que atacaram pessoas e invadiram residências e prédios públicos.

Classificados como espécie ameaçada, esses animais são afetados pelas mudanças climáticas e estão cada vez mais sendo forçados a buscar comida em outros lugares.

Com a redução das calotas polares no oceano Ártico por aquecimento do planeta, essa espécie de urso é forçada a mudar seus hábitos de caça e passar mais tempo em terra procurando comida, o que eleva a possibilidade de conflito com humanos.

Em 2016, cinco cientistas russos ficaram sitiados por semanas numa estação climática remota na Troynoy, a oeste de Nova Zembla, porque um grupo de ursos cercou o local.

A caça de ursos é proibida na Rússia, e a agência federal de Meio Ambiente negou autorizações para abatê-los.

Em Nova Zembla, os ursos perderam o medo de policiais e sinais usados para afastá-los ou contê-los, o que leva à necessidade de medidas mais drásticas, segundo as autoridades locais.

UrsoDireito de imagemANTHONY PAGANO/USGS
Image captionÓrgão ambiental russo vetou abate de ursos que ameaçam humanos

Eles afirmam que, no caso de outras medidas falharem, o abate pode ser a única solução.

O principal assentamento do arquipélago, Belushya Guba, registrou 52 ursos polares nas proximidades, sendo que uma parcela de 6 a 10 deles transita constantemente pelo território.

O chefe da administração local, Vigansha Musin, afirmou que há ao menos cinco ursos na zona militar local, onde instalações de defesa aérea estão situadas.

“Estou em Nova Zembla desde 1983. Nunca houve uma invasão de ursos desse tipo”, afirmou Musin em comunicado.

O braço direito do administrador local, Alexander Minayev, afirmou que o cotidiano dos habitantes foi afetado pela ameaça dos ursos.

“As pessoas estão aterrorizadas, com medo de sair de casa. As rotinas foram modificadas, e pais hesitam em deixar seus filhos irem para a escola”, disse Minayev.

Fonte: BBC

Nasa afirma que o planeta teve o mês de abril mais quente da história

Em fevereiro, cientistas começaram a falar de uma emergência climática. Foi o primeiro mês em que a diferença de temperatura também foi recorde.

A Agência Espacial Americana anunciou que o mês passado foi o abril mais quente já registrado na história do planeta.

O nome do mês de abril vem do latim aprire. Abrir, em português. É primavera e as flores abrem no hemisfério Norte. Mas em 2016 bateu um recorde histórico. Foi o mês de abril mais quente já registrado. Aliás, de novembro de 2015 até maio de 2016, todos os meses bateram recorde de calor.

Em fevereiro, os cientistas começaram a falar de uma emergência climática. Foi o primeiro mês em que a diferença de temperatura também foi recorde. Ou seja, esquentou mais do que já tinha esquentado em fevereiro de qualquer outro ano. E isso se repetiu em março.

O alerta vermelho já estava ligado. Agora, quando a Nasa, a Agência Espacial Americana, fechou os dados do mês de abril, os cientistas descobriram que a temperatura média foi 0,24 graus Celsius mais alta mais do que a de abril de 2010, o recorde anterior. Pode parecer pouco, mas não é. Um recorde desses só deveria ser registrado a cada 150 anos. Não em sequência desse jeito.

Clique aqui para continuar lendo

Fonte: NASA

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721