Líderes da agricultura se comprometem com a segurança alimentar global

Os líderes da área da agricultura do Brasil, da Argentina, do México, Canadá e dos Estados Unidos divulgaram nota em que se comprometem a trabalhar em conjunto “em defesa da segurança alimentar global e do comércio agrícola, com base em princípios científicos e de análises de risco”.

O Brasil foi representado pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, na reunião de Líderes de Agricultura do Hemisfério Ocidental. O encontro ocorreu em Niigata, no Japão, paralelamente à reunião dos ministros de Agricultura do G20.

“Nossas cinco nações reconhecem que inovações no setor agrícola contribuem para melhorar a produtividade – inclusive de pequenos produtores, de jovens fazendeiros e de mulheres da área rural – de forma segura e sustentável e, também, para a capacidade de nossos países de atender à crescente demanda global por alimentos. Com a população mundial projetada para alcançar 9,8 bilhões em 2050, ciência e inovação terão papel chave para permitir que produtores agrícolas alimentem a todos de forma segura”, diz o comunicado conjunto.

Viagem à Ásia

Tereza Cristina lidera uma comitiva de 98 pessoas em viagem a quatro países do Oriente: Japão, China, Vietnã e Indonésia. A viagem, de 16 dias, começou na segunda-feira (6).

Segundo o Ministério da Economia, o Brasil mantém com os quatro parceiros comerciais uma pauta de exportação concentrada em produtos básicos como a soja triturada (China e Vietnã); trigo em grãos (Indonésia); carne de frango (Japão); algodão (Indonésia e Vietnã); café (Japão); farelo e resíduos de óleo de soja (Indonésia).

Fonte: Istoé Online

Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel entrega agenda de inovação do biodiesel para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina

O presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel (CSOB) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e diretor superintendente da APROBIO, Julio Cesar Minelli, entregou nesta quarta-feira (24) uma minuta da agenda de inovação para a cadeia do Biodiesel para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Brasília.

O documento apresenta as principais metas e ações estratégicas do setor para os próximos anos. O objetivo da agenda é promover a inovação na cadeia de produção do biodiesel por meio de ações estratégicas nas vertentes da pesquisa e desenvolvimento, da transparência de tecnologias e das políticas públicas, visando ampliar a competitividade e a evolução em bases sustentáveis do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel. Entre os principais desafios está a contínua evolução da PNPB, incluindo misturas superiores a B15.

A entrega do documento aconteceu na Casa do Cooperativismo, durante evento de lançamento da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), que reúne cerca de 300 congressistas.

Agricultura brasileira e tecnologia

Agricultura comercial: altamente mecanizada e voltada para o mercado externo

 O impacto das revoluções agrícolas na economia brasileira.

A agricultura no Brasil é uma das principais bases da economia do país e uma das maiores do mundo desde os primórdios da colonização até o século XXI, evoluindo das extensas monoculturas para a diversificação da produção. A agricultura é uma atividade que faz parte do setor primário onde a terra é cultivada e colhida para subsistência, exportação ou comércio.

Somente os agricultores familiares produzem cerca de 70% dos alimentos consumidos em nosso país. Eles são os principais responsáveis por abastecer nossas casas com, por exemplo, mandioca, feijão, carne suína e leite. De acordo com o relatório Perspectivas Agrícolas 2015-2024, publicado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o segundo maior exportador agrícola mundial e o maior fornecedor de açúcar, suco de laranja e café.

Nossa produção, no entanto, é marcada por desigualdades. De um lado, há um próspero e moderno modelo de agropecuária comercial e, do outro, a agropecuária familiar, com recursos bem mais modestos. A agropecuária comercial é intensamente mecanizada e produz, principalmente, culturas de exportação, como a soja, a cana-de-açúcar, o café e a laranja. Ela está associada a uma extensa cadeia de atividades econômicas, que engloba a indústria de insumos agrícolas (maquinários, agroquímicos e biotecnologias), a produção agrícola (toda a matéria-prima produzida no campo) e a agroindústria (beneficiamento das matérias-primas, transformando-as em produtos com maior valor agregado). O agronegócio brasileiro tem destaque internacional e uma importância muito grande para a nossa economia.

Já a agropecuária familiar utiliza técnicas mais rudimentares, sem tanto aparato tecnológico. Normalmente, não utilizam adubos, fertilizantes ou pesticidas, além de terem baixa mecanização. É esta modalidade, no entanto, que emprega a maior parte da mão de obra brasileira que trabalha no campo (cerca de 80%, de acordo com o Censo Agropecuário de 2006) e produz, principalmente, culturas alimentares como feijão e mandioca.

Revoluções agrícolas

Ao longo da história, houve grandes transformações no meio rural. Há 10 mil anos, ocorreu a revolução agrícola neolítica, que tinha três características principais: o cultivo na várzea dos rios, a rotação de culturas e a plantação em terraços. Nos séculos XVIII e XIX houve crescimento da produção agrícola devido ao uso de fertilizantes naturais (esterco) e, posteriormente, de máquinas agrícolas.

Na metade do século XX, houve a revolução verde, que tinha como objetivo solucionar a falta de alimentos em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Para produzir mais intensamente, ela valeu-se de tecnologias mais avançadas, mão de obra especializada, sementes selecionadas e agrotóxicos.

Mais recentemente, temos a revolução agrobiotecnológica, caracterizada pela produção de Organismos Geneticamente Modificados (OGM), os polêmicos alimentos transgênicos. Paralelamente, também vem sendo usada a agricultura orgânica, que não utiliza agrotóxicos, e a técnica da agrofloresta, que combina culturas agrícolas com culturas florestais.

Fonte: Brasil Agro

Ministra da Agricultura prepara missão à China para aumentar exportações

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse no domingo que pretende organizar uma missão para a China na primeira semana de maio para tentar ampliar as exportações de carne suína, bovina e de frango ao mercado chinês.

A intenção da ministra é aumentar o número de frigoríficos com habilitação sanitária a exportar para o país asiático, hoje o maior parceiro comercial do Brasil, além de tratar a questão da exportação de soja.

A ministra defendeu a importância da China para a agricultura brasileira, e revelou que a missão tentará aumentar o leque de produtos exportados para o país.

A China se mantém como o principal parceiro comercial brasileiro, mas o governo chinês tem mostrado desconforto com a retórica anti-chinesa que prevaleceu no discurso do presidente Bolsonaro durante a campanha e ainda existe no governo.

Recentemente, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, questionou se a parceria com a China seria tão benéfica para o Brasil quanto se apregoa. “De fato, a China passou a ser o grande parceiro comercial do Brasil e, coincidência ou não, tem sido um período de estagnação do Brasil”, disse.

O chanceler afirmou que o Brasil quer vender minério de ferro e soja, mas não vai “vender a alma” para isso.

As declarações irritaram os produtores rurais, e Araújo tentou desarmar o mal estar em uma agenda com o presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), no dia seguinte, enquanto o restante do governo vem tentando baixar o tom das declarações anti-chinesas.

O próprio Bolsonaro entrou em campo e, na última quinta-feira, durante uma transmissão ao vivo pelo Facebook, afirmou que a China é uma “grande parceira” e que pretende ir ele mesmo ao país no segundo semestre deste ano.

Dados referentes a 2018 do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) mostram que a China se manteve como principal destino das exportações brasileiras, chegando a 64,2 bilhões de dólares no ano passado.

Fonte: Terra

Principais impactos do Acordo de Paris na agricultura brasileira

Para iniciar a coluna “Direito do Agronegócio” no ano de 2019, trataremos das polêmicas em torno dos efeitos do Acordo de Paris para a agricultura brasileira. As críticas ao acordo se concentram em suposta ameaça à soberania brasileira, mas, afinal, quais obrigações legais assumidas pelo Brasil junto à comunidade internacional influenciam a agropecuária brasileira?

O Acordo de Paris é um tratado internacional celebrado na cidade que lhe dá nome, no ano de 2015. Ele é fruto de discussões e negociações dos Estados nacionais que fazem parte da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). Do ponto de vista do arranjo jurídico, a Convenção-Quadro funciona como um guarda-chuva, sob a qual estão outros tratados, como o Protocolo de Kyoto, a Emenda Dohae o Acordo de Paris.

Cabe à Convenção-Quadro estipular princípios gerais para a cooperação internacional no combate à mudança do clima, e o Acordo de Paris estabeleceu metas e parâmetros para a contribuição de cada Estado-parte. Para isso, o acordo é dividido em duas partes. No corpo do tratado, estão os compromissos gerais, que se concentram em medidas de mitigação de emissão de gases, adaptação ao aumento da temperatura global e adequação dos fluxos financeiros a uma economia de baixo carbono. São eles, segundo o artigo 2 do acordo:

(i) “Manter o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais, e envidar esforços para limitar esse aumento da temperatura a 1,5°C”;

(ii) “Aumentar a capacidade de adaptação aos impactos negativos da mudança do clima e promover a resiliência à mudança do clima e um desenvolvimento de baixa emissão de gases de efeito estufa, de uma maneira que não ameace a produção de alimentos”;

(iii) “Tornar os fluxos financeiros compatíveis com uma trajetória rumo a um desenvolvimento de baixa emissão de gases de efeito estufa e resiliente à mudança do clima”.

Em forma de anexos estão as Contribuições Nacionalmente Determinadas (iNDC, em inglês), que são os documentos em que cada Estado-parte apresenta a sua contribuição para alcançar o objetivo comum. Trata-se de arranjo jurídico de tipo bottom up, técnica utilizada no Direito Internacional para aquelas questões em que há dificuldade em alcançar uniformidade. Assim, cada Estado-parte voluntariamente decidiu qual seria sua contribuição e sob qual parâmetro ela seria calculada.

Nesse cenário, o Brasil livremente se comprometeu, como medida de mitigação, a reduzir as emissões de gases de efeito estufa de forma que, em 2025, emita 37% abaixo daquilo que foi emitido no ano de 2005. Do ponto de vista da adaptação, foi prometida a finalização do Plano Nacional de Mitigação (PNA), instituído desde 10 de maio de 2016 por meio da Portaria 150. Não foram estabelecidos metas e objetivos explícitos sobre fluxos financeiros.

Dois setores da agricultura brasileira serão particularmente afetados por esses compromissos: o energético e o florestal/agrícola (uso da terra). A iNDC brasileira prevê que, para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, precisará adotar políticas públicas para que a bioenergia represente aproximadamente 18% da matriz energética nacional até 2030.

A adoção dessas medidas já foi iniciada. Em dezembro de 2017, foi promulgada a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), que instituiu um mercado de créditos de descarbonização (CBIO). As estimativas sugerem que o novo mercado injetará no setor algo entre R$ 1,5 bilhão e R$ 6,8 bilhões. Tudo isso indica que, assim como a crise do petróleo na década 1970, a crise climática será convertida em oportunidade para o setor de biocombustíveis.

Já em relação ao uso da terra, as informações de esclarecimento da iNDC brasileira prometem alcançar uma série de metas até 2030. Comprometeu-se a atingir o desmatamento ilegal zero na Amazônia brasileira (compensando as emissões de gases emitidas), reflorestar 12 milhões de hectares de floresta e melhorar as técnicas de manejo sustentável de florestas nativas.

Todas essas medidas, por mais impactantes que pareçam, não significam muito mais que o Brasil comprometendo-se a cumprir sua própria legislação. Pesquisa do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) lançada em 2017 calcula que existe um déficit total de 19,4 milhões de hectares de áreas de preservação permanente (APPs) e reservas legais (RLs). Isso significa que apenas a recomposição da vegetação que foi ilegalmente suprimida, com base no Código Florestal de 2012, é o bastante para honrarmos parte significativa dos compromissos internacionais.

Especificamente em relação ao setor agrícola, a iNDC brasileira ainda defende o fortalecimento do Plano ABC, do qual uma linha de crédito (Programa ABC) de R$ 2 bilhões foi destinada para a safra 2018/2019. Esses recursos podem ser utilizados para a introdução de tecnologias e técnicas de produção agropecuária de baixa emissão de carbono. A taxa de juros é de 6% a.a., podendo ser reduzida para até 5,25% naqueles projetos que visam regularizar as propriedades rurais à legislação ambiental.

Tudo isso leva-nos a crer que os compromissos internacionais assumidos pelo Brasil no âmbito do Acordo de Paris estão alinhados com sua legislação interna. Nessa seara, os principais impactos do Acordo de Paris na agricultura são o retorno da importância do setor de biocombustíveis, gravemente deteriorado pelas políticas econômicas no preço da gasolina entre 2008 e 2014, e o reforço quanto ao cumprimento do Código Florestal — cenário esse muito distante de uma violação à soberania brasileira.

Fonte: Consultor Jurídico

Gestão ambiental: setor de energia renovável gera mais de 10 milhões de empregos no mundo, diz estudo

Brasil está entre os maiores empregadores da área. Políticas públicas podem estimular crescimento ainda maior do mercado.

A energia renovável, gerada a partir de recursos naturais, empregou 10,3 milhões de pessoas no mundo em 2017, direta ou indiretamente – um aumento de 5,3% em relação ao ano anterior. Entram na conta fontes como hidroelétrica, energia solar fotovoltaica, energia solar por aquecimento, bioenergia e energia eólica. O levantamento foi elaborado pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena, na sigla em inglês).

Os empregos são nos setores de planejamento, de produção e de instalação dos equipamentos – e podem ser ocupados por profissionais formados, entre outros cursos, em gestão ambiental. É possível também atuar na parte de controle de eficiência das novas fontes energéticas, como em uma rede hoteleira ou em um condomínio, por exemplo.

Gráfico mostra a quantidade de empregos gerados pelo setor de energia renovável. — Foto: Infográfico: Karina Almeida/G1Gráfico mostra a quantidade de empregos gerados pelo setor de energia renovável. — Foto: Infográfico: Karina Almeida/G1

Gráfico mostra a quantidade de empregos gerados pelo setor de energia renovável. — Foto: Infográfico: Karina Almeida/G1

“O profissional de gestão ambiental precisa mostrar para as empresas a vantagem de implementar ações de sustentabilidade e estimular que invistam em formas alternativas de energia”, afirma Simone Kapusta, coordenadora do curso no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), no campus de Porto Alegre.

O Brasil está entre os maiores empregadores do setor de energia renovável, junto com Estados Unidos, Índia, Alemanha e Japão – a China, sozinha, concentra 43% das oportunidades de trabalho. Analisando a distribuição de vagas em 2017, a maior parte está focada na energia solar fotovoltaica, com 3,37 milhões de oportunidades de emprego no mundo.

“A produção de energia renovável adquiriu mais importância conforme as tecnologias foram sendo desenvolvidas”, afirma o relatório da Irena.

No Brasil

Diversos fatores influenciam no crescimento da geração de energia renovável. Políticas governamentais, questões geográficas (como a incidência solar, o relevo e a hidrografia) e estratégias de grandes empresas determinam como um país lidará com fontes energéticas alternativas.

No Brasil, em 2017, havia 893 mil vagas para profissionais envolvidos com produção, geração e distribuição de energia renovável – excluindo as grandes hidroelétricas. Segundo o relatório da Irena, foram 795 mil oportunidades nos biocombustíveis líquidos, 42 mil em aquecimento solar, 34 mil em energia eólica, 12 mil em pequenas hidroelétricas e 10 mil em energia solar fotovoltaica.

Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), reforça que a energia solar começou a crescer no Brasil em 2012, mas ainda pode ser mais explorada. “Antes, ela era usada em comunidades remotas, com bateria. Depois, passou a ser conectada à rede e a ficar muito mais barata e competitiva”, explica. “Dá para ser gerada a partir da instalação dos painéis solares em telhados, fachadas de edifícios, cobertura de estacionamentos”, completa.

Sauaia diz que o Brasil precisa focar em ampliar o uso da energia solar fotovoltaica. “Temos um potencial gigantesco, mas menos de 1% da nossa matriz elétrica é solar. Estamos atrasados e precisamos nos recuperar”, diz.

Fonte: G1

Mecanização tem novo avanço na agricultura

Venda de máquinas agrícolas e rodoviárias alcançou 3.754 unidades em novembro, um crescimento de 27,5% em relação ao mesmo mês de 2017

Mais capitalizados e conscientes da necessidade de manter-se competitivos, os agricultores brasileiros vêm investindo mais na mecanização da lavoura, com predomínio da soja. Em novembro, a venda de máquinas agrícolas e rodoviárias alcançou 3.754 unidades, um crescimento de 27,5% em relação ao mesmo mês de 2017, segundo dados da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). De janeiro a novembro, as vendas totalizaram 43.351 unidades, um avanço de 11,9% em comparação com os 11 primeiros meses de 2017, devendo-se notar que menos de 5% correspondem a máquinas rodoviárias.

As vendas de equipamentos agrícolas em novembro foram 25,5% inferiores ao volume de outubro, quando são tradicionalmente tomadas as decisões de plantio. A projeção da Anfavea é de que as vendas do segmento atinjam 47 mil unidades ao fim de 2018, um avanço de 10,8% em relação a 2017 (42,4 mil).

A vendas internas praticamente supriram a queda nas exportações, causada principalmente pela crise na Argentina. De janeiro a novembro, as exportações de máquinas agrícolas foram de 11.827 unidades e dificilmente alcançarão a marca do ano passado, de 14 mil unidades. Vale notar, contudo, que, em valor, as exportações somaram US$ 3,14 bilhões, 15,2% mais que nos 11 meses do ano anterior.

A nova disposição dos agricultores nacionais de dar mais eficiência aos trabalhos no campo animou o segmento de máquinas agrícolas da indústria automotiva, que há três anos se encontrava praticamente estagnado. Em novembro, a produção foi de 6,6 mil unidades, 73,3% mais que no mesmo mês de 2017. No acumulado de janeiro a novembro, foram produzidas 60,2 mil unidades, crescimento de 19,4% ante os 11 meses do ano anterior.

A retomada do investimento em modernização deve levar a um aumento da produção agrícola. O crédito rural ajudou, com acréscimo de 19% de julho a novembro. A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) estima que a safra 2018/2019 será maior que a de 2017/2018 (228 milhões de toneladas). Com condições climáticas favoráveis, a CNA prevê aumento de 6% na produção de soja, sendo otimista também quanto à produção de milho e algodão. A se confirmarem tais projeções, calcula-se uma elevação de 4,3% no valor bruto da produção em 2019.

Fonte: Estadão

Tereza Cristina inicia transição com Blairo

Equipe da Futura ministra deve começar a atuar no Ministério na próxima semana

A partir da próxima semana, a futura ministra da Agricultura Tereza Cristina e alguns assessores terão acesso às instalações físicas do Mapa e acompanharão de perto a rotina do MAPA, tomando conhecimento dos trabalhos do Ministério. Em  encontro com o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ficou acertado que a deputada Tereza Cristina (DEM-MS), passará a vivenciar de perto a rotina daquela pasta. Tereza Cristina já começa a acompanhar de perto a questão dos problemas climáticos e o mal tempo, que pode comprometer os produtores da região Sul por conta das chuvas excessivas, já são mais de 82 horas ininterruptas de chuva em algumas áreas da Argentina.

Mas a a chuva também atrapalha a produção argentina e nesse caso beneficia os produtores brasileiros já que tem 60% da área a de plantio da Zona Núcleo, que é a principal zona de produção do país, em um cenário de incerteza. O trigo que está para ser colhido e a soja e o milho recém-plantados são os cultivos mais afetados pela enorme quantidade de chuvas que caíram nos últimos quatro dias. Segundo informações da Bolsa de Comércio de Rosario (BCR), caíram entre 150mm e 230mm no centro de Santa Fé, leste de Córdoba e algumas localidades do centro do município de Buenos Aires. Esses são municípios importantes da produção de grãos da Argentina. As chuvas também afetaram a pecuária, principalmente a pecuária leiteira, que por conta do alagamento dos caminhos rurais, teve dificuldade de tirar a produção do campo.

A futura ministra também deve receber informações sobre os resultados de trabalhos realizados por  uma comissão brasileira que esteve recentemente na China para oferecer o farelo de soja excedente aqui do Brasil com o esmagamento da soja em grão para atender a maior demanda que temos hoje, para o óleo que vai ser adicionado ao biodiesel. A China é grande importadora de soja em grãos para a produção do próprio farelo. Eles optam sempre por importar a matéria prima e produzir seu subproduto e estão  procurando por mais farelo de soja até porque, por conta da quebra da última safra da Argentina, que é a maior exportadora de farelo e óleo de soja que faz a China olhar para outros mercados para importar esse produto. O Brasil está na rota dessas observações e pode ser uma alternativa importante.”

Fonte: Diário Digital

Agricultor do Paraná vira youtuber e faz sucesso na internet com vídeos sobre tecnologia no campo

Vídeos são gravados durante a rotina de trabalho e ensinam outros produtores rurais a lidar com equipamentos

Um agricultor paranaense está fazendo sucesso na internet. Ele grava vídeos que ajudam os produtores a usarem as tecnologias no campo.

As gravações são feitas durante a rotina de trabalho, no noroeste do estado. Os vídeos esclarecem as dúvidas sobre o uso das máquinas agrícolas que aumentam a produtividade na lavoura.

Fonte: G1

Futura ministra da Agricultura defende agrotóxicos e assistência técnica para pequeno produtor

Deputada Tereza Cristina Dias, anunciada para o comando da pasta, falou ao Globo Rural sobre temas importantes para o setor

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou nesta semana que a ministra da Agricultura do próximo governo será a deputada federal Tereza Cristina Dias.

Ela nasceu no Mato Grosso do Sul, é formada em Agronomia e lidera a Frente Parlamentar da Agropecuária no Congresso.

Tereza Cristina foi a primeira mulher indicada a um ministério pelo presidente eleito. Ela teve apenas um breve encontro com Jair Bolsonaro e só na próxima terça-feira deve acertar os detalhes sobre a composição do ministério.

A futura ministra falou com a reportagem do Globo Rural sobre temas importantes para o setor. Veja os principais trechos:

Relação com Ministério do Meio Ambiente

Após idas e vindas, ficou definido que o Ministério do Meio Ambiente não será extinto.

“Vai ser importantíssima essa sinergia entre os dois ministérios. Por que? Porque os ganhos que você pode ter no seu produto, vendendo um produto porque tem o selo verde, que tem um protocolo A, B, C ou D. Então, se você tiver uma sinergia, todo mundo ganha. Ganha o ambiental e ganha quem está produzindo de maneira mais sustentável”, diz a ministra.

Exportações

“Acordos são importantíssimos, é preciso ter uma relação muito estreita entre o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e o Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty). Porque ainda temos muito para crescer na nossa produção, tanto animal quanto vegetal. Por exemplo, a Ásia é um mercado com potencial abertura, então (o trabalho) é fazer com que os embaixadores que estejam lá também ajudem o Brasil a fazer acordo, a vender nossos produtos, a mostrar as qualidades do Brasil.”

Agrotóxicos

“O projeto de lei que está tramitando na Câmara é uma lei que traria modernidade, que traria governança, transparência, para que o produtor brasileiro tivesse produtos de geração mais nova no mercado mais rapidamente. Esses produtos são mais ‘tecnificados’, eles atenderiam, seriam menos tóxicos, se usaria menor quantidade, menos pulverizações.”

Reforma agrária

“Eu acho que isso aí é uma conversa que hoje eu não tenho como dizer, mas será uma conversa naturalmente de dentro do governo para saber as prioridades. Mas eu posso dizer uma coisa. (Vamos) terminar as terras que precisam ser tituladas e dar condições para esses que já estão vivendo na terra, que às vezes não têm água, estão lá há 20 anos e não têm água potável para beber, para as suas criações, enfim.”

Pequeno produtor

“Eles (pequenos produtores) precisam de assistência técnica, de segurança jurídica, como os grandes precisam. Precisam de crédito. As necessidades são as mesmas. Mas do que eles precisam, de fato, é crédito e assistência técnica. Porque com assistência técnica de boa qualidade, não só no papel, você (acaba) achando os nichos de mercado e produção que esses assentamentos podem ter. Com certeza eles serão viáveis, sustentáveis, as pessoas terão renda.”

Fonte: Globo Rural

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721