HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
14 nov 2019 - 10:00
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Setor de biodiesel defende certificação específica da soja para emissão de CBios

Diversos temas essenciais para o setor de biodiesel compuseram a programação da Conferência BiodieselBR, realizada na segunda e na terça-feira (11 e 12), em São Paulo, com parceria especial da APROBIO. Nas palestras e painéis do evento, representantes da indústria, do governo e demais agentes econômicos puderam discutir os rumos desse biocombustível e políticas relevantes para a cadeia produtiva, como o RenovaBio e a emissão dos créditos de descarbonização (CBios).


No painel sobre “O processo de certificação das usinas de biodiesel no RenovaBio”, a especialista em regulação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Maria Auxiliadora Nobre apresentou as etapas do processo de credenciamento das firmas inspetoras e de certificação para o programa. Segundo ela, os próximos passos incluem a regulamentação financeira do RenovaBio, a realização de novas consultas públicas e auditorias in loco, novos credenciamentos de firmas inspetoras, e o desenvolvimento das plataformas RenovaCalc e CBio.


O setor de biodiesel considera necessária uma certificação específica para a cadeia da soja, uma vez que o Selo Combustível Social (SCS) prevê aquisições de agricultores familiares, em milhares, o que dificulta muitas vezes a obtenção de todas informações para o processo de certificação. Também há uma cadeia de fornecimento com vários intermediários que incluem etapas às quais os produtores acabam não tendo acesso, e uma das propostas seria a de criar uma certificação intermediária para cobrir essa lacuna ou uma pré-certificação dos fornecedores (cooperativas, cerealistas, etc.). A especialista da ANP sugeriu que o setor envie uma proposta para análise dos técnicos. “Não é uma mudança fácil, mas estamos dispostos a ouvir e discutir as reivindicações do setor”, explicou.


Em painel no primeiro dia da Conferência, intitulado “RenovaBio – A comercialização dos CBios”, o analista de infraestrutura do Ministério de Minas e Energia (MME) Paulo Costa apresentou um overview do cenário que motivou a criação da Política Nacional de Biocombustíveis e discorreu sobre seus principais instrumentos e o processo de criação do mercado de créditos de carbono, sua regulamentação e os próximos passos. No mesmo painel, Carlos Germano, diretor da BrasilCom, abordou o tema sob a perspectiva das distribuidoras, destacando o diferencial competitivo que terão com a compra dos CBios.


O diretor da ANP, Aurélio Amaral, destacou o papel da agência no RenovaBio e no comércio dos CBios. Ele lembrou a missão de capacitação enviada aos Estados Unidos em junho de 2018, da qual participou o diretor superintendente da APROBIO, Julio Minelli, e os 16 eventos itinerantes realizados desde setembro daquele ano para tirar dúvidas e estimular a adesão dos produtores ao programa – o próximo, no dia 27, será em Itumbiara (GO), na unidade da Caramuru, com apoio da APROBIO. Na apresentação, Amaral mostrou que há 177 processos de certificação em andamento, dos quais 1 foi aprovado e 14 tiveram relatórios finais enviados à ANP – desses, 6 estão em análise pela agência e 8 aguardam informações adicionais das firmas inspetoras.


Projeções de mercado e novos testes


O Mercado do Biodiesel em 2020 foi o tema que abriu o segundo dia do evento. As perspectivas e desafios criados com a abertura do mercado de refino foi o tema do diretor de abastecimento da Plural, Leandro Barros. Ele destacou fatores críticos, como a atração de investimentos e a solução de gargalos de infraestrutura e logística, que terão de ser endereçados, em virtude da projeção da oferta e demanda de biodiesel necessárias até 2027 – neste ano, a Plural projeta demanda de 11,1 bilhões de litros do biocombustível.


Diretor executivo da BiodieselBR, Miguel Angelo Verdana traçou um panorama do sistema de leilões de biodiesel da ANP e defendeu aperfeiçoamentos com vistas às misturas mais altas do biocombustível ao diesel fóssil, ao eminente fim do monopólio de refino por parte da Petrobras e à venda de oito refinarias da estatal até 2021.


Continuando a programação, Fábio Vinhado, coordenador do CPT ANP, falou sobre os testes para a adoção das novas misturas. Os marcos regulatórios para a garantia de qualidade do biodiesel nas misturas e os estudos que estão sendo conduzidos para aprimorar as especificações, assim como a obrigatoriedade da adição de antioxidantes, foram alguns dos aspectos destacados por ele na apresentação.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
07 abr 2020

Habilitação de cooperativas para Selo Combustível Social já pode ser feita on-line

+
SAIBA MAIS
06 abr 2020

José Mauro Ferreira Coelho é nomeado secretário de Petróleo do MME

+
SAIBA MAIS
02 abr 2020

Associadas da APROBIO mantêm operação normal durante a pandemia de COVID-19

+
SAIBA MAIS
31 mar 2020

Evolução do Setor de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
31 mar 2020

CBios poderão ser comercializados a partir de 27 de abril, de acordo com a B3

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO