HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
28 jul 2022 - 17:11
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Regulação de carbono pode mudar país de patamar

A regulação do mercado de carbono está sendo discutida no Congresso por meio do Projeto de Lei nº 528, em trâmite na Câmara dos Deputados desde o ano passado. A perspectiva em relação ao texto, de acordo com especialistas, é boa entre ambientalistas e empresas do setor.


Plínio Ribeiro, CEO da Biofílica/Ambipar, organização especializada em projetos de conservação de florestas nativas a partir da comercialização de serviços ambientais, acredita que a economia de compra e venda de carbono poderá elevar o patamar o país em termos de preservação ambiental. “A lei não cria mercado. Mas é o primeiro passo, pois deixará tudo mais  claro e transparente. Aguardamos há mais de uma década por essa regulação”, afirma Ribeiro.

“As fontes de financiamentos estão por aí, via mercado de capitais. O Brasil pode vir a ser um grande ofertante de carbono. No entanto, para isso acontecer é preciso que os governos  de todas as instâncias incentivem as empresas a fazerem ações robustas de descarbonização e empenhem muita diplomacia, para que possamos atrair os investimentos internacionais”, afirma.

A Carbonext, empresa que presta consultoria a proprietários de terras que desejam obter lucros com áreas verdes preservadas, por meio da venda de créditos de carbono, aposta no crescimento do mercado após a regulamentação.

“Nosso propósito como organização, desde o primeiro dia, sempre foi contribuir para barrar as mudanças climáticas”, diz Janaína Dallan, co-CEO da empresa. “E descobrimos que  podemos fazer isso gerando recursos através da preservação”, acrescenta Luciano Correa da Fonseca, também co-CEO.

A empresa trabalha com o cálculo de que cada crédito de carbono pode ser vendido por cerca de US$ 15. E uma floresta em pé geraria, em média, três créditos de carbono por hectare.

De acordo com os sócios, ao criar projetos, a Carbonext, além do mapeamento da área verde para cálculo do potencial gerador de créditos, considera as condições das comunidades da área e suas necessidades. “Em muitos locais não há nem água potável, então 30% dos recursos gerados são destinados a esse tipo de melhoria”, afirma Fonseca. Dallan acrescenta  que o objetivo é acelerar a transição rumo à economia sustentável de longo prazo. “E para isso temos que combater a pobreza”, complementa.

Fonte: Valor

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
18 ago 2022

Método disponibiliza dados de pegada de carbono em nível municipal

+
SAIBA MAIS
16 ago 2022

Estados Unidos na vanguarda da crise climática novamente

+
SAIBA MAIS
12 ago 2022

Congresso Nacional será decisivo para Brasil retomar expansão dos biocombustíveis, diz FPBio

+
SAIBA MAIS
12 ago 2022

Biocombustível é opção para diminuir dependência do petróleo

+
SAIBA MAIS
10 ago 2022

Dia Internacional do Biodiesel: como o sustentável biocombustível é produzido

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO