HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
20 mar 2020 - 09:00
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Quais setores lideram a luta contra as mudanças climáticas

Relatório do Fórum Econômico Mundial elencou quais tipos de empresas vêm cortando mais emissões de poluentes


Empresas têm papel crucial no enfrentamento das mudanças climáticas -- e há setores atrasados na adoção das medidas necessárias. É isso que afirma um relatório preparado pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria com a consultoria Point380.


Divulgado nesta quarta-feira, dia 18, o levantamento reúne dados de 2,7 mil empresas que compartilham sua emissão de poluentes desde 2015. O objetivo é acompanhar o progresso dessas instituições desde a assinatura do Acordo de Paris.


Segundo o relatório, apesar de essas empresas ainda estarem emitindo muito mais poluentes que o desejável para atingir as metas do Acordo, é visível que já começaram a reduzir suas emissões.


 


Quais setores estão se saindo melhor?
Uma área-chave é a descarbonização no setor de eletricidade. Nessa área, as emissões caíram drasticamente, resultado de uma combinação de políticas de eficiência energética e redução do uso de fontes poluentes, como o carvão.


Outro fator de peso é que fontes de energia renováveis ganham espaço no mercado. O preço dessas tecnologias vem experimentando queda considerável.


A redução de emissões dessas empresas também gera impacto positivo, embora indireto, em todos os setores nos quais o consumo de eletricidade representa grande parcela da pegada de carbono - como saúde e finanças.


Quais estão se saindo pior?
Os setores imobiliário e de tecnologia da informação vêm aumentando suas emissões. Isso expõe a necessidade de criação de uma estratégia para redução de emissão de carbono. Apesar do aumento, eles ainda representam uma fatia minúscula das emissões globais.



Reduções têm sido mais difíceis de alcançar em setores que produzem poluentes em seus processos industriais.


De acordo com o Fórum Econômico Mundial, o setor de energia, a indústria e a produção de materiais precisam acelerar o desenvolvimento de tecnologia, para aumentar sua eficiência e reduzir o consumo de eletricidade e a dependência de combustíveis fósseis.


Expectativas
A comissão de Transições de Energia diz que é técnica e economicamente possível para esses setores zerar suas emissões líquidas até 2050. O impacto na economia seria de menos de 0,5% do PIB global.


Mas atingir esses resultados exige esforço conjunto. Investimento público em energias limpas e políticas internas das próprias empresas formam o melhor caminho para atingir esses resultados, afirma o relatório.


Fonte: Época Negócios

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
25 set 2020

RenovaBio: ANP revisa metas individuais de distribuidores para 2020

+
SAIBA MAIS
25 set 2020

Grupo de Trabalho Intercâmaras do MAPA avança sobre proposta comum para Reforma Tributária

+
SAIBA MAIS
25 set 2020

Setor avalia oferta e demanda de biodiesel para L76 em reunião de Monitoramento do Abastecimento do Biodiesel

+
SAIBA MAIS
21 set 2020

RenovaBio: ANP realiza webinar e programa atinge 9 milhões de créditos de descarbonização (CBIOs)

+
SAIBA MAIS
18 set 2020

APROBIO defende na ANP que Diesel Verde é novo biocombustível: produto exige especificação, marco regulatório e cadeia produtiva própria

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO