HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
13 fev 2023 - 10:47
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Poluição pode alterar pressão arterial em adolescentes, diz estudo

Os cientistas sabem que a poluição do ar pode dificultar a respiração e ainda causar sérios problemas de saúde, como câncer, mas um novo estudo mostra que isso também pode ter um impacto negativo na pressão arterial dos adolescentes.


A exposição a níveis mais altos de dióxido de nitrogênio foi associada à pressão arterial mais baixa em adolescentes, de acordo com o estudo, publicado na quarta-feira (8) na revista PLOS One. A exposição ao material particulado 2.5, também conhecido como poluição particulada, foi associada a pressão arterial mais alta. Os pesquisadores dizem que o impacto é “considerável”.


Outros estudos encontraram uma conexão entre mudanças na pressão arterial e poluição, mas muito desse trabalho se concentra em adultos. Algumas pesquisas também encontraram associações negativas com a exposição à poluição e crianças mais novas, mas poucas se concentravam nos adolescentes.


Geralmente, a pressão arterial baixa pode causar problemas imediatos como confusão, cansaço, visão turva e tontura. A hipertensão arterial na adolescência pode levar a uma vida inteira de problemas de saúde, incluindo um maior risco de acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco. E é um dos principais fatores de risco para morte prematura em todo o mundo.


O estudo não analisou se os adolescentes apresentavam sintomas ou efeitos na saúde devido à mudança na pressão arterial.


Os cientistas viram essa associação entre poluição e pressão sanguínea nos dados do estudo “Determinantes do bem-estar social e da saúde do adolescente”, que acompanha ao longo do tempo a saúde de um grupo grande e etnicamente diverso de crianças em Londres.


Os pesquisadores coletaram dados de mais de 3.200 adolescentes e compararam seus registros com suas exposições à poluição com base nos níveis anuais de poluição onde viviam.


A poluição por dióxido de nitrogênio é mais comumente associada a subprodutos de combustão relacionados ao trânsito. O nitrogênio pode ajudar as plantas a crescer, mas pode prejudicar a capacidade de respiração de uma pessoa e causar danos ao trato respiratório humano. Neste estudo, pensou-se que o nitrogênio vinha predominantemente do tráfego de diesel.


A poluição por partículas no estudo é tão pequena, de 1/20 da largura de um fio de cabelo humano, que pode ultrapassar as defesas normais do corpo. Em vez de saírem do corpo quando a pessoa expira, elas podem ficar presas nos pulmões ou irem para a corrente sanguínea. As partículas causam irritação e inflamação e podem levar a uma série de problemas de saúde.


A poluição por partículas pode vir de incêndios florestais, fogões a lenha, usinas de energia e queima de carvão. Também pode vir de locais muito tráfego e construção.


Neste estudo, a ligação entre exposição à poluição e mudanças na pressão arterial foi mais forte em meninas do que em meninos. Os pesquisadores não podem determinar por que há uma diferença de gênero, mas descobriram que 30% das participantes do sexo feminino fizeram a menor quantidade de exercício entre o grupo e observaram que isso pode afetar a pressão arterial.


“Portanto, é imperativo que a poluição do ar seja melhorada em Londres para maximizar os benefícios do exercício físico para a saúde dos jovens”, diz o estudo.


Embora o estudo também não consiga identificar por que a pressão sanguínea dos adolescentes mudou com a exposição à poluição, outros descobriram que a exposição à poluição do ar pode afetar o sistema nervoso central, causando inflamação e danos às células do corpo.


Além disso, a exposição à poluição por partículas pode interromper os ritmos circadianos de uma pessoa, o que pode afetar a pressão arterial. A exposição à poluição por partículas também pode reduzir a capacidade dos rins de excretar sódio durante o dia, levando a um nível mais alto de pressão arterial noturna, diz o estudo.


No que diz respeito à poluição por dióxido de nitrogênio, os pesquisadores já haviam feito um estudo cruzado que envolvia a pressão sanguínea de 12 participantes adolescentes saudáveis que foram expostos ao óxido de nitrogênio de um fogão a gás doméstico com as bocas acesas. A pressão arterial caiu em comparação com os participantes expostos apenas ao ar ambiente.


No novo estudo, as associações entre poluição e pressão arterial foram consistentes. Tamanho corporal, status socioeconômico e etnia não alteraram os resultados.


No entanto, ele olha apenas para adolescentes em Londres, e apenas 8% deles eram pessoas de cor. Essas crianças foram expostas a níveis mais altos de poluição do que as crianças brancas, segundo o estudo.


Os níveis de poluição em Londres também estão bem acima do que as diretrizes da Organização Mundial da Saúde sugerem ser seguro para os seres humanos. No entanto, o mesmo poderia ser dito para a maioria das áreas do mundo. Em 2019, 99% da população mundial vivia em locais que não atendiam aos níveis de qualidade do ar recomendados pela OMS.


Trabalhos anteriores mostraram que a poluição pode prejudicar a saúde de um jovem e colocá-lo em maior risco de doenças crônicas, como problemas cardíacos mais tarde na vida. Estudos em adultos descobriram que a exposição à poluição do ar pode afetar a pressão arterial mesmo horas após a exposição.


A poluição causou 1 em cada 6 mortes em todo o mundo apenas em 2019, segundo outro estudo.


Alguns especialistas sugerem que uma maneira de reduzir o risco de problemas de saúde relacionados à poluição em um adolescente é investir em purificadores de ar portáteis com filtros HEPA que são altamente eficazes na redução da poluição do ar interno. No entanto, os filtros não podem remover todo o problema, e especialistas dizem que são necessárias soluções em toda a comunidade por meio de políticas públicas.


O médico Panagis Galiatsatos, professor assistente de medicina pulmonar e cuidados intensivos na Johns Hopkins Medicine, disse que pesquisas como essa são importantes para gerar uma hipótese sobre o que esses poluentes estão fazendo com as pessoas. Galiatsatos, um porta-voz médico voluntário da American Lung Association, não esteve envolvido no novo estudo.


“Muitas dessas poluições do ar tendem a se concentrar em bairros economicamente desfavorecidos, por isso é uma das grandes razões pelas quais queremos sempre ficar de olho nisso, pois afeta desproporcionalmente certas populações mais do que outras”, disse ele.


A pressão arterial é um marcador importante para monitorar a saúde porque é um substituto para entender os processos mais complexos que podem estar acontecendo no corpo.


“Minha grande conclusão é que essas toxinas claramente parecem ter algum impacto fisiológico no sistema cardiovascular, e qualquer manipulação deve ser considerada como uma preocupação”, disse Galiatsatos.


A coautora do estudo, Seeromanie Harding, professora de epidemiologia social no King’s College London, disse que espera que isso leve a mais pesquisas sobre o assunto.


“Dado que mais de 1 milhão de menores de 18 anos vivem em bairros [de Londres] onde a poluição do ar é mais alta do que os padrões de saúde recomendados”, disse ela em um comunicado à imprensa, “há uma necessidade urgente de mais desses estudos para obter uma compreensão profunda das ameaças e oportunidades para o desenvolvimento dos jovens.”

Fonte: CNN Brasil

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
04 mar 2024

O biodiesel no combustível do futuro

+
SAIBA MAIS
04 mar 2024

Sindirações defende aprovação da PL do Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
04 mar 2024

O combustível do futuro vai impulsionar o Brasil do presente

+
SAIBA MAIS
04 mar 2024

Emissões globais de CO2 relacionadas à energia atingem nível recorde em 2023

+
SAIBA MAIS
04 mar 2024

Temos sido lentos para enfrentar a crise climática, avalia diretora do FMI

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO