HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
12 ago 2020 - 09:28
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Plataforma Biofuturo lança cinco princípios para recuperação e aceleração de bioeconomia pós-COVID

A Plataforma Biofuturo, uma iniciativa de vinte países e múltiplas partes interessadas, anunciou hoje o lançamento de um conjunto de princípios voluntários. Os princípios têm o apoio dos vinte países membros da Plataforma Biofuturo e foram desenvolvidos após consultas com formuladores de políticas, especialistas da indústria e organizações internacionais, como a Agência Internacional de Energia (IEA), a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) e a Parceria Global de Bioenergia ( GBEP).


Uma das indústrias de energia mais intensivas em mão-de-obra, já empregando cerca de 3 milhões de pessoas em todo o mundo, espera-se que a bioenergia desempenhe um papel fundamental na descarbonização do setor de energia. No entanto, é também um dos setores mais afetados pela crise da COVID. Por exemplo, uma análise anterior da IEA estimou que a produção de biocombustíveis para transporte, que deverá continuar a crescer antes da crise, poderia de fato cair até 13% em 2020, a primeira redução na produção em duas décadas.


Ao mesmo tempo, o plano de Recuperação Sustentável da IEA mostra que os biocombustíveis podem ser uma forma muito econômica de criar empregos no setor de energia, já que eles têm o segundo maior número de empregos (15-30) criados por milhão de dólares gastos.


Os Princípios não são vinculativos nem prescritivos, sendo os países membros incentivados a implementá-los de acordo com iniciativas mais amplas de sustentabilidade e programas de recuperação econômica. Vários países já implementaram ou estão considerando novas políticas alinhadas aos Princípios.


Outras regiões também estabeleceram metas ambiciosas. Por exemplo, a Índia planeja aumentar o uso de bioenergia, incluindo 20% de etanol sustentável na gasolina até 2030, e a UE também estabeleceu ambições políticas para expandir os biocombustíveis avançados até 2030 na Diretiva de Energia Renovável (REDII).


Alguns países incluíram combustíveis sustentáveis em suas medidas de recuperação econômica. A França anunciou um importante pacote de apoio ao setor de aviação, que incorpora metas sustentáveis de combustível de aviação.


Dr. Fatih Birol, Diretor Executivo da Agência Internacional de Energia (IEA) comentou sobre o desenvolvimento dos Princípios: “A bioenergia é o gigante esquecido do setor de energia renovável e será fundamental para uma energia global de sucesso transição. Mas seu crescimento atualmente não está no caminho certo para atender às metas de desenvolvimento sustentável. É fundamental que os governos incorporem a bioenergia em seus planos de recuperação econômica da COVID, promovendo empregos no setor e garantindo que seu considerável potencial não permaneça inexplorado”.


Os formuladores de políticas podem aplicar as diretrizes em relação a vários setores ao considerarem os pacotes de recuperação. O impacto da crise na bioeconomia abrange uma série de setores, tanto direta quanto indiretamente. Como o transporte é responsável por uma parcela significativa do financiamento verde em pacotes de recuperação, o financiamento direcionado à inovação pode se vincular ao desenvolvimento de novas soluções de tecnologia de bioenergia para transporte de longa distância e indústria, o que, por sua vez, criaria empregos.


Embora tenha atingido o recorde de 162 bilhões de litros em 2019, ou 2,8 milhões de barris por dia, espera-se que a produção se contraia em 20 bilhões de litros (13%) em 2020, retornando aos níveis de 2017. Em comparação, antes do início da crise da Covid-19, a produção deveria aumentar em mais 5 bilhões de litros (3% no comparativo anual) em 2020. Oportunidades adicionais residem no biogás e biometano, gases que podem desempenhar um papel fundamental na transformação do sistema global de energia, garantindo que os recursos sejam usados e reutilizados continuamente para atender à crescente demanda por serviços de energia, ao mesmo tempo que proporcionam benefícios ambientais mais amplos. Perceber os múltiplos benefícios do biogás e biometano requer a formulação de políticas coordenadas em energia, transporte, agricultura, meio ambiente e gestão de resíduos.



Os cinco princípios são:


1) Não retroceda : Assegure a continuidade e previsibilidade de longo prazo das metas de bioenergia, biocombustíveis e materiais de base biológica e os mecanismos de política existentes que se mostraram bem-sucedidos;


2) Considerar o apoio COVID de curto prazo para produtores : Quando apropriado, abordar os desafios de curto prazo para as indústrias de bioenergia e materiais de base biológica no contexto de pacotes de alívio relacionados às perdas econômicas causadas pelo COVID;


3) Reavaliar os subsídios aos combustíveis fósseis : Aproveite as vantagens de um ambiente de baixo preço do petróleo para reavaliar os subsídios aos combustíveis fósseis para um campo de jogo mais justo;


4) Reconstrua melhor com Bio : Quando apropriado, integre o setor de bioeconomia como parte de programas de recuperação mais amplos, por exemplo, exigindo investimentos / metas em bioeconomia como parte de pacotes de ajuda e recuperação para setores específicos, como transporte e produtos químicos; e


5) Recompensar a sustentabilidade : Integrar os mecanismos de recompensa da sustentabilidade nas estruturas políticas, promovendo externalidades positivas na produção e uso de biocombustíveis, produtos químicos e materiais.


Sobre a plataforma Biofuturo:


A Plataforma Biofuturo é uma iniciativa governamental com várias partes interessadas projetada para agir sobre as mudanças climáticas e apoiar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, promovendo a coordenação internacional sobre a bioeconomia de baixo carbono sustentável. Foi lançado em Marrakesh nas negociações climáticas da COP 22 em novembro de 2016. Desde 1º de fevereiro de 2019, a Agência Internacional de Energia (AIE) é o Facilitador (Secretariado) da iniciativa. A Plataforma Biofuturo tem vinte países membros: Argentina, Brasil, Canadá, China, Dinamarca, Egito, Finlândia, França, Índia, Indonésia, Itália, Marrocos, Moçambique, Holanda, Paraguai, Filipinas, Suécia, Reino Unido, Estados Unidos da América e do Uruguai. Como uma iniciativa de múltiplas partes interessadas, várias organizações internacionais, universidades e associações do setor privado também estão envolvidas e engajadas como parceiros oficiais. Para obter mais informações, visite: www.biofutureplatform.org.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
30 set 2020

Ministro Bento Albuquerque participa de reuniões de Ministros de Energia do G-20

+
SAIBA MAIS
30 set 2020

O futuro do setor não pode esperar

+
SAIBA MAIS
25 set 2020

RenovaBio: ANP revisa metas individuais de distribuidores para 2020

+
SAIBA MAIS
25 set 2020

Grupo de Trabalho Intercâmaras do MAPA avança sobre proposta comum para Reforma Tributária

+
SAIBA MAIS
25 set 2020

Setor avalia oferta e demanda de biodiesel para L76 em reunião de Monitoramento do Abastecimento do Biodiesel

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO