HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
22 out 2023 - 22:19
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Petrobras não fará concorrência predatória com produtores de biodiesel, diz Prates

A Petrobras não fará concorrência predatória no mercado de biodiesel, disputando com os produtores, disse o presidente da estatal, Jean Paul Prates, em entrevista exclusiva à agência epbr nesta quinta-feira (19/10) durante o último episódio da temporada 2023 do Energy Talks (veja a íntegra acima).


Além disso, segundo o executivo, a subsidiária PBio também deve assumir novos papéis para “organizar a cadeia produtiva” da Petrobras, de olho na ampliação de investimentos em biorrefino.


“Nós não queremos, absolutamente, [e] não faremos uma concorrência predatória com esses mercados, é bom que se diga isso. Alguns produtores de biodiesel ficam com medo, falam: ‘a Petrobras vai comprar o óleo vegetal todo, vai começar a fazer diesel que não é transesterificado, vai acabar com a gente’. Não vai acabar com nada disso”, disse.


A transesterificação é o processo usado para produzir o biodiesel, que envolve a reação de óleos ou gorduras – vegetais ou animais – com um álcool.


Biodiesel x coprocessado
Desde março, a Petrobras começou a vender o diesel R5, com o coprocessamento de 5% de óleo vegetal na produção de diesel mineral na refinaria do Paraná. É o antigo HBIO, projeto que a companhia retomou em anos recentes.


Uma preocupação do setor de biodiesel é com a entrada do coprocessado da Petrobras no atendimento à mistura obrigatória do biocombustível, que estava nos planos do governo de Jair Bolsonaro.


A estatal defendeu no passado que a mistura obrigatória fosse compartilhada entre diferentes rotas, mas mudou a posição esse ano.


Em setembro, o próprio presidente Lula deu apoio ao aumento do mandato de biodiesel, atualmente em 12% (B12).


Esse debate foi travado na elaboração do projeto de lei do Combustível do Futuro, enviado à Câmara dos Deputados pelo governo Lula, que cria o novo mandato do diesel verde, um combustível drop-in, com a mesma composição química do diesel fóssil.


A mistura inicial será de até 3%, a partir de 2027, segundo a versão atual do texto. A eventual inserção, de forma regulada, de combustíveis como o coprocessado da Petrobras ainda será discutida no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).


Além do coprocessamento, a companhia está desenvolvendo unidades dedicadas para produção do combustível 100% de biomassa renovável, que ela batizou de R100.


Para aprofundar: O que é diesel verde e o que está em disputa no mercado brasileiro de biocombustíveis
PBio poderá ser o upstream do biorrefino
Prates afirmou que a PBio não vai participar diretamente dos investimentos em biorrefinarias. Mas que vai ajudar na obtenção da matéria-prima para os combustíveis renováveis.


Inicialmente, a empresa tem o desafio de recuperar suas plantas de produção de biodiesel, que tinham sido colocadas à venda.


A PBio tem três usinas de biodiesel localizadas em: Montes Claros, em Minas Gerais, com capacidade produtiva de 167 mil m³/ano; Candeias, na Bahia, com capacidade produtiva de 304 mil m³/ano, e Quixadá, no Ceará, em estado de hibernação, com capacidade produtiva de 109 mil m³/ano.


Futuramente, Prates afirma que ela pode cumprir na cadeia de produção do biorrefino como uma supridora do óleo de origem renovável necessário na produção dos novos biocombustíveis e produtos.


“A gente também está colocando esse desafio de pensar o papel da PBio na originação de óleo vegetal, por exemplo. Porque nós vamos precisar, para as nossas refinarias, de um upstream”.


“Qual é o upstream do óleo vegetal? É plantar, fazer tudo isso? Não, é organizar, como o John Rockefeller fez na Pensilvânia no início da história do petróleo”, disse. Ele não tinha um poço de petróleo, mas tinha 200 mil caras oferecendo petróleo (…) Ele só organizou a logística e fez o óleo padrão, o Standard Oil, que era a empresa dele.”


Fonte: epbr

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
29 mai 2024

Fórum Nordeste: evento discutirá sustentabilidade e transição energética no Brasil

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Maioria das emissões de CO2 nas mineradoras vêm de máquinas a diesel

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Empresas criam metas para reduzir emissões, mas só 47% das grandes companhias fixaram prazo para carbono zero

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Títulos verdes ganham espaço mas Brasil ainda é o terceiro emissor desses papéis na América Latina

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Brasil precisa de R$ 249 bilhões anuais para infraestrutura sustentar a transição energética, aponta BNDES

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO