HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
08 dez 2023 - 14:05
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

O projeto de R$ 12 bi do Mubadala para biocombustível de macaúba

DUBAI – A Acelen, empresa controlada pelo fundo Mubadala Capital, de Abu Dhabi, planeja produzir 1 bilhão de litros de diesel verde e combustível sustentável de aviação por ano na Bahia, usando como matéria-prima o fruto da macaúba, uma palmeira nativa do Brasil. O investimento é estimado em R$ 12 bilhões.


A expectativa é bater o martelo sobre o investimento no primeiro semestre do ano que vem, disse ao Reset Luiz de Mendonça, o CEO da empresa. 


O projeto foi anunciado no Museu do Futuro, uma estrutura que parece um donut deformado e que em um ano e meio de funcionamento já se tornou um dos ícones da arquitetura de Dubai, onde acontece a COP28.


A ideia é construir uma biorrefinaria na mesma área onde fica a refinaria de Mataripe, na Bahia, também operada pela Acelen. O projeto de engenharia já está quase pronto.


O plano envolve ainda o plantio da macaúba em 200 mil hectares de áreas degradadas na Bahia e no norte de Minas Gerais.


As duas frentes correm em paralelo, diz Mendonça. De um lado, a companhia vai atuar no desenvolvimento da cadeia da macaúba. Um centro de tecnologia agronômica será instalado em Montes Claros (MG), junto com um banco de sementes e viveiros.


O passo seguinte é iniciar a plantação em fazendas-piloto. A Acelen quer privilegiar o pequeno agricultor, diz Mendonça, mas precisa dar o impulso inicial.


“Na minha experiência no agronegócio, quando você chega com uma cultura nova, numa região nova, tem que colocar o capital e mostrar que funciona”, afirma Mendonça. “O agricultor quer aprender com o erro dos outros.”


Em paralelo, será construída a unidade produtiva na Bahia, que vai transformar o óleo da macaúba em combustíveis renováveis. Tanto o diesel verde quanto o SAF podem substituir os equivalentes de origem fóssil sem necessidade de adaptação de motores, com apenas 20% da pegada de carbono.


“A biorrefinaria será nova, mas vou aproveitar o porto, dutos, tanques, eletricidade, vapor, manutenção, equipe experiente… Nosso investimento fica mais rápido e mais barato usando o que já temos.”


Pelo cronograma da empresa, a parte industrial começa a produzir no final de 2026 – inicialmente com óleo de soja como insumo. Como a macaúba demora cerca de cinco anos para dar frutos, o plano é fazer uma substituição gradual.


A expectativa é que a produção seja voltada ao mercado internacional. A aviação, responsável por cerca de 2% das emissões globais de gases de efeito estufa, é um setor de difícil descarbonização.


A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) estima que os vários tipos de SAF em desenvolvimento, tanto de base vegetal quando formulações sintéticas, respondam por dois terços das reduções de emissões do setor


 


Os compradores


Mendonça diz que a Acelen ainda não tem acordos fechados para a venda. “O interesse é tão grande que, se a gente quisesse, já teria [contratos]. Mercado tem um monte. Hoje estamos preocupados em assegurar a competitividade da matéria-prima.”


Comprometimentos antecipados não serão necessários para fechar o financiamento do projeto, segundo o CEO. A estrutura do capital está sendo definida, com um misto de equity e dívida.


Em setembro, a Petrobras assinou um memorando de entendimento com o Mubadala visando uma possível participação no projeto. A refinaria de Mataripe pertencia à estatal e foi privatizada em 2019.


O desenho financeiro também não inclui eventual venda de créditos de carbono nem possíveis incentivos fiscais do governo para negócios que ajudem a recuperar áreas degradadas.


“Mas tanto os créditos de carbono quanto programas oficiais serão importantes quando o projeto ganhar mais escala”, disse Oscar Fahlgren, diretor de investimentos do Mubadala Capital e responsável pelas operações do fundo no Brasil.
Com a competitividade do país na agricultura e a expectativa de crescimento do mercado de combustíveis limpos, Fahlgren afirma que o empreendimento pode vir a ter quatro fases adicionais, do mesmo tamanho. “A demanda por SAF e diesel renovável é quase ilimitada.”


 


Fonte: Capital Reset

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO