HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
07 jun 2022 - 21:23
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Mudança climática afeta a biodiversidade e os ecossistemas

Ecossistemas saudáveis e rica biodiversidade sustentam a sobrevivência humana. Eles fornecem inúmeros serviços que tornam nossa Terra um lugar habitável. No entanto, as mudanças climáticas e o aumento de eventos climáticos extremos estão impactando a natureza de forma drástica e progressiva, enfraquecendo a estrutura, o funcionamento e a resiliência dos ecossistemas. Como resultado, as contribuições da natureza para o bem-estar humano estão diminuindo, ameaçando o desenvolvimento sustentável e justo – agora e no futuro.


Os ecossistemas do mundo em terra, em água doce e no oceano fornecem uma ampla gama de serviços essenciais aos seres humanos. Eles produzem os alimentos que comemos e o oxigênio que respiramos. Eles filtram nossa água, reciclam nutrientes e ajudam a limitar o aquecimento global armazenando grandes quantidades de carbono. Além disso, resfriam o ar e oferecem espaços “verdes” ou “azuis”, como parques e lagos para diversão, aventura e relaxamento, melhorando nossa saúde e bem-estar mental. Em suma, ecossistemas saudáveis são essenciais para a sobrevivência humana e tornam nossa Terra habitável.


As mudanças climáticas – com seus eventos de início lento, como aumento do nível do mar e acidificação dos oceanos e aumentos extremos – estão afetando drástica e progressivamente a biodiversidade e os ecossistemas do nosso mundo. O aumento das temperaturas e eventos extremos, como secas, inundações e ondas de calor, estão expondo plantas e animais a condições climáticas não experimentadas há pelo menos dezenas de milhares de anos. Os aumentos observados em sua frequência e intensidade estão começando a exceder a capacidade de adaptação de muitas espécies.


Com base no aumento das observações e uma melhor compreensão dos processos, agora sabemos que a extensão e a magnitude dos impactos das mudanças climáticas na natureza são maiores do que o avaliado anteriormente. Os impactos que vemos hoje estão aparecendo muito mais rápido, são mais disruptivos e mais difundidos do que esperávamos há 20 anos. E sabemos que a mudança climática está aumentando fortemente, e até amplificando, os outros estressores: muitos dos ecossistemas do nosso mundo já estão enfrentando uma crise de biodiversidade devido a impactos humanos como desmatamento, poluição, pesca predatória e mudanças no uso da terra. Para vários ecossistemas, os impactos das mudanças climáticas são um estresse adicional e até mesmo um fardo mortal, dependendo do nível de aquecimento global.


Vemos um número crescente de estudos científicos que apresentam múltiplas linhas de evidência mostrando os impactos das mudanças climáticas. O aumento das temperaturas e os eventos extremos alteram o tempo sazonal dos principais eventos biológicos, como a floração, quando os animais emergem da hibernação ou a migração anual, causando incompatibilidades com importantes fontes sazonais de alimentos. Os exemplos incluem o momento da desova dos peixes e a proliferação de plânctons dos quais as larvas dos peixes dependem para se alimentar e a disponibilidade de insetos no momento em que as aves estão se reproduzindo.


As mudanças nas condições climáticas, incluindo o aquecimento, também deslocam progressivamente plantas e animais para latitudes mais altas, elevações mais altas ou águas oceânicas mais profundas. Aproximadamente metade dos muitos milhares de espécies estudadas em terra e no oceano já mostram respostas correspondentes, levando a extinções de populações locais causadas pelo clima e mudanças nas zonas de vegetação.


No oceano, plantas e animais marinhos, incluindo comunidades inteiras, mudaram suas distribuições em direção aos polos a uma velocidade média de 59 km por década devido ao aumento da temperatura da água. A acidificação do oceano e a diminuição do oxigênio na água também desempenham um papel. Juntos, todos os três processos causaram uma reorganização da biodiversidade nos últimos 50 anos, especialmente na superfície do oceano. As espécies que não podem se ajustar ou se mover rápido o suficiente correm alto risco de se tornarem extintas.


Como resultado, os padrões geográficos e a abundância regional e local de plantas e animais estão mudando, com impactos potencialmente graves para pastores, agricultores, pescadores, caçadores, forrageadores e outras pessoas que dependem diretamente dos serviços da natureza. Como exemplo, estima-se que o potencial sustentável para a captura de vários peixes e mariscos marinhos diminuiu 4,1% globalmente nos 70 anos entre 1930 e 2010 devido ao aquecimento dos oceanos. Regiões como o Mar do Norte e o Mar Céltico sofreram reduções ainda mais fortes na produtividade da pesca, principalmente devido ao aquecimento, mas outras atividades humanas, como a pesca excessiva, também desempenharam um papel.


Embora tenha havido alguns impactos positivos na produtividade agrícola em algumas regiões de alta latitude, com o aquecimento contínuo, as atuais áreas globais de cultivo e pecuária se tornarão cada vez mais inadequadas. Mesmo em um mundo com baixas emissões de gases de efeito estufa (aquecimento abaixo de 1,6°C até 2100), cerca de 8% das terras agrícolas atuais devem se tornar climaticamente inadequadas até 2100. Sob as mesmas condições, os pescadores nas regiões tropicais da África devem perder entre 3 a 41% do rendimento de suas pescarias até o final do século devido às extinções locais de peixes marinhos. A pesca fornece a principal fonte de proteína para cerca de um terço das pessoas que vivem na África. Apoia a subsistência de 12,3 milhões de pessoas. A diminuição das colheitas de peixes pode deixar milhões de pessoas vulneráveis à desnutrição.


Aumentos na frequência e gravidade de eventos climáticos extremos, como ondas de calor e chuvas fortes, estão ocorrendo em todos os continentes e em todos os oceanos, resultando em mortes em massa e extinções locais porque os impactos desses eventos já excedem o que muitos organismos podem tolerar. Exemplos proeminentes de espécies que estão sendo empurradas muito além de seus limites de temperatura são os corais de água quente que constroem recifes que estão morrendo. Seu declínio global mostra que não precisamos olhar para o futuro para reconhecer a urgência da ação climática.


Quanto mais frequentemente os ecossistemas são impactados por eventos extremos e quanto mais intenso o evento, mais eles são empurrados para os chamados pontos de inflexão. Além desses pontos, podem ocorrer mudanças abruptas e, em alguns casos, irreversíveis – como a extinção de espécies. Esse risco aumenta acentuadamente com o aumento da temperatura global. As projeções atuais indicam que, com um nível de aquecimento global de 2°C até 2100, até 18% de todas as espécies terrestres estarão em alto risco de extinção. Se o mundo aquecer até 4°C, cada segunda espécie de planta ou animal que conhecemos estará ameaçada.


O risco de extinção é especialmente alto para espécies amantes do frio que vivem nas altas montanhas ou nas regiões polares, onde os impactos das mudanças climáticas estão se desdobrando na velocidade e extensão máximas globais. Com o aquecimento global de cerca de 4°C até 2100 (cenário de emissões de gases de efeito estufa muito altos), espera-se que mortalidades em massa e extinções alterem irreversivelmente áreas globalmente importantes, incluindo aquelas que abrigam uma biodiversidade excepcionalmente rica, como recifes de corais tropicais e algas de água fria florestas e florestas tropicais do mundo. Mesmo em níveis mais baixos de aquecimento de 2°C ou menos, a fauna polar (incluindo peixes, pinguins, focas e ursos polares), recifes de corais tropicais e manguezais estarão sob séria ameaça.


Os impactos continuarão a aumentar, enfraquecendo a estrutura, o funcionamento e a resiliência dos ecossistemas e, portanto, os serviços que eles fornecem, incluindo sua capacidade de regular o clima do nosso mundo. Atualmente, os ecossistemas estão removendo e armazenando mais carbono da atmosfera do que emitem, portanto, naturalmente ajudando a equilibrar o aquecimento global. No entanto, a extração de madeira nas florestas naturais remanescentes; A drenagem e a queima de turfeiras e o aumento dos impactos das mudanças climáticas, como o degelo do permafrost do Ártico, estão fazendo com que alguns desses ecossistemas emitam mais carbono para a atmosfera (da decomposição de material vegetal morto) do que removem naturalmente (através do crescimento da vegetação). O degelo do permafrost do Ártico causará maior liberação de metano com mais aquecimento.


Esta e outras tendências ainda podem ser revertidas restaurando, reconstruindo e fortalecendo os ecossistemas e gerenciando-os de forma sustentável – o que também apoiará o bem-estar e a subsistência das pessoas. Para alcançar esse equilíbrio, reduções drásticas de emissões de gases de efeito estufa são necessárias agora para evitar mais aquecimento global e seus impactos mortais nos ecossistemas em todo o mundo. Pois, de fato, os humanos são apenas um dos muitos organismos vivos em nosso belo e complexo mundo.


Fonte: Ecodebate/IPCC

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
30 jun 2022

ANP aprova a realização de consulta e audiência públicas para adoção de medida preventiva em relação a estoques de diesel A S-10

+
SAIBA MAIS
30 jun 2022

ANP fará consulta e audiência públicas sobre inclusão de operação para emissão de CBIOs

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

BSBIOS e Embrapa desenvolverão cereais de inverno para produção de etanol

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

Fórum Nacional discute oportunidades para o Trigo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

Biocombustíveis serão tema de debates no Fórum Nacional do Trigo

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO