HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
07 jun 2024 - 16:05
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Medida Provisória é desastrosa para a cadeia de biodiesel e Congresso precisa devolvê-la

As primeiras estimativas do total de créditos de PIS/COFINS acumulados na indústria de biodiesel totalizam cerca de R$ 1,35 bilhão ao ano, montante que se tornará custo para o setor, representando, em média, 3,4% de acréscimo nos preços atualmente praticados.


A ABIOVE – Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais, a APROBIO - Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil e a UBRABIO – União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene, entidades representativas das usinas produtoras de biodiesel no Brasil, receberam com perplexidade a proposição colocada em forma da Medida Provisória (MP) 1.227/2024, já vigente, que traz ainda mais gravidade para os impactos negativos provocados pelas mudanças da medida. Os produtores de biodiesel fazem parte de uma longa cadeia produtiva que, em seu conjunto, representa 6% do PIB brasileiro.


O mais desastroso impacto da MP 1.227 é que ela afeta diretamente o resultado das companhias ao, da noite para o dia, gerar acúmulo de créditos não monetizáveis de PIS/COFINS. A MP traz enorme incerteza para os planos de investimento já contratados, forçando a revisão destes.


As primeiras estimativas do total de créditos de PIS/COFINS acumulados na indústria de biodiesel totalizam cerca de R$ 1,35 bilhão ao ano, montante que se tornará custo para a indústria de biodiesel, representando, em média, 3,4% dos preços atualmente praticados.


O acúmulo desses créditos desincentiva (ou afeta) investimentos na industrialização das matérias-primas para a produção de biodiesel. Se menores investimentos em industrialização ocorrerem, maiores os riscos para a indústria de biodiesel, que depende das oleaginosas, e para setor de proteína animal, que depende de farelo de soja, coproduto da produção de óleos vegetais. A medida provisória, assim, tem o potencial de destruir valor na cadeia das oleaginosas pois represa um montante de R$ 6,5 bilhões ao ano de crédito nas esmagadoras.


Importante destacar que o crédito presumido não se trata de um benefício fiscal, mas apenas um mecanismo para se evitar a cumulatividade de imposto - uma cobrança de imposto em duplicidade para a indústria, considerando que ele já é pago pelo produtor quando compra os insumos. É uma questão de justiça fiscal.


Por fim, a indústria de biodiesel está conectada à produção de óleos vegetais, setor também fortemente impactado pela nova legislação proposta.


Dado todo o exposto, ABIOVE, APROBIO e UBRABIO esperam que a Medida Provisória 1.227/2024 seja devolvida pelo Congresso Nacional.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO