HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
14 fev 2022 - 11:22
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

“Seremos o grande protagonista do mercado de carbono”, afirma ministro do Meio Ambiente em entrevista à EBC

Em entrevista ao programa Brasil em Pauta, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), no último domingo (06/02), o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, explicou o que é o mercado global de carbono e como o Brasil está se preparando para atrair os olhos de outros países nesse comércio. O bate-papo também tratou dos resultados da Conferência das Nações Unidas sobre Clima (COP26).


Para o ministro, o Brasil tem diferenciais que o colocam à frente de outros países quando o assunto é o mercado de carbono. “[Seremos] o grande protagonista desse mercado, com praticamente 20 a 25% das exportações ou das transações”, estimou Leite durante a participação no programa.


A principal qualidade brasileira, segundo o ministro, é a diversidade de produtos a serem comercializados, que vão desde créditos de vegetação nativa, de energia renovável, de redução de emissões de aterros sanitários, especialmente do metano, até atividades de agricultura e indústria de baixo carbono.


Ao explicar o mercado de carbono, Leite deu o exemplo de como uma granja de aves e suínos poderá contribuir para a redução de emissões de gases de efeito estufa, ao mesmo tempo que economiza na sua linha de produção. O metano produzido pelos resíduos dos animais, que iria para a atmosfera, pode ser purificado e se transformar em um combustível limpo. Assim, é possível substituir óleo diesel por biometano em tratores e veículos pesados.


Outro diferencial do Brasil, de acordo com Leite, é que o governo vai criar uma regra mínima para emissão de crédito de carbono no país. A ideia é que os projetos tenham contrapartidas para proteção da biodiversidade, bem como atividades de desenvolvimento de comunidades locais, gerando renda e emprego, por exemplo.


Mercado nacional


“Hoje, nós temos que nos preparar para termos uma estrutura de mercado nacional para poder atender as exigências internacionais”, pontuou o ministro. Segundo Leite, tanto o Ministério do Meio Ambiente quanto o Ministério da Economia e o Banco Central estão desenhando como vai funcionar esse tipo de comércio no Brasil.


“Estamos estruturando o mercado nacional. O mundo está estrutural o mercado global. Estamos desenhando acordos setoriais para [definir a] melhor forma para a exportação de crédito”, complementou. Atualmente, o Brasil conta com o mercado voluntário de carbono, que atende à demanda por créditos de empresas ou pessoas físicas que decidem reduzir as emissões de gases de suas atividades econômicas de forma voluntária.


“Após a criação do mercado global, o mercado voluntário [no Brasil] está bastante relevante, com alta da demanda e dos preços. Falta crédito de carbono de floresta nativa para suprir a demanda das empresas que têm interesse em compensar suas emissões e não conseguem reduzir na velocidade que todos queriam”, afirmou o ministro.


COP26


Em novembro do ano passado, o governo brasileiro participou da 26ª edição da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Glasgow, na Escócia, onde anunciou a meta de reduzir em 50% as emissões de carbono até 2030.


“A participação do Governo Federal e dos empresários durante a conferência do clima foi muito importante para mostrar um Brasil que é parte da solução desse desafio climático de redução de emissões”, disse o ministro durante a entrevista.


Ele acrescentou que o governo apresentou mais de cem casos de projetos de sustentabilidade e de economia verde durante o evento. “Não é só se comprometer, é agir. O Brasil mostrou que é um país que faz, que tem atividades sustentáveis”, ressaltou.  


Durante a entrevista ao Brasil em Pauta, Joaquim Leite também falou sobre a importância da criação da Secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais e da modalidade do programa Floresta+ chamado de Floresta+ Carbono. A iniciativa busca recompensar quem reduz emissões.


“[O objetivo é] reconhecer e remunerar a atividade de quem cuida de floresta utilizando carbono como principal indicador, indicador de desempenho de projeto”, explicou Leite. O ministro também lembrou que o presidente Jair Bolsonaro sancionou em 2021 a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais.

Fonte: MMA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
29 jun 2022

BSBIOS e Embrapa desenvolverão cereais de inverno para produção de etanol

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

Fórum Nacional discute oportunidades para o Trigo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

Biocombustíveis serão tema de debates no Fórum Nacional do Trigo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

Mapa Interativo dos Mandatos de Teor de Biocombustíveis Líquidos do Setor de Transportes no Mundo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

RenovaCalc vai incorporar o óleo de palma na rota de biodiesel

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO