HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
06 fev 2024 - 09:50
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Indústria de biodiesel elevará demanda por soja em 28%

Influenciada pela ampliação na mistura de biodiesel ao diesel para 14% (B14) a partir de março, e pelo consumo interno aquecido para o combustível, a indústria de biodiesel deve elevar em quase 28% a demanda por soja para processamento de óleo neste ano, principal matéria-prima do biocombustível.


Segundo a nova projeção da consultoria StoneX, divulgada hoje, a indústria de biodiesel deverá consumir 36,8 milhões de toneladas de soja em 2024, contra 28,8 milhões no ano passado. Com esse volume, a fabricação do biocombustível poderá alcançar o recorde de 8,9 milhões de metros cúbicos. A produção do biocombustível vai em linha com o consumo, estimado em 8,8 milhões de metros cúbicos.


Em 2023, o consumo de biodiesel cresceu 19,2%, para 7,4 milhões de metros cúbicos. A produção chegou a 7,5 milhões.


“O avanço de 2 pontos percentuais na mistura obrigatória (de biodiesel ao diesel) provocará grande impacto na demanda por matérias-primas, com destaque para o óleo de soja”, disse Leonardo Rossetti, analista sênior de inteligência de mercado da StoneX. A mistura com B12 passou a valer a partir de abril de 2023, e um novo cronograma de aumentos na mistura também foi definido no ano passado.


E mesmo com a provável quebra na colheita de soja, após problemas com seca e chuvas durante o plantio da safra 2023/24, não há temores de que falte produto para atender ao novo mandato.


 


Oferta garantida


“Por enquanto não há preocupação, o B14 é uma mistura bem viável considerando o que o Brasil produziu de soja e óleo nos últimos anos”, avaliou.


Rossetti lembrou ainda que houve excedente na produção de óleo de soja nos últimos dois anos, que levou à destinação ao mercado externo, algo que deve diminuir neste ano já que a demanda interna estará mais forte. Além disso, ele vê a safra do Brasil em um volume ainda considerado grande, apesar de não configurar um novo recorde.


A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) reduziu ontem sua estimativa para produção de soja em 2024. A entidade projetou uma safra de 156,1 milhões de toneladas, abaixo das 160,3 milhões de toneladas estimadas pela entidade no mês passado.


“O processamento da soja em grão foi mantido em 54,5 milhões de toneladas em função das expectativas de demanda pelo farelo e óleo de soja. Portanto, não há preocupação quanto ao atendimento à demanda de soja para produção do biocombustível”, disse a Abiove à Globo Rural.


 


Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO