HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 jul 2021 - 10:36
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Hidrogênio verde pode ter mercado de US$ 2,5 trilhões

O Hydrogen Council, organização global de 92 empresas líderes de energia, transporte, indústria e investimentos com sede em Bruxelas estima que até 2050 toda a energia consumida no mundo virá de hidrogênio verde. Isso significará um mercado calculado em US$ 2,5 trilhões, a metade do mercado de petróleo atual.


Os dados foram apresentados por Paulo Alvarenga, CEO da ThyssenKrupp na América do Sul, empresa que lidera no mundo a produção do hidrogênio verde feito a partir da eletrólise (para separar o hidrogênio do oxigênio que existe na água), com eletricidade obtida a partir de fontes renováveis. O hidrogênio cinza, por sua vez, é obtido através de combustíveis fósseis.


A ThyssenKrupp produz hidrogênio verde há alguns anos e tem 10 gigawatts instalados. “Por isso digo que o potencial deste mercado é gigantesco”, segue. Ele lembra que só para substituir todo o hidrogênio cinza produzido hoje no mundo (96% do mercado) pelo verde, seria preciso instalar 800 gigawatts. “Para comparar, todo o parque de energia brasileiro tem hoje cerca de 200 gigawatts”.


Estima-se que serão necessários 3.300 gigawatts de potência instalada de eletrólise para que os objetivos do Acordo de Paris possam ser atingidos.


A discussão sobre hidrogênio verde ganhou efervescência desde que a Alemanha divulgou seu plano de descarbonização da economia para 2050, em junho de 2020. Serão investidos € 9 bilhões para estimular o combustível na matriz energética alemã e tornar o país fornecedor mundial de tecnologias verdes a hidrogênio. Outros € 2 bilhões serão direcionados a parcerias internacionais com países onde o hidrogênio verde pode ser produzido com eficiência, a partir de fontes solares ou eólicas, por exemplo.


O tema foi debatido ontem durante o seminário virtual “Hidrogênio Verde: a descarbonização da Europa e o interesse do Brasil”, promovido pela Fundação Fernando Henrique Cardoso e o Consulado Geral da Alemanha.


“É uma grande oportunidade para o Brasil de desenvolvimento e de reposicionamento geopolítico no cenário global”, diz Alvarenga, que é vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha. Ele acredita que o Brasil tenha condição de estar entre os países com o custo de hidrogênio verde mais barato do mundo. Energia é o principal insumo do combustível, e a matriz brasileira é renovável, com potencial de expansão.


“O hidrogênio verde é um combustível atraente. É como se fosse um novo petróleo, sem impacto climático”, disse o especialista em energia Jerson Kelman, que dirigiu a ANA, Aneel, Light e Sabesp e é professor da Coppe-Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Kelman sugeriu que a Alemanha faça um leilão de compra de hidrogênio verde para que o setor se desenvolva no mundo, com a garantia de contratos de longo prazo. Disse que é preciso definir mais claramente “quais os tons de verde da energia elétrica que será utilizada”. O verde puro seria produzido através de usinas solares e eólicas. “Mas também é aceitável a energia solar e eólica transmitida na rede. Ou a hidráulica”.


“Mas há uma discussão que é preciso ter: os europeus podem dizer, ‘vocês não podem me vender hidrogênio com energia renovável, mas vender energia não-renovável aos brasileiros’”. Segundo o especialista, outro ponto é a preocupação com a água que entra no processo de produção do hidrogênio verde. “Para cada 1 kg de hidrogênio verde é preciso 9 litros de água. Não é algo desprezível, mas não é um problema insolúvel”.


Ansgar Pinkowski, gerente de inovação e sustentabilidade da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, lembrou que o tema está sendo discutido no mundo inteiro. “O hidrogênio oferece hoje uma oportunidade de se fazer a transição energética, de descarbonizar a economia global.” Ele adiantou que leilões de compra de hidrogênio verde estão sendo estruturados na Alemanha.


Italo Tadeu de Carvalho Freitas Filho, que foi presidente da AES Brasil e hoje é vice-presidente de novos negócios da AES na América do Sul lembrou que o custo da energia renóvável está caindo e isso torna a tecnologia da eletrólise muito mais viável.


 Fonte: Valor Econômico

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
17 set 2021

Enquanto Brasil reduz, consumo de biocombustível no mundo crescerá 8%

+
SAIBA MAIS
17 set 2021

Mudança do clima: aumento das temperaturas e redução das chuvas são observadas e projetadas no Centro-Oeste

+
SAIBA MAIS
16 set 2021

Líderes mundiais vão discutir mudanças climáticas na ONU

+
SAIBA MAIS
15 set 2021

‘Redução na mistura de biodiesel gera incerteza e preocupa o setor’

+
SAIBA MAIS
15 set 2021

A troca de 100 mil empregos por R$ 0,02

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO