HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 mai 2023 - 18:31
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Hidrogênio verde: Banco Mundial avalia captação de US$ 100 milhões para Complexo do Pecém

A concretização do hidrogênio verde no Ceará dará mais um passo no próximo dia 1º de junho, data para a qual está marcada a avaliação da proposta de uma operação de crédito de US$ 100 milhões. O valor comporá o aporte de R$ 2,2 bilhões a ser feito até 2027 e considerado necessário para a produção e exportação de H2V pelo Ceará.


De acordo com o presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecpem (Cipp), Hugo Figueirêdo, os investimentos devem beneficiar o Cipp como um todo, transcendendo os projetos ligados ao hidrogênio verde, a exemplo da Transnordestina.


O valor de R$ 2,2 bilhões inclui recursos do próprio Cipp e também das empresas do setor instaladas no Pecém, sendo R$ 1 bilhão a ser aplicado pelo Complexo. “R$ 1,2 bilhão corresponde às empresas de utilidade e aí entra energia elétrica, água de reuso, isso na infraestrutura de apoio para hidrogênio verde e amônia”, explica Figueirêdo.


MELHORIAS NO CIPP


As melhorias incluem um corredor de utilidades por onde circulam os dutos de amônia, gás natural, hidrogênio e a rede elétrica. As empresas de utilidade devem construir dutos, a tancagem dos combustíveis e o terminal para receber a produção e embarcar no Porto do Pecém. 


Dentre as obras que cabem ao Complexo, o píer 2 deve sofrer adaptações para a operação de amônia e hidrogênio verde. Além disso, uma nova subestação deve ser feita para garantir que haja energia suficiente para os eletrolisadores (usinas onde é gerado o H2V).


Figueirêdo também mencionou a necessidade de outros órgãos de financiamento, mencionando o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).  “Até porque essa operação que nós estamos vislumbrando com o Banco Mundial cobre apenas uma parte do investimento total do Cipp e certamente haverá a necessidade de outros órgãos de financiamento”.


O CAF é uma das fontes com quem estamos conversando para avaliar a possibilidade de eles financiarem não só o Cipp como as empresas que estão se instalando lá, porque o CAF tem uma operação de crédito para empresas privadas, claro que tendo em vista o desenvolvimento da região, mas há essa possibilidadeHUGO FIGUEIRÊDO
Presidente do Cipp 


LIBERAÇÃO DOS RECURSOS


Questionado sobre a liberação dos recursos, o presidente do Cipp pontuou que se trata de uma operação que precisa passar pela Assembleia e pelo Senado também, mas mencionou a expectativa para o ano que vem.


“Mas o importante é a gente estar com tudo alinhado. Estaremos com os recursos disponíveis, licenciamento ambiental, projetos de engenharia, então todo mundo andando em paralelo com as empresas e com o Porto de Roterdã também, que é um parceiro que está fazendo um investimento para receber o produto que será exportado”, diz o presidente do Cipp. 


Fonte: Diário do Nordeste

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO