HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
19 set 2023 - 10:18
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Governo conserta 'pedalada climática'

O governo revisou a “pedalada climática” da gestão Bolsonaro na nova versão dos compromissos nacionais perante a Convenção do Clima, as chamadas NDCs.


Em sua primeira reunião, o Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima (CIM) decidiu ontem que as novas metas brasileiras devem “retomar o nível de ambição apresentado em 2015, no Acordo de Paris”.


Isso significa que o Brasil reassume o compromisso de limitar suas emissões de gases de efeito estufa a 1,32 bilhão de toneladas de CO2 equivalente em 2025 e 1,2 bilhão de toneladas em 2030.


A expectativa é que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faça o anúncio oficial na semana que vem, em Nova York, onde participa da Assembleia-Geral da ONU e de eventos relacionados ao clima. 


Em paralelo, o Ministério das Relações Exteriores precisa fazer a atualização junto à UNFCCC, o órgão climático das Nações Unidas. 


O prazo se esgota em 25 setembro, para que haja tempo que o novo compromisso seja considerado na contabilidade global que será realizada durante a COP28. A conferência começa no final de novembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.


O governo anterior deu duas pedaladas nos objetivos de descarbonização brasileiros, usando medidas de intensidade de carbono em vez de números absolutos.


Na primeira delas, em 2020, as emissões totais do país ficariam em 1,79 bilhão de toneladas em 2025 e 1,62 bilhão em 2030. No ano passado, houve um pequeno ajuste, mas os números continuaram mais altos que os da NDC original: 1,61 bilhão (2025) e 1,28 bilhão (2030).


Ambas as revisões, além do desmonte da política ambiental brasileira, contribuíram com o descrédito da gestão Bolsonaro perante a comunidade internacional.


“Uma NDC precisa de legitimidade para ser implementada. A correção de agora é o primeiro passo, mas ainda não é a solução completa”, diz Natalie Unterstell, colunista do Reset e presidente do Talanoa, um centro de estudos de política climática.


Unterstell argumenta que as medidas práticas para alcançar as metas devem ser discutidas com a sociedade, “não decididas em gabinetes com as portas fechadas”.


Mercado regulado
O CIM também criou um grupo de trabalho com duração de um ano e sob responsabilidade da Fazenda para tratar do mercado
regulado de carbono.


O projeto de lei em tramitação no Congresso prevê papel central do comitê na determinação das prioridades do mercado – um dos pontos
alvos de críticas na legislação proposta.


Fonte: Capital Reset

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
29 mai 2024

Fórum Nordeste: evento discutirá sustentabilidade e transição energética no Brasil

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Maioria das emissões de CO2 nas mineradoras vêm de máquinas a diesel

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Empresas criam metas para reduzir emissões, mas só 47% das grandes companhias fixaram prazo para carbono zero

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Títulos verdes ganham espaço mas Brasil ainda é o terceiro emissor desses papéis na América Latina

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Brasil precisa de R$ 249 bilhões anuais para infraestrutura sustentar a transição energética, aponta BNDES

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO