HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
22 out 2021 - 09:15
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Governo amplia tolerância de peso em caminhões e ônibus de passageiros

Veículos de preso bruto total regulamentar igual ou menor a 50 toneladas poderão ultrapassar o limite de peso em até 12,5%


O governo federal sancionou, nesta sexta-feira (22/10), a legislação que aumenta o limite de tolerância para excesso de peso por eixo de ônibus de passageiros e caminhões de carga.


De acordo com a Lei Nº 14.229, de 21 de outubro de 2021, veículos de peso bruto total regulamentar igual ou menor a 50 toneladas poderão ultrapassar o limite de peso em até 12,5%. A legislação anterior previa limite de até 10%.


Caso o veículo ultrapasse a tolerância máxima de peso, será realizada uma fiscalização do excesso de peso por eixo. Nesses casos, serão aplicadas penalidades de forma cumulativa.


“Em relação aos veículos não adaptados ao transporte de biodiesel, mas que realizam o transporte desse produto, o texto aumenta de 5% para 7,5% a tolerância no peso bruto total ou no peso bruto total combinado. A regra vale até o sucateamento desses caminhões”, informou o governo.


No caso das vias rurais não pavimentadas, caberá ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estabelecer os requisitos mínimos para autorizar o tráfego de veículos fora dos limites de peso e dimensões.


A nova legislação também prevê que o condutor parado pela fiscalização poderá seguir viagem, mesmo que a irregularidade constatada não possa ser corrigida no local. No entanto, a medida só vale para veículos com condições mínimas para circular.


Nesses casos, a autoridade de trânsito deverá recolher o Certificado de Registro Veicular (CRV) do motorista. O condutor terá 15 dias para regularizar a situação e receber a CRV novamente. A medida não vale para veículos não registrados ou de transporte pirata.


Outras mudanças
Com a nova legislação, caminhoneiros têm até 12 meses para cobrar ao contratante a indenização sobre o vale-pedágio obrigatório. O valor deve ser de duas vezes a quantia do frete.


Além disso, as empresas proprietárias de veículos multados devem indicar o motorista infrator ao Departamento de Trânsito (Detran) dentro de 30 dias. “Caso não o faça, terá de pagar nova multa em dobro em relação ao valor daquela aplicada incialmente”, informou o governo.


A nova legislação também altera o prazo para notificações de infrações e recursos de multa junto aos órgãos de trânsito. A partir de agora, haverá contagem de 180 dias para que a organização envie a multa ao condutor. Caso haja recurso, o prazo é de 360 dias.


Fonte: Metrópoles

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
06 dez 2021

ESG: Emissão de gases, crédito de carbono e padronização de informações devem ser centro das atenções em 2022

+
SAIBA MAIS
02 dez 2021

ABPA PREVÊ MENOR OFERTA DE FARELO DE SOJA E ALTA DE PREÇOS COM DECISÃO SOBRE BIODIESEL

+
SAIBA MAIS
02 dez 2021

Indústria de biodiesel e soja do Brasil crê em reversão de mistura menor

+
SAIBA MAIS
02 dez 2021

Biocombustíveis estão caminhando para a ‘comodotização’ com plataforma de negociação

+
SAIBA MAIS
02 dez 2021

Aprobio critica CNPE após redução de mistura obrigatória de biodiesel

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO