HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
13 mar 2024 - 10:27
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Europa vê mudança climática mais rápida e não está preparada

A Europa está enfrentando riscos climáticos crescentes e não está preparada para eles, afirmou a Agência Europeia do Meio Ambiente em sua primeira avaliação de ameaças para o continente, nesta segunda-feira, 11.


A agência disse que a Europa está propensa a extremos climáticos mais frequentes e mais severos - incluindo o aumento de incêndios florestais, secas, padrões de chuva mais incomuns e inundações - e precisa enfrentá-los imediatamente para proteger sua energia, segurança alimentar, água e saúde.


Esses riscos climáticos “estão crescendo mais rapidamente do que a nossa preparação social”, disse Leena Ylä-Mononen, diretora executiva da Agência Europeia do Meio Ambiente, em um comunicado.


O relatório identificou 36 grandes riscos climáticos para o continente, como ameaças aos ecossistemas, economias, saúde e sistemas alimentares, e constatou que mais da metade exige uma ação maior agora. O relatório classificou oito deles como necessitando de atenção urgente - como a conservação dos ecossistemas, a proteção das pessoas contra o calor, a proteção das pessoas e da infraestrutura contra enchentes e incêndios florestais e a garantia de fundos de socorro para desastres.


Segundo o relatório, a Europa é o continente que mais se aquece no mundo e, desde a década de 1980, vem se aquecendo duas vezes mais rápido do que outras regiões. O calor tem sido associado a chuvas e inundações mais intensas, e o relatório prevê a diminuição das chuvas e secas mais severas no sul da Europa.


Sem uma ação urgente e decisiva, adverte o relatório, muitos dos riscos climáticos identificados podem se tornar catastróficos. Para reduzir os riscos climáticos e melhorar a adaptação ao aquecimento, o relatório recomenda que a UE e seus Estados-membros colaborem com órgãos regionais e locais.


O relatório é “um grande alerta” para o continente, disse Manon Dufour, diretor em Bruxelas do grupo de reflexão sobre o clima E3G, e pode ter implicações para a política climática em nível europeu e nacional.


No âmbito europeu, Dufour disse que o relatório poderia “abrir os olhos” dos líderes que atualmente estão mais focados em questões de segurança, já que o clima pode afetar a segurança econômica e energética.


Em nível nacional, Dufour disse que os ministros das finanças, em particular, devem ser estimulados pelo relatório “a fazer da resiliência econômica e social a principal prioridade”. Ela destacou a constatação do relatório de que as perdas econômicas decorrentes de ondas de calor e inundações podem chegar a 1 trilhão de euros por ano até o final do século.


“É claramente do nosso interesse nos adaptarmos aos riscos de mudança que não podemos mais evitar, incluindo a preparação para extremos e surpresas maiores, e evitar que os riscos fiquem ainda mais fora de controle reduzindo os gases de efeito estufa”, disse Maarten van Aalst, diretor-geral do Royal Netherlands Meteorological Institute.


Sven Harmeling, diretor de clima da Climate Action Network Europe, disse que a Europa “pode fazer mais, mesmo até 2030″, para reduzir as emissões provenientes da queima de carvão, petróleo e gás, e também pode aumentar seus investimentos na adaptação às mudanças climáticas, especialmente preservando ecossistemas como pântanos e florestas que podem absorver carbono e atuar como barreiras naturais contra condições climáticas extremas.


Ele pediu que qualquer esforço para reduzir o impacto do aquecimento “deve ser feito de uma forma que proporcione benefícios sociais e econômicos para todos”.


Silvia Pastorelli, ativista climática do Greenpeace na UE, concordou, acrescentando que o bloco deve concentrar todos os programas de resiliência, como a reforma de casas para ajudar no aquecimento no inverno e na refrigeração no verão, nas comunidades mais vulneráveis. “A justiça na resposta climática é essencial”, disse Pastorelli.


O relatório afirma que a UE e seus Estados-membros fizeram “progressos consideráveis” na compreensão de seus riscos climáticos e na preparação para eles.


Por exemplo, a Europa “tem se saído bem em relação às inundações costeiras”, de acordo com Julie Berckmans, especialista em riscos climáticos da Agência Europeia do Meio Ambiente. Ela disse que não houve inundações catastróficas por tempestades no continente em 60 anos, e que também houve algum progresso no gerenciamento dos riscos à saúde decorrentes do calor e de grandes inundações fluviais.


Mas, é preciso mais ação em todas essas áreas “porque os riscos estão aumentando rapidamente”, disse ela. Como exemplo, o estresse térmico para as populações está em níveis críticos, disse Berckmans. Uma solução, segundo ela, é que os países e as cidades possam melhorar seu planejamento espacial para se adequarem melhor ao futuro risco à saúde decorrente do calor.


A Comissão Europeia apresentará seu plano de ação na terça-feira em resposta ao relatório.


 


Fonte: Estadão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO