HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
12 jul 2023 - 21:04
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Estímulo dos EUA a biocombustível abre mercado para o Brasil

A demanda por biocombustíveis dá sinais de que seguirá firme pelos próximos anos, como uma alternativa para a transição energética. Em consequência disso, o Brasil tende a ser um dos principais beneficiários, afirma o Itaú BBA em sua primeira análise sobre biocombustíveis globais.


Segundo o banco, essa demanda pode estimular as exportações de etanol, de outros combustíveis ‘verdes’, e de grãos para produção de biocombustível pelo Brasil. Além disso, tende a valorizar os preços internacionais dos grãos.


Guilherme Bellotti, gerente de Consultoria Agro do banco, disse que, diante desse cenário, a indústria dos Estados Unidos tem tido muitos incentivos para aumentar a produção no setor, principalmente de etanol e diesel de biomassa. O etanol, por sua vez, é utilizado como insumo para a fabricação do bioquerosene de aviação, o Sustainable Aviation Fuel (SAF). Assim, segundo o analista, surge uma nova demanda que pode ser atendida com a contribuição de insumos brasileiros.


“Considerando que apenas 30% da produção esperada de SAF nos Estados Unidos em 2050 seja produzida a partir de etanol de milho, a necessidade adicional do cereal seria de 150 milhões de toneladas”, estimou.


Trata-se de um salto grande, visto que, para 2030, a projeção de consumo dos EUA para essa finalidade é de 13 milhões de toneladas. “Acho que isso abre mais um driver (motivador) de demanda por produtos agrícolas”, acrescentou.

Segundo Pedro Simionato, analista de commodities na área de biocombustíveis do Itaú BBA, o SAF pode ser produzido com etanol, óleos e gorduras vegetais, embora os EUA tenham projetos de plantas que visam a fabricação do produto apenas a partir do etanol.


Isso porque os óleos e gorduras também são matéria-prima do diesel de biomassa (biodiesel) — utilizado na mistura com o diesel convencional — e do diesel verde, que pode substituir o combustível fóssil.


“Com o aumento de produção de diesel verde nos EUA, adotamos como premissa que o mesmo material que é usado para o biodiesel vai continuar sendo usado para o diesel verde”, estimou Bellotti. O óleo de soja, por exemplo, representa cerca de 48% da matéria-prima do diesel de biomassa nos EUA, conforme dados da Agência Internacional de Energia (IEA).


Considerando o horizonte entre 2022 e 2027, o Itaú BBA estima que o consumo americano de soja para diesel de biomassa deve aumentar cerca de 17,6 milhões de toneladas, passando para 45,3 milhões de toneladas.


Se esse aumento da demanda por soja pela indústria dos EUA se concretizar será necessário ampliar a área plantada, que precisaria crescer em torno de 4,6 milhões de hectares para adicionar um volume de 17,6 milhões de toneladas da oleaginosa, segundo a estimativa.


“Isso pode parecer pouco, mas é relevante ter no radar que o espaço para a expansão de novas área agrícolas nos Estados Unidos é limitado, o que sugere que provavelmente áreas de outras culturas teriam que ser cedidas para a soja”, disse Bellotti.


Mas o avanço do plantio sobre outras culturas depende de uma valorização dos preços da soja. “E é aí que se abre um espaço para condições atrativas de produção em outros países como o Brasil. Temos áreas de pastagens degradadas e tecnologia que permitem aumento de produção”, observou o analista.

Além disso, uma eventual redução do excedente exportável americano de soja para atender a demanda local da indústria de biocombustíveis poderia colocar pressão no fluxo comercial internacional dos produtos.


“Isso também tenderia a influenciar positivamente os preços para estimular o avanço da oferta em outras origens”, avaliaram os especialistas do banco.
Para Simionato, mesmo que esse movimento aconteça de forma paulatina e gradual, a expectativa é que o Brasil se beneficie tanto como exportador de produtos agrícolas, quanto como fornecedor de biocombustíveis aos EUA de maneira mais plena.


Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO