HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
14 dez 2021 - 09:07
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Entenda o que é o mercado de carbono

Empresas que emitem gases nocivos podem adquirir títulos verdes em compensação. Árvores sequestram o carbono da atmosfera


Empresas que emitem gases nocivos à atmosfera podem compensar a sua poluição adquirindo títulos verdes, gerando, assim, créditos de carbono. Essa negociação é feita no chamado mercado de carbono. O dinheiro usado nessa troca vai para a conservação de florestas públicas ou privadas.


O excesso de gases nocivos na atmosfera é uma das causas do aquecimento global. As plantas em crescimento retiram o carbono da atmosfera, reduzindo, assim, o impacto de indústrias, agricultura, carros e famílias.
Na atmosfera, cada molécula de carbono está grudada a duas moléculas de oxigênio, formando o CO2. É com ele que a árvore faz a fotossíntese para se alimentar.


Enquanto ela cresce, o oxigênio é liberado e o carbono é armazenado na madeira. Nos termos ambientais, esse processo é chamado de sequestro de carbono.
 
As árvores mais preservadas e maiores são as que mais contribuem com essa atividade e, por isso, as áreas conservadas podem valer mais quando são disponibilizadas neste mercado.
 


Em busca do carbono neutro
 
No município de Extrema, divisa de São Paulo com o sul de Minas Gerais, há uma legislação que visa combater as mudanças climáticas. Um dos objetivos é chegar a 2030 com as emissões de gás do efeito estufa neutro, ou seja, as emissões da população seriam compensadas.
 


O município, hoje, neutraliza 30% das emissões.
 
Usando o dinheiro de impostos, patrocínios de ONGs nacionais e internacionais e empresas privadas, 2 milhões de mudas foram plantadas na cidade, reconstituindo cerca de 1.500 hectares.
Chega a 150 o número de empresas baseadas em Extrema que assinaram contratos para compensar impactos ambientais. Uma dessas organizações é a fábrica de chocolates Kopenhagen.
A bióloga Franciane Almeida, especialista em desenvolvimento sustentável, conta que a fábrica já praticava a destinação de resíduos e possui o índice de reciclagem de 95% efluentes tratados em um reator biológico e decompostos por bactérias, devolvendo água para reuso e irrigação.
 
O próximo passo, agora, é compensar as emissões.


Fonte: G1

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
26 jan 2022

BSBIOS Paraguay assina memorando de entendimento com a Copetrol para investimento no projeto Omega Green

+
SAIBA MAIS
26 jan 2022

Quando o crédito de carbono cai na sua conta

+
SAIBA MAIS
24 jan 2022

Líder em biodiesel, BSBios congela investimentos com retorno ao B10

+
SAIBA MAIS
24 jan 2022

A negociação de créditos de carbono dispara – e o Brasil tem muito a ganhar com a retomada

+
SAIBA MAIS
20 jan 2022

Biodiesel: Produtores contestam cálculo do MME sobre economia com B10

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO