HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
11 set 2023 - 11:54
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Empresas aéreas querem incentivos a novo combustível a exemplo do que foi adotado pelo governo dos Estados Unidos

Um dos principais atores nas discussões em torno do projeto de lei do “combustível do futuro”, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) pediu ao governo federal incentivos financeiros diretos e tributários para que o setor adote o combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês) e, assim, possa zerar as emissões líquidas de carbono até 2050. A entidade também defende que o programa “combustível do futuro” traga segurança jurídica para garantir a produção de SAF em larga escala e a “um preço competitivo e sem aumento de custos para as empresas”.


A proposta do projeto de lei do “combustível do futuro” é um dos focos legislativos do governo federal neste segundo semestre, e integra o Plano de Transformação Ecológica (PTE). Além de regras para captura e estocagem de carbono, o texto estabelecerá metas para a mistura do etanol na gasolina – que tende a crescer até 30% – e vai regulamentar o mercado de SAF. Todas as medidas são voltadas a reduzir a emissão de carbono no País.


De acordo com a Abear, que representa a Gol e a Latam, entre outras companhias da indústria da aviação, os incentivos financeiros seriam destinados à pesquisa, à produção e ao consumo do SAF. A Abear também sugeriu que a carga tributária sobre o SAF seja zerada na etapa inicial da transição do combustível fóssil para o sustentável.


Referência


Os Estados Unidos já adotaram medidas semelhantes às sugeridas pela Abear. Lá, o governo estabeleceu um subsídio de US$ 1,25 por galão de SAF se o combustível reduzir a emissão de gases de efeito estufa em pelo menos 50%.


O SAF é um biocombustível que pode ser produzido a partir de óleos vegetais (de cana-de-açúcar, milho ou palma, por exemplo), gorduras animais (como sebo bovino) e até óleo de cozinha usado. Ele pode emitir de 60% a 80% menos carbono do que a querosene de aviação (QAV).


O Brasil é considerado um dos países que podem se beneficiar com o aumento da adoção de biocombustíveis em todo o mundo em razão da necessidade de descarbonizar a economia e, assim, limitar o aquecimento global. Isso porque o País já tem expertise na área com o desenvolvimento do etanol, além de dispor de grande oferta de matéria-prima, como resíduos de cana-de-açúcar. O País, porém, não produz o SAF. Empresas que atuam na área afirmam que o marco regulatório é chave para destravar os investimentos no novo combustível.


Custos


“Hoje, o mercado não tem instrumentos que tragam regulação, classificação do novo combustível, garantias e incentivos. Esses instrumentos são necessários para estimular os investimentos para a produção de SAF”, diz a presidente da Abear, Jurema Monteiro.


Embora apoie a adoção do SAF, o setor aéreo teme um aumento de custos. Como ainda é produzido sem escala, o combustível é caro. Segundo cálculos da consultoria Agroicone, o preço de produção do SAF pode ser o dobro ou o triplo do valo do querosene tradicional. Essa diferença varia de acordo com a cotação do petróleo.


A presidente da Abear afirma que as companhias aéreas já têm arcado com parte do custo da descarbonização do setor ao trocar aviões antigos por novos, menos poluentes e também mais econômicos. “O setor absorve custos, mas o usuário também sente o impacto. Por isso, é importante que haja regulamentação, para evitar o aumento excessivo de custos (ao consumidor).”


Fonte: O Sul

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO