HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
14 nov 2023 - 09:49
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Demanda da indústria de biodiesel por óleo de cozinha usado dispara

O que parece apenas um resíduo de uso doméstico tornou-se um negócio em ascensão, com potencial de gerar benefícios ao meio ambiente. A busca da indústria de biodiesel por óleo de cozinha usado para produção do biocombustível está cada vez maior e tem impulsionado os preços do insumo.
 
Neste ano, a produção de biodiesel do Brasil pode marcar um novo recorde de 7,6 bilhões de litros. O desempenho estimado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) se deve ao aumento na mistura obrigatória de biodiesel ao diesel, que passou de 10% (B10) para 12% (B12). O governo federal prevê a elevação gradativa desse percentual e já estuda a chegada do B20 ao mercado.


“O aumento na mistura gera uma reação em cadeia, esse é um dos fatores fundamentais. Aumenta o volume do biodiesel e com isso aumenta a demanda por matéria-prima”, disse à reportagem o coordenador de Sustentabilidade da Cargill, Marcio Barela.
 
A principal matéria-prima do biodiesel ainda é o óleo de soja, mas foi justamente o fato de o óleo de cozinha usado ser uma alternativa mais competitiva que o tornou atraente.
 
Demanda da indústria de biodiesel por óleo de cozinha usado dispara

E o reflexo já apareceu nos preços. Na última semana, o óleo de cozinha usado foi comercializado em São Paulo para a indústria por cerca de R$ 5 mil por tonelada, enquanto o óleo de soja alcançou o preço médio de R$ 5,1 mil. “Há alguns meses, essa diferença era de R$ 150, agora baixou para R$ 100”, disse Alexandre Melo, especialista em Biodiesel e Insumos da Argus.


Segundo Melo, o óleo de cozinha normalmente é um insumo mais barato do que o óleo de soja, o sebo bovino e outras matérias-primas que também são utilizadas para o biodiesel.
Há ainda a questão ambiental como mais um atrativo. “As principais indústrias hoje têm um programa de coleta de óleo de cozinha. Isso acaba sendo algo que se inclui entre as metas ESG [relativas às boas práticas ambientais, sociais e de governança]”, ele acrescentou. 


Demanda por óleo em alta
 
Seja pela conscientização da população que está reciclando o óleo, pela monetização dos restaurantes que vendem o óleo usado, pelo avanço da logística de coleta, ou pela atuação das empresas do setor, o uso de óleo de cozinha como matéria-prima do biodiesel disparou nos últimos anos.


Entre 2012 e 2022, a produção de biodiesel a partir de óleo de fritura usado saiu de 17,83 milhões de litros para 148,37 milhões, conforme levantamento da Abiove com base em dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), um salto de mais de 700%. A participação do insumo ainda representa 2% como matéria-prima, mas foi uma das que mais cresceram em 10 anos.


“Este aumento na utilização deve estar mais vinculado ao valor do que à conscientização da sociedade”, afirmou o executivo da Cargill. “Hoje, cerca de 30% do óleo de cozinha usado vem da população”, estimou Barela. O restante é proveniente de estabelecimentos, como os restaurantes.

Segundo ele, a conscientização dos adultos é o principal desafio. Por isso uma das estratégias do programa Ação Renove o Meio Ambiente, promovido pela Cargill desde 2010, é incentivar a coleta de óleo usado nas escolas, onde estudantes e familiares podem entregar o resíduo. Há também pontos de coleta em supermercados, shoppings, empresas, ONGs e até porta a porta.


A coordenadora de Sustentabilidade da Abiove, Aline Lazzarotto, disse que programas como os da Cargill contribuíram para que, em 10 anos, houvesse um aumento de 14% no número de pontos de entrega disponíveis para a população, até 2022.

“As associadas fazem os programas, e uma empresa homologada fica responsável pela coleta do óleo que foi entregue nos pontos. Essas empresas podem também fazer a filtragem e até os resíduos do óleo usado têm destinação, tudo é aproveitado. Há informalidade como em outros setores, mas é um mercado que pode crescer muito”, afirmou ela.

Na avaliação de Melo, da Argus, a demanda tem espaço para crescer, mas a oferta de óleo de cozinha usado pode não avançar na mesma velocidade. A razão é que isso depende da conscientização da sociedade para a reciclagem do óleo e também da disseminação da coleta, hoje concentrada no Sudeste, para outras regiões do país.

Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
29 mai 2024

Fórum Nordeste: evento discutirá sustentabilidade e transição energética no Brasil

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Maioria das emissões de CO2 nas mineradoras vêm de máquinas a diesel

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Empresas criam metas para reduzir emissões, mas só 47% das grandes companhias fixaram prazo para carbono zero

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Títulos verdes ganham espaço mas Brasil ainda é o terceiro emissor desses papéis na América Latina

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Brasil precisa de R$ 249 bilhões anuais para infraestrutura sustentar a transição energética, aponta BNDES

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO