HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
31 jan 2024 - 17:48
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Decreto permite fomento à agricultura familiar para obter Selo Biocombustível Social

O governo federal publicou nesta quarta-feira (31/01) o decreto que reestrutura o programa do Selo Biocombustível Social, chancela conferida às indústrias que adquirem produtos da agricultura familiar, como a soja, para a produção de biodiesel.


As alterações haviam sido apresentadas há três semanas, em Brasília, pelos ministros do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, e de Minas e Energia, Alexandre Silveira. O principal objetivo é fomentar a agricultura familiar do Norte e Nordeste do país em uma estratégia de "nacionalizar" o programa.


Uma das principais alterações no programa é a permissão para que as empresas produtoras de biodiesel cumpram as regras para concessão e manutenção do selo a partir da aplicação de recursos para o fomento da agricultura familiar no Norte, Nordeste e semiárido brasileiro. Antes, isso só era feito apenas a partir da comprovação de aquisição direta de matéria-prima para processamento do biocombustível.


A leitura do setor produtivo de biodiesel é que a medida vai facilitar estímulo aos agricultores familiares do Norte e Nordeste, sem vincular a compra de produtos dessas regiões para o processamento e geração do biocombustível. Com a abertura, as usinas poderão aplicar recursos em projetos de assistência técnica, por exemplo, ou comprar outros itens produzidos nas regiões para ajudar a desenvolver o segmento.


O novo decreto estipula que o Ministério do Desenvolvimento Agrário pode definir os percentuais obrigatórios de aquisição e fomento que deverão ser destinados aos pequenos produtores das regiões Norte, Nordeste e semiárido.


Uma portaria do ano passado já fixou que a partir deste ano, 10% dos valores efetivos aplicados em fomento e aquisições pelas usinas de biodiesel no âmbito do Selo Biocombustível Social deverão ser destinados para agricultores familiares dessas regiões, que incluem o Vale do Jequitinhonha, no norte de Minas Gerais. O percentual passará para 15% em 2025 e para 20% em 2026.


Atualmente, cerca de 5% dos 54 mil agricultores familiares atendidos pelo programa são dessas regiões - a maioria dos beneficiários está no Sul do país. A intenção é incluir outros 14 mil nos próximos anos e totalizar 70 mil beneficiários.


O decreto também passa atribuições para condução da política do Ministério da Agricultura para o Ministério do Desenvolvimento Agrário.


Empresas detentoras do Selo Biocombustível Social têm redução de Pis/Pasep e Cofins em suas transações.


 


Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO