HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
19 set 2023 - 10:01
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Custo da transição energética deve ser democratizado, diz ministro brasileiro

"O custo da transição (energética) e da salvaguarda do planeta deve ser, neste momento, democratizado no mundo", afirmou no domingo (17) em Nova York o ministro de Minas e Energias do Brasil, Alexandre Silveira, na véspera da abertura da Assembleia Geral da ONU.


Durante a semana, mais de 140 chefes de Estado e de Governo do planeta se reunirão na sede das Nações Unidas, incluindo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para discutir, entre  outros temas, políticas urgentes contra a mudança climática.


Em entrevista à AFP, Silveira, que apresentou no domingo o Plano Nacional de Transição Energética justa e inclusiva do Brasil na ONU, em uma reunião para estimular os Objetivos de  Desenvolvimento Sustentável (ODS), questionou se existe "verdadeira disposição dos países ricos e desenvolvidos em pagar a dívida com os mais penalizados ao longo da história.


Neste sentido, o ministro exigiu que as nações desenvolvidas que levem a série a transição energética "e crime oportunidades" para os países em desenvolvimento.


Silveira destacou que o Brasil pretende participar na transição energética mundial de "forma muito vigorosa". Mas destacou que esta deve ser "justa e inclusiva", totalmente alinhada com os ODS.


Prioridade aos biocombustíveis
O ministro destacou a importância dos biocombustíveis para o país. "Os biocombustíveis são para o Brasil como o petróleo para a Arábia Saudita e os países do Oriente Médio. Ou seja, são a nossa grande prioridade", disse em uma entrevista na embaixada brasileira na ONU.


Mas isto não significa que o Brasil vai deixar o petróleo de lado imediatamente, como exigiram no domingo em Nova York milhares de pessoas em uma passeata pacífica para pedir o fim do uso dos combustíveis fósseis, muito poluentes e que são os principais responsáveis pelo aquecimento global.


O governo Lula anunciou recentemente o plano de investir 335 bilhões de reais no setor de petróleo e gás nos próximos anos, o que provocou críticas dos ambientalistas, líderes indígenas e da população que pode ser afetada.


Transição -
O ministro afirmou que não há contradição no fato de o Brasil e o planeta continuarem dependentes do petróleo e do gás, apesar de as energias limpas e renováveis atingirem 88% da  sua matriz energética.


O petróleo produzido no Brasil gera "recursos que são utilizados inclusive para financiar saúde e educação" através do Fundo Social. Mas os" números mostram que teremos uma queda  na produção de petróleo a partir de 2027", acrescentou.


"Ninguém no mundo consegue precisar em quanto tempo se dará" a transição energética, afirmou Silveira. "Eu volto a dizer, eu volto a insistir na palavra transição. Transição energética  não é mudança energética", acrescentou após o anúncio do governo Lula de prosseguir com a exploração de petróleo perto da foz do rio Amazonas.


"Nós queremos fazer isso de forma ambientalmente correta. Nunca se discutiu não cumprir com todas as condicionantes ambientais necessárias e assim pesquisar a região com o mais  irrestrito respeito ambiental. Mas não podemos abrir mão de nossa soberania, de conhecer as nossas potencialidades minerais", disse.


Além do petróleo, o ministro afirmou que o país vai precisar de cobre e lítio durante a transição energética.


Equilíbrio -
"Vamos precisar buscar o equilíbrio entre desenvolvimento econômico com frutos sociais para combater a miséria, desigualdade, gerar oportunidades e sustentabilidade", afirmou Silveira.


"Nós temos que convergir em políticas públicas que sejam adequadas do ponto de vista ambiental, mas que não percam de vista as nossas necessidades imediatas".


O país acaba de lançar o maior programa de descarbonização da Amazônia brasileira, onde vivem 25 milhões de pessoas, que consiste em migrar "180 sistemas isolados" da rede de  energia nacional e dependentes de combustíveis fósseis para fontes mais amigáveis ao meio ambiente, recordou o ministro.


Silveira voltou a prometer que o governo será "intransigente" no combate mais severo ao desmatamento ilegal


Fonte: UOL | AFP

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO