HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
18 jun 2020 - 08:00
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Crise abre oportunidade para fim dos subsídios aos combustíveis fósseis

Um dos efeitos econômicos da pandemia foi a queda brutal na arrecadação, resultado do desaquecimento das economias nacionais. Para compensar a perda fiscal, e aproveitar a queda nos preços da eletricidade e dos combustíveis fósseis, muitos governos estão recorrendo a uma solução muito bem-vinda: o corte de subsídios oficiais para os setores de energia.


Uma matéria do The New York Times mostra que mesmo os países produtores de petróleo, como Venezuela e Emirados Árabes Unidos, buscam reduzir a perda na arrecadação com o fim de subsídios aos combustíveis fósseis, ou até mesmo com a imposição de novos impostos sobre estes combustíveis. Em termos climáticos, essas medidas são tidas como fundamentais para viabilizar a transição das economias para uma base energética mais eficiente e limpa.


Mas no caso de países mais pobres e emergentes, essa solução parece ser pontual e com prazo de validade. Em economias com serviços sociais frágeis e sistemas tributários defasados e complexos, os subsídios acabam sendo uma saída fácil para que parcelas importantes de suas sociedades tenham acesso à eletricidade e aos combustíveis fósseis. Por isso, teme-se que esses governos voltem a aplicar subsídios quando os preços nos mercados de energia voltarem a subir.


Para o setor fóssil como um todo, a queda nos subsídios é apenas mais um fator em um cenário cada vez mais desafiador para as empresas. Como o jornal Financial Times afirma em seu editorial, a indústria fóssil enfrenta “um futuro cada vez mais incerto à medida em que a mudança do clima ganha destaque na consciência pública”. A queda brutal na demanda por combustíveis causada pela pandemia tem servido como ponto de partida para que muitas empresas do setor pensem em um futuro distante das fontes fósseis e mais próximo da energia limpa. A recuperação pós-pandemia promete ser lenta e atribulada para as petrolíferas, que estão sendo forçadas a rever investimentos, recalcular expectativas de ganho de longo prazo e acelerar planos de transição para o baixo carbono, conforme assinala Megan Darby no Climate Home.


Fonte: climainfo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
06 jul 2020

Soja: Brasil pode colher até 166 milhões de toneladas em 2028/2029, diz Fiesp

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Balanço de maio e junho reforça compromissos de produção e entrega do setor de biodiesel

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Em live, Bento Albuquerque afirma que Brasil está pronto para a retomada

+
SAIBA MAIS
02 jul 2020

AQUECIMENTO GLOBAL INTERROMPEU 6,5 MIL ANOS DE RESFRIAMENTO, REVELA ESTUDO

+
SAIBA MAIS
30 jun 2020

Seminário aponta que novo acordo verde é caminho para superar a crise

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO