HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 jan 2024 - 15:03
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Como a produção de biodiesel e soja promete baixar os preços das carnes nos EUA

Após anos de surpresas desagradáveis nos preços das carnes nas prateleiras, os americanos devem ver uma queda nos preços da carne graças a um aliado improvável: a emergente indústria de combustíveis renováveis.


O processamento das vastas quantidades de soja necessárias para produzir combustível à base de plantas e o diesel necessários para reduzir as emissões nos EUA também criará montanhas de farelo de soja, amplamente utilizado na ração animal. Quanto mais barato for para os frigoríficos alimentarem seus animais, mais carne eles produzirão, resultando em preços mais baixos no supermercado.


“O farelo será precificado para desaparecer e ser dispensado logo”, disse Gordon Denny, consultor agrícola e ex-diretor de compras da gigante agrícola Bunge Global SA. Como resultado, “a proteína em todas as formas ficará um pouco menos cara”.


Sem dúvida, levará meses ou até anos para que as economias de custos percorram toda a cadeia de suprimentos. Ainda assim, qualquer redução nos custos da carne trará alívio bem-vindo para os lares fatigados pela inflação. Embora o índice de preços ao consumidor para bens essenciais, que exclui energia e alimentos, tenha terminado 2023 no ritmo mais fraco em mais de dois anos, os preços de alguns itens básicos de supermercado têm sido resistentes.


A inflação da carne tem sido particularmente teimosa. Os preços do peito de frango no varejo, que eram em média menos de US$ 3 por libra em março de 2020, dispararam para US$ 4,75 por libra em setembro de 2022.


Os preços caíram um pouco desde então, mas ainda estão elevados, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA. Com os americanos consumindo cerca de 100 libras de frango por ano, os aumentos de preço são difíceis de ignorar.


Consumidores de baixa renda têm mais probabilidade de trocar por opções mais baratas ou desistir de carnes caras em comparação com os alimentos em geral, disse Sofia Baig, economista da empresa de pesquisa de mercado Morning Consult.


É claro que os preços da carne também são influenciados por vários outros fatores, incluindo a disponibilidade de milho - o outro componente-chave da ração - bem como mão de obra, interrupções logísticas, surtos de doenças animais e demanda do consumidor. Mais da metade do custo da carne na prateleira do supermercado ocorre após o animal ter deixado a fazenda, disse Chad Hart, professor de economia da Universidade Estadual de Iowa.


Empresas como Archer-Daniels-Midland e Bunge estão correndo para expandir a capacidade de processamento de soja, mas algumas fábricas levarão anos para atingir plena capacidade. Mesmo quando o aumento na oferta de farelo chegar ao mercado, os custos mais baixos de alimentação não se traduzirão imediatamente em contas de supermercado menores.


“Ainda vai demorar um pouco para eles incorporarem isso ao custo dos produtos que o consumidor vê ou até mesmo ao canal atacadista”, disse Brian Earnest, analista líder da indústria de proteínas no CoBank. Quando os preços mais baixos começarem a aparecer, provavelmente virão na forma de promoções, como ofertas “compre um, leve outro”. “Essa atividade promocional vai aumentar este ano.”


Os menores custos de insumos também serão boas notícias para os frigoríficos, que viram uma queda acentuada em suas margens. Embora muitas empresas de carne tenham obtido lucros durante a pandemia, à medida que os americanos que trabalham em casa compraram mais alimentos, o setor tem sido atingido por um excesso de oferta e altos custos de ração.


A gigante da carne dos EUA, Tyson Foods, registrou vários trimestres de margens operacionais negativas tanto para suas divisões de carne suína quanto de frango e anunciou no ano passado o fechamento de várias plantas de frango para conter os custos. As investigações federais sobre fixação de preços e práticas trabalhistas na ampla indústria de frangos dos EUA apenas adicionaram às dores de cabeça do setor.


A indústria de frangos de corte poderá capitalizar sobre os menores custos de alimentação antes da suinocultura, dada a produção mais curta. Os preços da carne bovina provavelmente não serão impactados diretamente, uma vez que os bovinos geralmente não são alimentados com farelo de soja, embora preços mais baixos para frango e porco eventualmente possam reduzir os preços da carne bovina também, devido à concorrência entre as carnes.


Os custos de alimentação, incluindo farelo de soja e milho, representam cerca de 60% do custo de criação de aves e suínos. Ao contrário da produção de etanol a partir de milho, que deixa muito menos farelo como subproduto, o processamento de soja cria quatro toneladas de farelo para cada tonelada de óleo. E o país precisará de muito desse óleo. A S&P Global prevê que a demanda doméstica por diesel renovável atingirá 4 bilhões de galões em 2030, ante cerca de 2,7 bilhões no ano passado.


Como resultado, os EUA terão cerca de 30% a mais de capacidade de produção de farelo de soja em 2026 em comparação com os níveis de 2022, “o que é bastante pessimista para o preço do farelo de soja”, disse o analista da Stephens, Ben Bienvenu. Contratos futuros mais baratos indicam que os preços do farelo devem cair até pelo menos 2027.


“Os refinadores vão correr atrás do óleo, e haverá esse farelo derivado”, disse Hans Kabat, que comanda o negócio de proteínas da América do Norte da Cargill, a co-proprietária do terceiro maior produtor de aves dos EUA. “Isso é um vento a favor para a indústria de proteínas.”


Alguma parte desse farelo extra de soja também será consumida no exterior, assim como qualquer excedente de carne produzida, à medida que as empresas aproveitam os menores custos de alimentação para aumentar a produção.


“Vamos expandir nossa indústria de carne suína e de aves, e é isso que vamos exportar”, disse Gregg Doud, ex-negociador-chefe de agricultura no Gabinete do Representante Comercial dos EUA durante a administração de Donald Trump. “Estamos subindo nas cadeias de valor.”


 


Fonte: Bloomberg Línea

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO