HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
29 mai 2023 - 18:58
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Brasil vende 1º lote de soja 100% medida para carbono e desmatamento

Em meio à pressão europeia por zero desmatamento em produtos agropecuários, o Brasil, que tem no continente seu segundo principal cliente no segmento, realizou, nesta semana, a primeira comercialização de soja 100% rastreável e com pegada de carbono mensurada e livre de desmatamento tanto ilegal quanto legal – um dos pontos de maior atrito entre o setor sobre as novas exigências europeias prestes a entrarem em vigor.


O protocolo, desenvolvido pela Bayer, ADM e outros 91 parceiros. Mapeou 159 mil hectares de dez produtores de cinco municípios mato-grossenses elegíveis – ou seja, em conformidade com os padrões internacionais de rastreabilidade. “Não há projeto de carbono em área desmatada com menos de dez anos. Claro que o Código Florestal vai ser visto, mas para gerar o ativo de carbono é importante que a gente respeite esse aspecto de elegibilidade”, ressalta o diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina, Fábio Passos.
Ao todo, o protocolo permitiu certificar 240 mil toneladas de soja produzidas nos biomas Cerrado e Amazônia com uma pegada média de 0,861 tonelada de carbono por tonelada de grão colhido. Para tal resultado, o cálculo usou como base o GHG Protocol e a Análise de Ciclo de Vida da soja e demais insumos e serviços relacionados a sua produção para garantir, também, uma origem livre de desmatamento, sobreposição com unidades de conservação, terras indígenas e conformidade com a legislação trabalhista.


Os dados são coletados de forma automática de máquinas e implementos que possuem telemetria, mas também são inseridos diretamente pelo produtor em uma plataforma auditável. Para isso, ele precisa comprovar as informações por meio de documentação e registros como nota fiscais que serão posteriormente analisadas a fim de garantir a integridade do sistema, todo baseado em blockchain. Isso significa que, uma vez inseridos, esses registros não poderão mais ser alterados.


“Imagino que é uma medida para separar o ‘joio do trigo’, separar aquele produtor que tem baixa produtividade, mão de obra não tão adequada, não dando o tratamento para seus funcionários, de solo que precisa”, avalia Eraí Maggi Scheffer, proprietário do Grupo Bom Futuro e um dos dez produtores a partir da fase piloto do projeto encabeçado pela Bayer.


Na opinião dele, a exigência do mercado internacional por mais sustentabilidade “não é tão ruim como se imagina”. “Tem o lado bom disso. O produtor também vai estar dentro de uma tecnologia de maior produtividade, ele vai ter mais remuneração também”, completa o produtor.


A mensuração da pegada de carbono também é feita de forma automática a partir de uma calculadora semelhante a utilizada pelo Renovabio. Quando considerados apenas os talhões em que foram implementadas melhorias nas práticas de manejo, a calculadora apresentou uma queda adicional de 24% na pegada de carbono da soja analisada, para 0,66 tonelada de carbono por tonelada de grão produzido.


A perspectiva, segundo Passos, é ampliar o sistema para culturas como milho e cana, além de incluir no cálculo também o sequestro de carbono dessas lavouras. Isso permitirá atestar não apenas a pegada, mas também o balanço de emissões para, assim, a inserção da cadeia sojicultora e outras no mercado de crédito de carbono.
 
“Claramente já é muito bom o que temos como agricultura, mas ainda tem, dentro das variações da fazenda, oportunidades. Esse é para nós o ponto importante: gerar o dado para intervir onde faz sentido”, completa o diretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina.

Fonte: Globo Rural

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
29 mai 2024

Fórum Nordeste: evento discutirá sustentabilidade e transição energética no Brasil

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Maioria das emissões de CO2 nas mineradoras vêm de máquinas a diesel

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Empresas criam metas para reduzir emissões, mas só 47% das grandes companhias fixaram prazo para carbono zero

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Títulos verdes ganham espaço mas Brasil ainda é o terceiro emissor desses papéis na América Latina

+
SAIBA MAIS
29 mai 2024

Brasil precisa de R$ 249 bilhões anuais para infraestrutura sustentar a transição energética, aponta BNDES

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO