HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
10 mai 2022 - 07:35
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Brasil não pode perder corrida por mercado de carbono

O Brasil tem potencial para se tornar um dos maiores negociadores do mercado de carbono e precisa viabilizar esse ambiente o mais rápido possível, avaliaram especialistas e CEOs  presentes no Brazil Summit 2022, organizado pelo “Financial Times”, com parceria de mídia do Valor. "Não temos mais tempo e a hora é agora", disse o presidente do BNDES, Gustavo  Montezano.


Segundo ele, o mercado de carbono será uma vantagem competitiva para as empresas no país. “Um mercado de carbono regulado, transparente e mensurável é uma vantagem  competitiva para as companhias no Brasil.”


Conforme o executivo, ainda faltam resolver pontos importantes como padronização, sistemas de medição de impactos e outras questões. “Quanto mais conseguirmos medir [os  impactos] mais negociável serão [os créditos de carbono gerados pelos setores].”


O presidente do BNDES vê a instituição em uma posição importante na viabilização desse ambiente: “O banco pode atuar como um indutor desse mercado”. O CEO da Suzano, Walter  Schalka, ponderou que achar uma forma de financiar a descarbonização das economias globalmente é um fator crítico. “O setor financeiro não vai fazer isso sem um incentivo e a única  maneira é ter um mercado de carbono regulado."


Conforme Schalka, o Brasil tem um conjunto sem igual de ativos naturais e possibilidade de realizar o chamado sequestro de carbono, ou seja, processos para excluir gás carbônico da  atmosfera e transformá-lo em oxigênio. “Temos milhões de hectares de floresta protegidas que poderiam ser classificadas como florestas nativas a fim de aumentar o sequestro de  carbono.”


O país ainda pode investir na regeneração de áreas degradadas. “O Brasil tem uma grande oportunidade de usar isso como base para o crescimento”, disse Schalka. No mercado de  carbono, os países podem negociar o que realizaram a mais em termos de descarbonização como créditos para empresas e outras economias poderem usar para atingir metas  definidas nos acordos sobre mudanças climáticas.


“Acho que temos uma grande oportunidade, porque é muito simples. Precisamos reduzir nossas emissões no mundo. Não é uma competição, temos um bilhão de pessoas que precisam enfrentar as mudanças climáticas no mundo, então precisamos trabalhar juntos. Mas não estamos vendo muito trabalho sendo feito, apenas ambição de preservação. Por isso,  recisamos capturar carbono.”


O CEO da Suzano usou o desmatamento ilegal na Amazônia para explicar como o mercado de carbono pode ajudar a reduzir a atividade ilegal. “Temos muitas pessoas trabalhando na  desflorestamento ilegal por causa do problema social. Podemos vender US$ 10 bilhões por ano vender em créditos de carbono no mercado internacional e isso pode ajudar a resolver os problemas sociais na floresta e incentivar a preservação.”


O ex-ministro da Fazenda e atual diretor de estratégia econômica e de relações com o mercado do banco Safra, Joaquim Levy, lembrou que no mundo ainda não há tecnologia tão  eficiente para o sequestro de carbono quando o reflorestamento.


“Temos essa tecnologia, as áreas e pessoas, podemos ser líderes globais nos próximos cinco anos no sequestro de carbono.” Para a CEO do UBS no Brasil Sylvia Coutinho, “vemos um tremendo potencial no mercado de carbono”. Na visão da executiva, “o Brasil é um dos países com um dos maiores conjuntos de ativos naturais do mundo e monetizar isso é importante  [para incentivar a preservação]”. A executiva citou ainda a capacidade do país de geração de energia renovável e implementar novos mercados de comércio de energia, como o chamado hidrogênio verde, ou seja, o gás produzido com uso de eletricidade de fontes renováveis e, portanto, sem emissão de gás carbônico.


Ela explicou que as próprias empresas começam a perceber o potencial de monetização dos próprios ativos sustentáveis. “Há alguns anos, nós [UBS] tínhamos de correr atrás dos  clientes para convencê-los de que era vantajoso incluir metas sustentáveis nas emissões [de dívida]. Agora são eles que correm atrás de nós para realizar operação com títulos ligados a métricas de sustentabilidade.”


O vice-presidente sênior da Siemens Energia Brasil, André Clark, ressaltou que o investimento em energias solar e eólica no mundo todo representam uma oportunidade de o Brasil  ampliar sua presença na cadeia global de valor para esse setor. O Brasil poderia fazer o processamento de materiais utilizados na fabricação de equipamentos para a produção de  energia limpa no próprio país, pontuou.


Segundo ele, “a China faz 80% do processamento desses minerais e o Brasil, como fonte de muitas desses materiais, deveria pensar estrategicamente junto com os parceiros  industriais”. O Brasil acrescentou a CEO da BRK Ambiental, Teresa Vernaglia, “pode ter papel-chave no mundo e melhorar a qualidade do clima”.


Fonte: Valor

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
30 jun 2022

ANP aprova a realização de consulta e audiência públicas para adoção de medida preventiva em relação a estoques de diesel A S-10

+
SAIBA MAIS
30 jun 2022

ANP fará consulta e audiência públicas sobre inclusão de operação para emissão de CBIOs

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

BSBIOS e Embrapa desenvolverão cereais de inverno para produção de etanol

+
SAIBA MAIS
29 jun 2022

Fórum Nacional discute oportunidades para o Trigo

+
SAIBA MAIS
27 jun 2022

Biocombustíveis serão tema de debates no Fórum Nacional do Trigo

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO