HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
19 set 2023 - 10:59
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Brasil está bem posicionado para o powershoring, diz diretora do BNDES

A diretora de Infraestrutura, Transição Energética e Mudança Climática do BNDES, Luciana Costa, afirmou que o Brasil está bem posicionado para o powershoring, termo que vêm sendo empregado para denominar a descentralização da produção para países próximos a centros de consumo e que oferecem energia renovável, abundante e segura, como vantagem competitiva.


"A Europa tem um problema sério para descarbonizar a indústria e a matriz hoje. E existe uma relação ganha-ganha de muitas indústrias, não só da Europa, de transferirem indústrias intensivas em energia para o Brasil", afirmou ela, citando também Japão e China.


 


"Assim como o México está bem posicionado para o nearshoring, a gente está bem posicionado para o powershoring", disse a executiva - o nearshoring é a transferência da produção destinada ao mercado americano feita na China para países mais próximos aos EUA.


Entre os diferenciais, ela destacou a matriz energética limpa do Brasil, o sistema integrado nacional - países como os Estados Unidos, por exemplo, não contam com essa estrutura -, as hidrelétricas que funcionam como sistemas de armazenamento e o potencial mineral. "Uma das vantagens do Brasil também está relacionada aos minerais críticos", completou.



A economista afirmou ainda que tanto o banco de fomento quanto o governo federal têm a visão de que o Brasil tem a missão de tornar-se potência verde e, para isso, usará do novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do programa de transição ecológica e energética e da reindustrialização verde.


A declaração foi feita durante o painel "Descarbonização e Transição Energética - Oportunidades e Desafios", em seminário promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em Nova York, nos Estados Unidos.


A diretora admitiu que o Brasil não tem como fazer investimentos públicos no setor como tem sido feito pelos Estados Unidos e pela Europa, mas afirmou que nenhum país tem as vantagens competitivas que o Brasil já tem - e que o levarão a estar entre os três países mais competitivos em hidrogênio verde do mundo. Destacou também o potencial brasileiro no mercado de carbono, pelo qual pode responder por até 15%, disse.


Eólica e solar
Luciana Costa disse também que, mesmo diante do cenário de baixo preço da energia elétrica, os projetos das fontes eólica e solar vão continuar sendo adicionadas à matriz elétrica no País.


"Acredito que esse preço atualmente baixo vai ser corrigido pela entrada de novas demandas", destacou, ao citar como possíveis impulsionadores a eletrificação da frota interna de transportes e a produção de hidrogênio verde, no longo prazo.


Neste contexto, para ampliação do papel do País na transição energética, a economista citou como desafio o custo de capital, considerando que, a partir do momento que mais agências de risco passarem a considerar risco climático e custo de transição, o País deve ter novas elevações em sua nota de risco, facilitando a atração de recursos.


Fonte: Terra

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12 abr 2024

ANP autoriza teste de uso de biodiesel 100% em frota marítima fluvial

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Incentivo a 'combustíveis do futuro' será debatido na Comissão de InfraestruturaFonte: Agência Senado

+
SAIBA MAIS
12 abr 2024

Luciana Santos anuncia aporte de R$ 1 milhão para pesquisa da UFPE na área de biocombustível

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

Governo Lula e agro se aproximam por biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
11 abr 2024

As idosas suíças que ganharam o 1º caso sobre mudanças climáticas na Justiça

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO