HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
07 jun 2023 - 10:08
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Aviação precisa de apoio político para diversificar as fontes de combustíveis sustentáveis

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) informou hoje, 6 de junho, durante as atividades de sua 79ª Assembleia Geral Anual na Turquia, que sua expectativa para a produção geral de combustíveis renováveis no mundo é de que atinja uma capacidade estimada de pelo menos 69 bilhões de litros (55 milhões de toneladas) até 2028.


Os Combustíveis de Aviação Sustentáveis (SAF) compreenderão uma parte desse crescimento de produção, que está sendo alcançado por meio de novas refinarias de combustível renovável e a expansão das instalações existentes, e a produção terá uma ampla cobertura geográfica, abrangendo a América do Norte, Europa e Ásia-Pacífico.


Porém, Willie Walsh, Diretor Geral da IATA, afirmou que, embora o aumento de produção esperado seja extremamente animador, a aviação precisa que os governos ajam para garantir que o SAF receba sua parte justa na produção. Isso significa, em primeira instância, incentivos à produção, para apoiar a transição energética da aviação.


“Precisamos de aprovação contínua para mais diversificação de métodos e de matérias-primas disponíveis para a produção de SAF. Com essas duas medidas implementadas com sucesso, podemos ter certeza de que os níveis de produção esperados para 2028 serão alinhados de forma realista com nossos roteiros publicados recentemente para saldo líquido zero de emissões de carbono até 2050. Isso é importante, pois contamos com o SAF para fornecer cerca de 62% da mitigação de emissão de carbono necessária em 2050”, disse Walsh.  


As tendências que sustentam essa perspectiva otimista já são visíveis. Em 2022, a produção de SAF triplicou para cerca de 300 milhões de litros (240.000 toneladas) e os anúncios de projetos para potenciais produtores de SAF estão crescendo rapidamente. A IATA conta com mais de 130 projetos relevantes de combustíveis renováveis anunciados por mais de 85 produtores em 30 países.


Cada um desses projetos anunciou a intenção ou o compromisso de produzir SAF dentro de sua lista de produtos mais ampla de combustíveis renováveis. Normalmente, há um intervalo de 3 a 5 anos entre o anúncio do projeto e a data de comercialização. Isso implica que mais capacidade de combustível renovável até 2030 ainda pode ser anunciada nos anos seguintes.


Se a produção de energia renovável atingir 69 bilhões de litros até 2028, conforme estimado, a trajetória para 100 bilhões de litros (80 milhões de toneladas) até 2030 estaria no caminho certo. Se apenas 30% dessa produção fosse de SAF, a indústria poderia atingir 30 bilhões de litros (24 milhões de toneladas) de produção de SAF até 2030.


“Atingir a produção percentual de SAF necessária dessas instalações novas e em expansão não é um dado adquirido. Mas com os governos de todo o mundo concordando na ICAO com uma meta aspiracional de longo prazo (LTAG) de zero líquido até 2050, eles agora compartilham a responsabilidade pela descarbonização da aviação. Isso significa estabelecer uma estrutura política para garantir que a aviação obtenha a parcela necessária da produção de energia renovável no SAF”, disse Walsh.


Apoio a políticas e investimento governamental


O caso de diversificação, dentro dos atuais critérios de sustentabilidade, é claro. Atualmente, espera-se que 85% do volume futuro de SAF nos próximos cinco anos seja derivado de apenas uma das nove vias certificadas, sendo Ésteres Hidrotratados e Ácidos Graxos (HEFA), que depende da disponibilidade limitada de matéria-prima, como resíduos de gordura, óleo e graxa (FOGs, reconhecidas pela indústria como matérias-primas de segunda geração).


A IATA identifica três caminhos principais para alcançar a diversificação do SAF:


– Escalar caminhos de SAF já certificados, como Alcohol-to-Jet (AtJ) e Fischer-Tropsch (FT);


– P&D acelerado para vias de produção de SAF que estão atualmente em desenvolvimento;


– Ampliação da tecnologia de matéria-prima/conversão de matéria-prima.


Acelerar esses caminhos para níveis comercializados exigirá liderança política dos governos. Para começar, há uma necessidade iminente de harmonização das principais políticas de SAF como forma de reduzir as barreiras administrativas, logísticas e geográficas à entrada de novos participantes no mercado, incluindo produtores, fornecedores de matérias-primas e compradores.


Mais fundamentalmente, o desafio é encontrar o capital necessário para financiar o desenvolvimento de novas tecnologias e instalações de produção. Os governos devem olhar para o quadro mais amplo de sustentabilidade com esses investimentos.


O SAF pode ser produzido a partir de excedentes florestais e resíduos agrícolas, resíduos sólidos urbanos, resíduos alimentares e resíduos úmidos (matérias-primas de terceira geração).


Produzir SAF a partir deles pode criar oportunidades de retorno de investimento de longo prazo para governos, com o potencial de financiar a limpeza do meio ambiente, apoiar economias em desenvolvimento e fornecer uma interseção à prova de futuro de transição energética e segurança energética.


Apoio ao Passageiro


Uma pesquisa recente da IATA revelou um apoio público significativo ao SAF. Cerca de 85% dos viajantes concordaram que os governos deveriam fornecer incentivos para as companhias aéreas usarem o SAF.


“As pessoas experimentaram o papel dos governos na transição para a energia verde para a eletricidade. Eles agora esperam isso para o SAF. Os líderes do G7 estão entre os últimos a reiterar seu entendimento de que o SAF é fundamental para a aviação sustentável. Agora eles devem apoiar suas declarações com políticas eficazes. Para promover a produção de SAF, existem muitas ferramentas testadas e comprovadas, incluindo créditos fiscais, subsídios ou até mesmo investimentos diretos em tecnologias e soluções emergentes. O mercado está aí. As companhias aéreas querem comprar SAF. Qualquer coisa para incentivar significativamente a produção de SAF será um passo à frente”, finalizou Walsh.


Fonte: Aeroin

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
14 jun 2024

Comissão de Transições Energéticas afirma que os países podem triplicar a ambição climática até a COP30

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Empresas brasileiras se instalam nos EUA para aproveitar incentivos à energia limpa

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Primeiras operações logísticas e agrícolas com uso de Biodiesel 100% mostram o potencial dos combustíveis verdes no Brasil

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

Alexandre Silveira reforça papel mundial do Brasil na transição energética

+
SAIBA MAIS
14 jun 2024

G20 é oportunidade para mudar visão sobre América Latina, dizem líderes

 

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO