HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
16 jan 2024 - 12:00
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

As empresas fizeram grandes promessas climáticas. Agora estão hesitando em cumpri-las

Quando a gigante dos seguros AIG agitou o setor em 2022 com um plano audacioso de parar de subscrever apólices para alguns dos projetos de combustíveis fósseis mais poluentes, os ambientalistas e legisladores elogiaram a empresa. Agora, eles estão perdendo rapidamente a paciência com a companhia.


Como tantas outras grandes empresas que se comprometem a ajudar o mundo a evitar uma catástrofe climática, a AIG está descobrindo que fazer tais promessas é mais fácil do que cumpri-las. A empresa agora é alvo de uma investigação do Senado sobre o setor de seguros, liderada por legisladores que alertam para o fato de que a AIG e outras empresas continuam a desempenhar um papel fundamental na subscrição de alguns dos projetos de combustíveis fósseis com maior intensidade de carbono do mundo ? apesar das promessas grandiosas sobre o clima.


Eles enviaram uma carta incisiva para a AIG em junho do ano passado, acusando-a de continuar investindo em projetos como um oleoduto canadense que transportará parte do petróleo mais poluente do mundo para a Colúmbia Britânica e um enorme terminal de gás natural liquefeito na Austrália, o que desmente a promessa da AIG de reorientar seus negócios para as metas do acordo climático de Paris de 2015. Esse acordo visa limitar o aquecimento global a 1,5 ºC acima dos níveis pré-industriais.


“Até agora, vimos poucas evidências de que o setor de seguros esteja tomando medidas significativas para alinhar suas decisões de investimento e subscrição com o Acordo de Paris”, escreveu o senador Sheldon Whitehouse (D-R.I.), presidente do comitê, em um e-mail para o The Washington Post.


A AIG, que se recusou a comentar ou compartilhar sua resposta às perguntas do comitê sobre seu compromisso com o clima, não está sozinha. A Amazon recuou de um esforço para zerar as emissões de metade de suas remessas até 2030. A Shell Oil abandonou uma iniciativa ambiciosa de construir um pipeline de créditos de carbono por meio de investimentos em preservação de florestas e outros projetos de absorção de carbono em todo o mundo. E a BP reduziu significativamente seu plano de cortar as emissões em até 35% até o final da década.


À medida que o planeta se aquece em um ritmo alarmante, essas reviravoltas expõem as deficiências de se deixar a cargo de ações corporativas voluntárias a solução de uma crise existencial, disse John Lang, líder de projeto da Net Zero Tracker, um grupo que monitora o progresso das promessas climáticas de empresas e governos.


“Há uma enorme lacuna de credibilidade nessas metas corporativas”, disse ele. “Precisamos de mais regulamentação. Caso contrário, o mostrador simplesmente não girará.”


Os Estados Unidos concedem subsídios generosos às empresas que buscam tecnologias limpas, mas não têm uma lei nacional sobre o clima com metas de emissões que os setores devem cumprir. O país não tributa o carbono, o que, segundo muitos economistas, é a maneira mais eficiente e prática de incentivar as empresas a reduzir sua pegada de carbono. E os órgãos reguladores financeiros dos EUA ? em meio à resistência das empresas ? não conseguiram chegar a um acordo sobre regras que simplesmente exigiriam que as empresas informassem as emissões geradas por suas operações e cadeias de suprimentos.


Isso faz com que as empresas estabeleçam metas climáticas em seus próprios termos. Especialistas afirmam que muitas delas anunciaram que se alinhariam com o Acordo de Paris sem um plano claro para chegar lá ou um entendimento completo das compensações envolvidas.


 
Longe das metas


O grupo de Lang examinou mais de mil empresas que se comprometeram a zerar suas emissões até 2050. Descobriu que 38 delas ? menos de 4% ? estão fazendo o mínimo exigido pela meta do acordo de Paris de limitar o aquecimento a 1,5 °C. As demais não estão cumprindo os “critérios da linha de partida” estabelecidos pelas Nações Unidas, que exigem que as empresas rastreiem sua pegada de carbono em todas as cadeias de suprimentos, reduzam imediatamente as emissões, criem um plano cientificamente confiável para usar compensações de carbono e relatem o progresso anual no cumprimento das metas climáticas.


A falta de ação das empresas que se comprometeram com o clima é particularmente importante, pois os cientistas alertam que não há tempo para atrasos, com uma emergência global que exige que as emissões sejam reduzidas agora e não em uma ou duas décadas.


As Nações Unidas alertam em seu recém-publicado Emissions Gap Report que será impossível cumprir as metas de Paris, a menos que as emissões globais sejam reduzidas em cerca de 40% dos níveis de 2015 até o final da década. De acordo com o relatório, as indústrias não estão cumprindo as metas e o planeta está a caminho de chegar a 2030 com emissões ainda mais altas do que em 2015.


Há dois anos, na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Glasgow, os líderes mundiais declararam que os mercados poderiam assumir a liderança na reparação do planeta, com algumas das maiores empresas de investimento, bancos e seguradoras se alistando em iniciativas voluntárias para combater o aquecimento.


Essas iniciativas estão enfrentando dificuldades em meio à resistência dos acionistas e à reação política dos conservadores nos Estados Unidos, com alguns procuradores-gerais dos Estados vermelhos enviando cartas ameaçadoras às empresas envolvidas. Quase metade das empresas que aderiram à Net Zero Insurance Alliance, apoiada pela ONU, abandonou o programa, incluindo cinco das oito seguradoras que eram membros fundadores.


Várias empresas se retiraram da aliança para evitar serem alvos de processos judiciais e ataques políticos, ao mesmo tempo em que avançavam com seus próprios planos de parar de subscrever projetos de combustíveis fósseis, de acordo com executivos de seguradoras que falaram sob condição de anonimato para falar francamente sobre deliberações privadas. Mas eles disseram que a fragmentação da aliança ? e a falta de regulamentação voltada para o clima em países como os Estados Unidos ? está inibindo a ação em um setor que tem uma influência enorme sobre a transição energética, já que os desenvolvedores de combustíveis fósseis não podem funcionar sem seguro.


“Não vamos mentir para nós mesmos”, disse um executivo de seguros. “Não é possível fazer o mesmo progresso trabalhando por conta própria.”


O êxodo das seguradoras ocorreu depois de outro grande golpe nas iniciativas da ONU, quando o colosso dos fundos mútuos Vanguard, em dezembro passado, saiu de um consórcio de grandes empresas de investimento que prometiam retirar seus portfólios dos combustíveis fósseis. A empresa disse na época que queria “deixar claro que a Vanguard fala de forma independente sobre assuntos importantes para nossos investidores”.


Os líderes da iniciativa reconhecem que houve retrocessos e que as empresas não estão apoiando suas promessas climáticas com ações tangíveis com rapidez suficiente, mas dizem que as coisas estão caminhando na direção certa. Curtis Ravenel, consultor sênior da Glasgow Financial Alliance for Net Zero, disse que há 650 empresas listadas nas iniciativas do grupo, em comparação com menos de 100 após a conferência climática da ONU de 2021 na Escócia.


“Isso é como tentar deslocar um navio-tanque”, disse ele. “Envolve cerca de 40% das finanças privadas do mundo. O realinhamento não ocorrerá da noite para o dia. Levará algum tempo.”


O desafio é que tempo é uma coisa que os cientistas do clima dizem que o planeta não tem. Embora as empresas estejam assumindo compromissos climáticos em um ritmo encorajador ? com o Net Zero Tracker descobrindo que metade das 2 mil maiores empresas públicas do mundo estabeleceram metas para zerar suas emissões ? poucas estão seguindo essas metas com ações adequadas para deter um aquecimento catastrófico.


“Acabamos em uma situação em que muitas empresas assumiram esses compromissos porque eram boas relações públicas, mas não tinham um plano viável”, disse Tariq Fancy, ex-diretor de investimentos sustentáveis da BlackRock, outra grande empresa financeira que reduziu sua determinação climática.


Até mesmo as empresas mais comprometidas estão enfrentando dificuldades na ausência de uma política governamental que estabeleça padrões de referência claros para as empresas e as penalize se não cumprirem suas metas. A PepsiCo, que tem como objetivo dar o exemplo para o setor de alimentos, reduzindo as emissões em toda a sua cadeia de suprimentos em 40% em relação aos níveis de 2015 até o final da década, reconhece em um relatório de impacto recente que está longe de estar no caminho certo. Sua pegada de carbono em 2022 não refletiu nenhum corte; na verdade, a empresa enviou mais gases de efeito estufa para a atmosfera no período do que em 2015.


A PepsiCo afirmou em seu relatório que, embora tenha tomado várias medidas significativas, como a mudança para caminhões de entrega com emissão zero e a alimentação de fábricas com energia limpa, “a entrega de nossos produtos requer certos insumos e atividades importantes cujas emissões nem sempre podemos controlar ou mesmo influenciar”.


A Amazon enquadrou seu abandono do que foi chamado de Remessa Zero como parte de um realinhamento em direção a um “compromisso climático” ainda mais ambicioso para zerar as emissões em toda a empresa até 2040. Mas o compromisso não inclui a meta mais imediata de zerar as emissões em metade de suas remessas até 2030. A empresa está tomando outras medidas no curto prazo, como colocar 100 mil veículos elétricos de entrega nas ruas.


(O fundador da Amazon, Jeff Bezos, é proprietário do The Washington Post. A CEO interina Patty Stonesifer faz parte do conselho da Amazon).


O retrocesso corporativo que mais preocupa os líderes climáticos está ocorrendo no setor de combustíveis fósseis, à medida que as empresas dobram a produção de petróleo e gás após os recentes lucros inesperados. As maiores empresas do setor falam com frequência de seu compromisso com a transição energética ? e forjaram um acordo na COP28 para reduzir significativamente suas potentes emissões de metano ? mas a Agência Internacional de Energia adverte em um novo relatório que o setor não está conseguindo se adaptar.


A agência constatou que o setor precisa reduzir as emissões associadas à produção de petróleo e gás em 60% até 2030 para cumprir as metas do acordo de Paris, e não tem um plano para chegar lá. A AIE também constatou que as empresas de petróleo e gás deveriam investir metade de suas despesas de capital em projetos de energia limpa até 2030. Atualmente, elas alocam apenas 2,5%.


A ExxonMobil foi destacada pela organização sem fins lucrativos InfluenceMap como tendo mencionado suas metas de emissões líquidas zero 815 vezes em sites e materiais corporativos da empresa, enquanto fazia lobby por políticas, como expansões de perfuração nos Estados Unidos e regras mais flexíveis para emissões de usinas de energia, que contradizem essa meta. A empresa não quis comentar sobre o assunto.


O grupo descobriu que a Chevron mencionou suas metas de zerar as emissões 138 vezes online enquanto fazia lobby para enfraquecer os padrões de emissões de escapamento, que são a base para reduzir a pegada de carbono de carros e caminhões. O porta-voz da Chevron, Bill Turenne, disse em um e-mail que a empresa apoia as metas do acordo de Paris e que muitos caminhos para atingi-las levam em conta o uso contínuo de petróleo e gás. “Interromper a produção da energia da qual o mundo depende hoje antes de termos alternativas viáveis e escalonáveis para o futuro teria consequências graves e não intencionais”, escreveu ele.


Os executivos da BP e da Shell apresentam argumentos semelhantes, ao mesmo tempo em que destacam os investimentos que as empresas continuam a fazer em energia limpa e na redução da intensidade de carbono dos produtos que vendem. A Shell afirmou em um comunicado que está no caminho para atingir a meta de zero emissões em 2050 e que investirá até US$ 15 bilhões em energia limpa entre 2023 e 2025. A BP disse que os investimentos em “energia de baixo carbono” aumentaram para 30% das despesas de capital da empresa em 2022.


Mas a lacuna cada vez maior no setor de petróleo e gás, bem como na maioria dos outros setores, entre o trabalho necessário para manter o aquecimento em 1,5 ºC e o que as empresas estão realmente fazendo, revela as limitações de um sistema no qual a ação climática é voluntária.


“A questão é se isso é uma falha de mercado ou uma falha do governo em entrar e desempenhar o papel que deveria”, disse Doug Chia, membro do Center for Corporate Law and Governance da Rutgers Law School, em Nova Jersey. “O que é mais notável aqui é a falta de ação do governo.”


 


Fonte: Estadão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO